Topo

Fórmula 1

No primeiro ano sob nova direção, F-1 gasta mais e equipes recebem menos

Clive Mason/Getty Images
Segundo Chase Carey, valores podem ser explicados por novos investimentos na categoria Imagem: Clive Mason/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

02/03/2018 13h39

No primeiro ano da administração da Liberty Media na Fórmula 1, as equipes receberam US$ 47 milhões a menos do que receberam em 2016. A informação foi divulgada nesta sexta-feira pelos próprios novos detentores dos direitos da categoria.

Em balanço financeiro apresentado pela Liberty referente ao quarto trimestre de 2017, as equipes da Fórmula 1 receberam, juntas, US$ 919 milhões. No mesmo período de 2016, o valor arrecado pelos times – então com Bernie Ecclestone à frente da Formula One Management – foi de US$ 966 milhões.

O lucro líquido da Fórmula 1 na temporada 2017 também caiu, de US$ 1,796 milhão para US$ 1,784 milhão. O motivo seria o calendário da categoria – além de ter uma corrida a menos do que teve em 2016 (20, contra 21), a F-1 também aceitou o pagamento de um acordo menor para realizar o Grande Prêmio do Brasil a partir de 2017.

Em nota, a Liberty afirma que “os custos da Fórmula 1 aumentaram principalmente por conta do que foi pago no engajamento dos fãs”. Além disso, a entidade credita os valores a investimentos em imagens e em logística.

O próprio diretor-executivo da Liberty Media, Chase Carey, deixou claro nesta sexta-feira que os custos devem continuar crescendo em relação aos da época de Ecclestone. Em especial, o dirigente destacou os investimentos da categoria em uma nova sede, em Londres.

“Temos hoje cerca de 120 funcionários, e esperamos contar com 150 na segunda metade de 2018”, explicou, que prevê um aumento de gastos na casa de US$ 50 milhões no ano – excluindo, segundo ele, “o marketing e as despesas ligadas a novas iniciativas”.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!