Topo

Fórmula 1

Para diminuir monotonia, Fórmula 1 tenta estimular ultrapassagens em 2018

AP Photo/Efrem Lukatsky
Lewis Hamilton e Sebastian Vettel duelam por posição no último GP do Azerbaijão Imagem: AP Photo/Efrem Lukatsky

Thiago Rocha

Do UOL, em São Paulo

23/03/2018 04h00

Não deixa de ser irônico: a principal categoria do automobilismo, esporte em que o objetivo primordial é se impor na velocidade e deixar adversários para trás, sofre com a escassez de ultrapassagens. Trazer um pouco mais de vitalidade às corridas da Fórmula 1 com trocas de posições entre os pilotos é um dos principais desafios para a temporada deste ano, com início na madrugada deste domingo (25), em Melbourne, na Austrália.

A preocupação baseia-se em dados da Pirelli. Segundo a fornecedora de pneus da Fórmula 1, as 20 etapas do calendário de 2017 registraram 435 ultrapassagens, média de 21,8 trocas de posições por GP. O número foi 49,7% inferior na comparação com 2016 - 886 manobras, sendo 41,2 por corrida.

O GP da Rússia foi o reflexo dessa queda de competitividade, com uma mísera ultrapassagem, contra 29 em 2016. Aqui cabe uma explicação: o finlandês Valtteri Bottas, vencedor da prova em Sochi, era o terceiro no grid e deixou para trás as Ferraris de Kimi Raikkonen e Sebastian Vettel logo após a largada, mas para os critérios de análise da Pirelli elas não contam como trocas de posições "reais" porque os carros ainda não estão em ritmo de corrida.

Em 2017, a etapa que mais registrou manobras foi a do Azerbaijão, com 42 - coincidentemente (ou não), a prova mais empolgante vista no campeonato passado. No ano anterior, o GP da China trouxe ao público exatas 128 ultrapassagens, mais do que o triplo.

O vilão na queda de embates por posições na pista é o regulamento técnico da Fórmula 1 adotado na temporada passada. Os carros são largos, com pneus maiores, provocando mais pressão aerodinâmica (downforce) e turbulência na parte traseira. Esse pacote dificulta a vida dos pilotos na hora de pressionar o adversário e tentar manobras mais agressivas.

A situação gerou reclamações dos competidores, mas a Federação Internacional de Automobilismo (FIA), naquela ocasião, não adotou nenhuma medida alternativa.

Mark Thompson/Getty Images
Largada do GP da Rússia, que teve uma única ultrapassagem 'oficial' Imagem: Mark Thompson/Getty Images

Para 2018, a situação é outra. A FIA tomou uma decisão inédita na Fórmula 1 para o GP da Austrália, aumentando para três (o máximo sempre foi dois) o número de trechos do circuito em que estará liberado o uso da asa móvel traseira, o DRS, artifício aerodinâmico que aumenta a velocidade dos carros.

Na pista de Albert Park, que de modo geral tem poucos trechos de ultrapassagem, essas áreas ficarão concentradas na reta de chegada/largada e entre as curvas 2 e 3 e 12 e 13.

Além do aspecto esportivo, o lado comercial também influencia nesta decisão. A Liberty Media, grupo que adquiriu o controle da Fórmula 1 em 2016, tem como objetivo central promover a expansão mundial da categoria, deixando-a cada vez mais próxima do entretenimento para, desta forma, rejuvenescer o público que a acompanha.

Mas nada adiantará trazer elementos pirotécnicos para deixar o show mais atrativo se a atração principal, que ainda são as corridas, se transformar em um monótono desfile de carros em alta velocidade.

A ampliação da zona de uso de DRS será a solução imediata para a Fórmula 1 gerar mais ultrapassagens? A primeira impressão será dada a partir da largada do GP da Austrália, às 2h10 (de Brasília).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!