Topo

Fórmula 1

Ricciardo inspira fã brasileira com câncer e se impressiona: "É poderoso"

Mark Thompson/Getty Images/AFP
Ricciardo, da Red Bull, durante o GP do México Imagem: Mark Thompson/Getty Images/AFP

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Abu Dhabi (EAU)

23/11/2018 12h00

A cada etapa da Fórmula 1, Daniel Ricciardo reagia a uma temporada recheada de quebras à sua maneira, sorrindo e seguindo em frente. Mas o australiano nem poderia imaginar que sua atitude estava ajudando alguém que passava por muito mais do que quebras de motor ou falhas de câmbio: da atitude positiva de Ricciardo, Ana Luiza Kalil tirou ao longo deste ano forças para lutar contra um câncer raro, descoberto no final de 2017.

A história acabou chegando a Ricciardo por meio de uma promoção feita pela Red Bull para sua despedida da equipe, que será neste final de semana, em Abu Dhabi e também marcará sua 100ª corrida pelo time, que pediu que os fãs enviassem vídeos copiando a famosa comemoração do piloto, apelidada de shoey, quando ele usa uma das sapatilhas como “taça” de champanhe no pódio.

Ana Luiza resolveu participar e aproveitou para celebrar um motivo e tanto: dia 7 de novembro, completaram-se 100 dias desde que a mineira de 29 anos fez seu autotransplante de medula para a cura do Sarcoma de Ewing, tipo de câncer que afeta os ossos e é muito raro em adultos, sendo mais comum entre crianças e adolescentes. Mas mal poderia esperar que o vídeo viralizasse rapidamente e chegasse até Ricciardo, que respondeu: “Não sei nem o que dizer, você é sensacional!”

Ao UOL Esporte, Ricciardo disse que a história de sua fã brasileira o faz colocar seus próprios problemas sob perspectiva. “Olhando desse jeito, meus problemas realmente não parecem tão ruins assim, e é por isso mesmo que eu tento sorrir depois de uma corrida ruim e já disse que um dia ruim para mim já seria um dia muito bom na vida de muita gente, e ela é um grande exemplo do que eu estava tentando dizer - e de uma maneira bem extrema.”

Ricciardo contou que, quando viu o vídeo, o que logo chamou a atenção foi o fato de uma mulher estar fazendo o shoey. “Achei isso muito bacana! Mas me impressionou ver a força dela com algo que é muito mais do que a decepção com uma corrida de F-1. E também o fato dela dizer que eu a inspirei de alguma maneira é algo lisonjeiro. Sei que as pessoas se inspiram em nós, mas não consigo me ver tendo uma influência tão grande na vida de uma pessoa. Foi algo muito poderoso. A saúde é algo tão importante que, se eu estou triste porque tive uma corrida ruim, é um problema muito menor.”

Ana Luíza estava justamente na quimioterapia quando viu a resposta. “Estava no hospital e estava dormindo. Comecei a perceber que eu estava recebendo muitas mensagens. Eu estava até meio zonza dos remédios e nem sabia o que fazer. Foi depois que ele respondeu que viralizou e começou a chegar um monte de mensagem de gente que eu nem conhecia, do mundo inteiro. Nem sabia como agradecer, esse carinho não tem preço e dá uma força muito grande para continuar o tratamento”, contou a fã ao UOL Esporte.

A positividade de Ricciardo frente aos desafios nas pistas sempre foi o que chamou a atenção de Ana Luíza, que começou a acompanhar a F-1 ainda na infância, com o pai. Mas o esporte tinha perdido o significado depois de sua morte, há pouco mais de três anos, também devido a um câncer, no pulmão. “Fiquei sem acompanhar tanto porque isso me fazia lembrar dele. Mas neste ano eu voltei a acompanhar, até porque estava de licença do trabalho, e voltar a ver a F-1 também me ajudou a resolver essa questão. E acabei virando fã do Daniel pelo jeito dele. A impressão é que você sempre vai estar rindo ao lado dele. E essa positividade foi muito importante para eu poder lidar com o tratamento.”

Expectativa pelo GP Brasil
Como Ana Luiza descobriu a doença já com alguns pontos em metástase, após vários exames com resultados inclusivos e suspeita de mioma no útero, sua quimioterapia tinha começado imediatamente após o diagnóstico, pouco antes do Natal do ano passado.

Mas a corrida contra o tempo continuaria nos meses seguintes, com a necessidade de decisões judiciais a fim de garantir que seu plano de saúde cobrisse todos os procedimentos devidos, inclusive o transplante, que acabou sendo realizado no final de julho.

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal
“O transplante neste caso é como uma quimioterapia muito forte, que visa matar completamente a doença, mas também acaba com o funcionamento da sua medula. Só depois é feito o transplante em si das células-tronco que tinham sido coletadas semanas antes. Esse é considerado o dia 0 do transplante. Depois você espera pela ‘pega’, que é quando a medula volta a funcionar. No meu caso isso aconteceu no décimo dia, o que é considerado uma nova data de nascimento. A partir de então, você começa a contar até o centésimo dia, o que é a parte mais delicada do tratamento, pois você fica isolado e tem muitas restrições de contato e de alimentação.”

A expectativa pelo tão esperado centésimo dia, quando o paciente pode começar a ter uma vida normal, era grande. Afinal, ela queria a liberação do médico para ir ao GP do Brasil. “Isso foi um incentivo muito grande. A cada atraso no transplante, eu ficava contando quantos dias faltavam para o GP. Acabou dando 100 dias justamente um dia antes de eu viajar para São Paulo. Acho que foi tudo calculado por Deus, por uma força superior. É um momento muito especial porque, a partir do momento que você passa a ter uma vida mais normal, você não se sente mais tão doente, por mais que eu ainda esteja em tratamento.”

A viagem a São Paulo acabou correndo bem e levou ainda sorte a Ricciardo, que fez uma ótima corrida de recuperação, largando em 11º e chegando em quarto. E sem quebras desta vez.

É uma inspiração que vai passando de sorriso a sorriso. “Até por ter tido o diagnóstico dois anos depois do meu pai ter morrido de câncer, eu me perguntava por que teríamos que passar por tudo de novo. E minha mãe dizia que a pergunta era “para quê”? E hoje eu vejo que a doença veio para fazer com que eu crescesse espiritualmente e pudesse ajudar outros que estejam em dificuldades, até porque sou mais positiva hoje. Um dos meus objetivos de vida hoje é sorrir como o Daniel sorri. Quando eu sentia muita dor por conta da quimio, eu tentava lembrar dele e pelo menos não deixar passar um dia sem um sorriso.”