Topo

Fórmula 1

Só um pagante? Substituto de Massa é único piloto engenheiro da F-1

Patrik Lundin/Getty Images
O russo Sergey Sirotkin, da Williams, durante os testes em Montmeló Imagem: Patrik Lundin/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Barcelona (ESP)

08/03/2018 04h00

O substituto de Felipe Massa na Williams chegou à Fórmula 1 com fama de pagante, uma vez que é apoiado pelo banco russo SMP, com um investimento perto dos 80 milhões de reais, mas Sergey Sirotkin tem chamado a atenção por um motivo bem diferente: ele é o único piloto-engenheiro da categoria.

A formação é fruto de um grande esforço do piloto de 22 anos nos últimos cinco anos, quando conciliou a Fórmula 2 com o papel de piloto de testes da Renault e os estudos.

“As corridas eram minha prioridade, então levei cinco anos para fazer esse curso”, contou o russo, ouvido pelo UOL Esporte em Barcelona, onde participa dos testes da pré-temporada. “As provas às vezes eram mais fáceis e às vezes mais difíceis, então houve momentos em que foi um desafio passar em todas elas. Mas ano passado tive de fazer vários voos longos e isso acabou ajudando nos estudos. A revisão final do meu trabalho de conclusão eu fiz voltando do GP do Canadá.”

O curso de engenharia voltada ao automobilismo foi feito em Moscou e o trabalho final de Sirotkin foi totalmente voltado ao que ele vive durante os finais de semana de corrida.

“No projeto que eu fiz, estudava os aspectos do carro em termos de trabalho de acerto nas diferentes condições que afetam um fim de semana de corrida e toda a progressão a partir do acerto que você escolheu usando como um exemplo um carro de F-1. Então é muito direcionado ao que eu faço hoje. Foi difícil fazer isso, mas ao mesmo tempo foi útil e foi algo em que eu sempre tive interesse.”

A Williams diz que sente a diferença. Tanto, que a chefe Claire Williams se disse surpresa com o desempenho de seu novo piloto desde os testes que Sergey fez ainda ano passado.

“Ele fez um trabalho fenomenal para nós no teste de Abu Dhabi e acho que provavelmente Sergey é um dos pilotos sobre os quais não ouvimos muita coisa, por qualquer que seja a razão, mas acho que ele vai surpreender muitas pessoas neste ano.”

Ter um engenheiro no cockpit também é uma vantagem para o diretor técnico da Williams, Paddy Lowe. “Ele entende as coisas técnicas muito rapidamente. É um cara muito inteligente. Ele está muito pronto para estrear na F-1, então será interessante ver como ele vai se sair.”

Mesmo com a formação, Sirotkin nunca teve resultados expressivos nas categorias de base, tendo vencido apenas três corridas na F-2 em três anos na categoria.

Sirotkin voltará ao carro da Williams na sexta-feira, no último dia de testes da pré-temporada da Fórmula 1. A temporada começa dia 25 de março, na Austrália.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!