UOL Esporte Fórmula 1
 
29/03/2009 - 06h33

Top 5 em pontos na história, Barrichello cutuca "críticos" do difusor

Do UOL Esporte
Em São Paulo
"É um ótimo começo de campeonato. Foi fantástico!"
BARRICHELLO ORGULHOSO
OUÇA A ENTREVISTA
O brasileiro Rubens Barrichello fez parte de mais um capítulo histórico na Fórmula 1 e ainda tratou de ampliar seus feitos na categoria. Com o segundo lugar no GP da Austrália, neste domingo, o piloto brasileiro protagonizou a primeira dobradinha de uma equipe estreante desde 1954 e tornou-se o quarto piloto com mais pódios na história e o quinto com mais pontos.

A Brawn GP fez a dobradinha com a vitória de Jenson Button, sendo a terceira escuderia da história a alcançar o feito em seu GP inicial. Antes dela, só a Alfa Romeo (no GP de abertura da F-1, em 1950) e a Mercedes (no GP da França de 1954) tiveram o mesmo desempenho.

FESTA PARA BARRICHELLO
Reuters
Kubica acerta muro após tocar em Vettel na disputa pelo 2º lugar, que...
AFP
...acaba no colo de Barrichello, que celebra assim o 63º pódio da carreira
VEJA FOTOS DA CORRIDA
UMA DOBRADINHA HISTÓRICA
BUEMI PONTUA NA ESTREIA
BUTTON E O CONTO DE FADAS
SAIBA TUDO DA F-1
Além do êxito coletivo, Barrichello celebrou o 63º pódio na carreira, isolando-se como o quarto piloto com mais provas terminando entre os três primeiros na história. Ele superou o escocês David Coulthard, que se aposentou no ano passado, e só está atrás de Michael Schumacher (154), Alain Prost (106) e Ayrton Senna (80). Entre os pilotos em atividade o que mais se aproxima de Barrichello é o finlandês Kimi Räikkönen, com 57.

O brasileiro também ultrapassou Coulthard em número de pontos, chegando a 538, e agora é o quinto com maior pontuação em todos os tempos. Além de Schumacher (1.369), Prost (798,5) e Senna (614), o piloto da Brawn GP está atrás de Alonso, que tem 554. Barrichello ainda é o recordista de GPs disputados com 272.

Na comemoração, o brasileiro fez questão de enaltecer o bom acerto da Brawn GP, mas também tratou de alfinetar quem atribuía o desempenho do carro à utilização do polêmico difusor. A Brawn GP, a Toyota e a Williams tiveram o equipamento contestado por Red Bull, Ferrari e Renault, que levaram o protesto à Corte de Apelação da FIA e o caso será julgado em 14 de abril.

Barrichello lembrou que o difusor foi totalmente afetado na primeira curva, quando ele tocou com Mark Webber, da Red Bull, após batida com Heikki Kovalainen, da McLaren. "Quebrou alguma parte aerodinâmica com certeza. Isso vale até para aqueles que condenam o carro dizendo que o difusor é a parte forte do carro. É todo o conjunto, pois quando a McLaren bateu, quebrou boa parte do difusor atrás", disse.

Apesar da colisão, o brasileiro só teve uma avaria na asa dianteira, mas não teve de ir aos boxes após a batida, sendo o único a permanecer na pista dos que se envolveram no acidente. Kovalainen, inclusive, abandonou a prova. Aos poucos, Barrichello recuperou-se na prova e foi beneficiado pela batida entre Robert Kubica e Sebastian Vettel a quatro voltas do fim para terminar em segundo lugar.

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host