Topo

Esporte

Fórmula 1


Justiça bloqueia contas de Fittipaldi, mas não acha saldo para sanar dívida

Emerson Fittipaldi vai ao treino de classificação do GP do Brasil em Interlagos Imagem: Luiza Oliveira/UOL

Bruno Thadeu

Colaboração com o UOL, em São Paulo (SP)

16/02/2019 04h00

A Justiça de São Paulo bloqueou contas bancárias ligadas a Emerson Fittipaldi e de sua empresa EF Marketing e Comunicação. A decisão do Tribunal teve como objetivo encontrar recursos financeiros para quitar dívida de R$ 560.694,50 do ex-piloto com o Banco do Brasil. 

No entanto, após verificar o saldo de nove instituições bancárias, a Justiça não encontrou nenhum centavo nas contas do ex-piloto e da empresa.

O Banco do Brasil processou Emerson Fittipaldi em 2014. O jurídico do banco informou à Justiça que emitiu crédito, em dezembro de 2012, de R$ 195.595,73 a Fittipaldi para financiamento na área rural.

O acordo estabelecia a emissão do crédito em 15 parcelas, com início em 10 de janeiro de 2013 e vencimento em 10 de março de 2014. Na ação, o banco alega que Fittipaldi não quitou nenhuma parcela do crédito.

O banco cobra na Justiça o valor concedido a Fittipaldi com juros e correções. No contrato firmado entre as partes, foi colocada como garantia a "Fazenda Fitti", localizada em Araraquara-SP. 

Mas a área de propriedade de Fittipaldi colocada como penhora havia sido arrendada anteriormente a uma empresa para produção de açúcar e álcool. 

Em julho de 2016, a Justiça determinou a impugnação à penhora da fazenda do ex-piloto na ação movida pelo Banco do Brasil. 

Com o cancelamento da penhora da fazenda, e após buscas infrutíferas de outros bens como garantia, o Tribunal ordenou o rastreamento das contas bancárias ligadas ao bicampeão mundial da Fórmula 1

Ao UOL Esporte, a assessoria de comunicação do Banco do Brasil informou nesta sexta-feira que analisará o caso para um pronunciamento oficial. A reportagem não conseguiu localizar o advogado que defende Emerson Fittipaldi no processo, Julio Cesar Caires Filho.

Fittipaldi: investimento no pré-sal gerou dívidas

Em novembro do ano passado, Emerson Fittipaldi admitiu ao UOL Esporte seus problemas financeiros e disse que está se recuperando lentamente.

De acordo com bicampeão mundial de Fórmula 1, as dívidas começaram a aumentar em 2007, quando investiu em uma usina de etanol que quebrou após a mudança de política do governo federal, que passou a investir na exploração do 'pré-sal'.

Fittipaldi decidiu abrir uma usina de etanol no interior do Mato Grosso do Sul há 11 anos. A usina não chegou a ser construída, mas ele elaborou o projeto e comprou as terras. O investimento saiu caro e, apenas nesse processo, teve um prejuízo de R$ 7 milhões.

"Nunca expliquei, mas começou porque eu perdi dinheiro com uma usina. Porque o projeto do governo era incentivar o etanol. Aí, quando apareceu o pré-sal, a Petrobrás e o governo queriam ganhar muito mais dinheiro. Quebraram todos os usineiros e eu junto. Foi aí que entrei em banco e foi a história", disse Fittipaldi, em novembro de 2018.

Ele também investiu em produção de laranjas e trouxe a prova automobilística "6 Horas de São Paulo" para a capital paulista. Mas nada deu certo. Em entrevista à TV Globo, ele já declarou que as dívidas chegaram a R$ 25 milhões.

Por conta dos problemas judiciais, Emerson Fittipaldi teve penhorados até objetos de valor pessoal como troféus que conquistou como piloto e carros que usou em competições importantes do automobilismo.
 

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Justiça bloqueia contas de Fittipaldi, mas não acha saldo para sanar dívida - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Fórmula 1