Topo

Fórmula 1

Pilota de testes na F-1, colombiana diz ter batido para 'ganhar respeito'

Reprodução
Calderón diz que bateu para mostrar que disputa em iguais condições um com homem na pista Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

10/03/2018 15h14

Pilota de testes da Sauber, a colombiana Tatiana Calderón afirmou existir preconceito por ser mulher no automobilismo e que já bateu de propósito para demonstrar agressividade. Em entrevista à “BBC”, Calderón disse que ainda existe a crença de que, por ser uma mulher, ela deixará o rival ultrapassar em uma disputa em alta velocidade.

"Ainda existe [a crença] de que não pode ser competitiva com os homens, então você precisa provar novamente".

Calderón detalha o acidente, que segundo ela, seria evitável. Ela diz que fazia o traçado corretamente, e que um piloto entrou perigosamente no caminho achando que ela frearia. Mas Calderón decidiu manter o traçado, se chocando com o outro carro.

"Houve algumas ocasiões onde eu pensei não vou mudar [o traçado] porque esta é a minha posição. O outro piloto não brecou, então nós batemos, mas foi a única maneira de ele entender isso, só por que eu sou uma mulher. Eu não vou dar o lugar para ele", acrescentou.

“Às vezes é assim que tem que fazer para ganhar respeito”.

Na Fórmula 1, Calderón participará de testes na pista e em simuladores. A ideia é trabalhar com mecânicos da Sauber para desenvolvimento mecânico. As atividades acontecerão também em fins de semana de GP.

A colombiana relembra comentários que ouvia de pilotos: "Eles vinham até mim e diziam: 'Me lembro do dia em que você me ultrapassou e aquilo machucou o meu ego. Mas agora está Ok. Bom trabalho".