Topo

Fórmula 1

Pai de piloto da Fórmula 2 compra parte das ações da McLaren na Fórmula 1

McLaren
Michael Lafiti é novo dono de 10% da equipe, mas fontes dizem que não há relação entre negócio e carreira do filho Imagem: McLaren

Do UOL, em São Paulo

21/05/2018 16h49

A empresa canadense Nidala, liderada por Michael Latifi, se tornou dona de 10% das ações do grupo McLaren – que inclui, além da equipe de Fórmula 1, a fabricante de carros de passeio e a divisão de tecnologia aplicada.

De acordo com o site da rede de TV britânica BBC, a Nidala pagou 203,8 milhões de libras (pouco mais de R$ 1 bilhão) para adquirir o percentual da empresa. Desta forma, a empresa de Latifi se tornou a terceira maior acionista da McLaren, atrás da empresa de investimentos Mumtalakat, da família real do Bahrein (56%), e do empresário Mansour Ojjeh (14%).

Michael Latifi ainda é pai de Nicholas Latifi, piloto que se divide entre a disputa a Fórmula 2 pela equipe Dams e a função de piloto reserva da Force India na Fórmula 1. Segundo a BBC, porém, fontes próximas ao acordo dizem que não há conexão entre a venda de ações da McLaren e a carreira de Nicholas.

“Sou um admirador da marca McLaren e de seus negócios há um bom tempo”, disse Michael Latifi. “A McLaren é uma organização única no mercado automotivo, no automobilismo e no ramo da tecnologia, com empolgantes prospectos de crescimento a longo prazo. Foi por isso que fiz tal investimento.”

O presidente do conselho executivo da McLaren, Mohammed bin Essa Al Khalifa, comemorou “a injeção de capital” na empresa. “É um voto de confiança em nossa estratégia. O grupo permanece focado como nunca em seu crescimento”, declarou. A McLaren, por sua vez, é a quinta colocada do Mundial de construtores na F-1, com 40 pontos.

Na temporada da Fórmula 2, Nicholas Latifi é o nono colocado da temporada, com um terceiro lugar na sprint race de Baku (Azerbaijão), segunda etapa de 2018.