Primeira árbitra da elite do Alemão estreia bem e acerta em lance crucial

Do UOL, em São Paulo

  • REUTERS/Fabrizio Bensch

    Bibiana Steinhaus, a primeira mulher a apitar um jogo da elite do Alemão

    Bibiana Steinhaus, a primeira mulher a apitar um jogo da elite do Alemão


Bibiana Steinhaus foi a primeira mulher apitar um jogo de uma das principais ligas europeias neste domingo. E ela foi decisiva na partida. Acertou um lance difícil que resultou no primeiro gol do Hertha Berlin.

Um jogador do time foi derrubado na entrada da área numa infração que levaria muito perigo. Mas ela não foi apito nervoso. Esperou a definição da jogada e a bola sobrou limpa para Leckie abrir o placar.

Um detalhe que chama a atenção no lance é que um zagueiro do Werder Bremen viu menos que ela na jogada e parou. Mas o acerto de Bibiana ficou tão explícito que ninguém reclamou.

Mas claro que não foi assim durante toda a partida. A reclamação faz parte do script do futebol e em algumas ocasiões formaram-se rodinhas de atletas contrariados. A juíza não é de dar muito papo e foi soberana na partida.

Fazer uma boa arbitragem ajudou muito. Desta maneira, em momento algum teve sua autoridade questionada. A partida terminou empatada, Hertha Berlin por 1 a 1 Werder Bremen.

Reprodução Instagram

Escalação foi elogiada

O Hertha Berlin foi muito cortês com a juíza e o treinador do time desejou sorte quando Bibiana foi escalada, na quinta-feira. Momentos antes da partida, o Instagram do clube publicou uma foto dela acompanhada da mensagem "bem-vinda". Não foi só neste domingo que Bibiana colecionou elogios. O presidente da Federação Alemã de Futebol, Reinhard Grindel, declarou.

"Quero dar os meus parabéns ao comitê de arbitragem, cuja decisão mostra que se alguém trabalhar bem pode ter sucesso independentemente do sexo".

Bibiana sabia que teria os olhos sobre ela neste domingo por ser a primeira juíza na elite do Campeonato Alemão e de qualquer grande liga do futebol Europeu. Ela afirmou que alcançar este estágio sempre foi o seu projeto de carreira.

"Trata-se de um bonito desafio para alguém cujo maior sonho era apitar na Bundesliga", disse a alemã.

Bibiana explicou que a dificuldade era maior porque o futebol é mais rápido na primeira divisão do Campeonato Alemão. Mas a árbitra declarou que confiava em si e que estava preparada para a tarefa. O que ela se recusou a fazer foi ser vista como um símbolo feminista.

""Nunca foi o meu objetivo ser um exemplo da emancipação das mulheres, mas sim arbitrar bem. Isso é o que me importa."

REUTERS/Fabrizio Bensch

Problemas por ser mulher

A juíza não quer levantar bandeira nem gosta de falar de situações que viveu, mas ela já teve problemas em campo por ser mulher. O mais conturbado foi em 2015, quando apitou um jogo do Fortuna de Dusseldorf e Estugarda pela segunda divisão.

Kerem Demirbay foi expulso e respondeu com um gesto malcriado. Mais tarde, falou que "mulheres não devem apitar jogos de futebol". A Federação Alemã de Futebol foi dura e deu gancho de cinco jogos ao atleta, que acabou pedindo desculpas públicas.

Também há casos inusitados. Stefano Molinaro abaixou o calção para ajeitar a camisa. Todos ao redor ficaram com aquela cara de 'o que ele tá fazendo?' porque o jogador estava ao lado da juíza.

Currículo de respeito

Bibiana tentou ser jogadora e jogava de zagueira. Não deu certo e se tornou policial. Filha de um árbitro, seguiu carreira e hoje é casada com um ex-juiz e também policial, Howard Webb.

Ela começou no apito em 1999 e entrou para os quadros da Fifa em 2005. Já comandou final olímpica e da Copa do Mundo feminina. Passou a apitar na segunda divisão em 2007 e agora chegou aonde queria. Está no grupo de 24 juízes de elite do futebol alemão.

UOL Cursos Online

Todos os cursos