UOL Esporte Brasileirão - Série A
 
29/05/2010 - 13h51

Contra provocações de meninos da Vila, Corinthians reforça trabalho psicológico

Bruno Thadeu
Em São Paulo
  • Chicão e Neymar se envolveram em polêmica no último encontro entre as equipes, na Baixada

    Chicão e Neymar se envolveram em polêmica no último encontro entre as equipes, na Baixada

O elenco do Corinthians não digeriu o comportamento de Neymar e de Paulo Henrique Ganso no último encontro entre as equipes, vencido pelo Santos, 2 a 1, na Vila, e entende que por essas divergências o clássico deste domingo, às 16 horas, no Pacaembu, tende a ser ainda mais tenso.

No último coletivo realizado pelo Corinthians antes do clássico, Mano decidiu fechar os portões, impedindo a entrada da imprensa. O treinador ensaiou estratégias para domingo e, principalmente, reforçou o pedido para que os jogadores não se deixem levar por eventuais malabarismos de Neymar ou demais “folias” dos meninos da Vila.

“O importante é que o Corinthians jogue, pressione, sem ficar irritado, porque isso te cega contra adversários bem inteligentes, como é o caso do Santos. Houve questões isoladas, mas temos muito respeito pelo Santos, principalmente pelo o que eles têm feito em termos de produção”, comentou Mano.

CHARGE: CHAPELARIA NEYMAR

  • Fellipe Elias

A ordem é manter a calma, pois “perder a cabeça” durante o clássico pode surtir efeito negativo, avisa o treinador. O recado de Mano tem como alvo o zagueiro Chicão, que levou chapéu de Neymar com o jogo já parado na partida disputada na Baixada. Já Ganso declarou após o clássico na Vila que acertou Ronaldo com o sentido de mostrar que o Santos impunha respeito dentro de casa.

Às vésperas do clássico no Pacaembu, Neymar evitou discursos ensaiados e avisou que se puder tentará um novo drible no zagueiro corintiano.

“Se tiver a mesma situação na hora e der vontade, porque não daria?” respondeu Neymar.

Ciente da probabilidade de um jogo tenso, Mano ressalta que o lado técnico sobressai a eventuais provocações.

“Nós não vamos tentar resolver dessa maneira [provocação]. Algum tempo falamos sobre essas questões. Houve exageros de lá, exageros de cá. As pessoas que incentivaram essas coisas devem ter algum tipo de preocupação”, complementou Mano.
 

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host