UOL Esporte Brasileirão - Série A
 
04/06/2010 - 08h30

Para Fabrício, jogadores têm culpa na situação vivida pelo Cruzeiro

Gustavo Andrade
Em Belo Horizonte
  • Fabrício considera que jogadores também têm culpa na crise

    Fabrício considera que jogadores também têm culpa na crise

Nesta semana, o Cruzeiro viu a saída do diretor de futebol Eduardo Maluf e o pedido de demissão do técnico Adilson Batista. Enquanto o clube passa por uma crise fora de campo, o volante Fabrício admitiu que os jogadores têm sua parcela de culpa.

“A gente não pode crucificar uma pessoa só, um treinador, um jogador ou um dirigente. Todos têm parcela de culpa. O futebol é coletivo e depende de todos, da diretoria, da comissão, mas, principalmente, dos jogadores. Temos uma parcela de culpa e sabemos que temos de reverter essa situação”, afirmou.

Além das saídas de Eduardo Maluf e Adilson Batista, o Cruzeiro perdeu também o atacante Kléber, negociado com o Palmeiras. Em contrapartida, o clube mineiro contratou o atacante Robert, que, no primeiro semestre, defendeu justamente o time alviverde.

Em um momento conturbado nos bastidores, em que novos diretores assumem o departamento de futebol, a diretoria busca novo treinador e há mudanças no elenco, Fabrício espera um pouco mais de tranquilidade. “Essa semana foi de surpresas. A gente quer que acabe logo essa semana, porque está, realmente, muito tumultuada”, disse o volante.

Neste domingo, o Cruzeiro enfrenta o Atlético-GO, em Goiânia, na última rodada do Brasileirão antes da parada para a Copa do Mundo. Embora o adversário esteja entre os últimos colocados, Fabrício espera por dificuldades. O Cruzeiro será comandado, de forma interina, pelo coordenador técnico Emerson Ávila.

“A gente enfrentará uma equipe que chegou nas semifinais da Copa do Brasil, mas a gente espera uma vitória. Queremos terminar o primeiro semestre de 2010 com uma vitória, porque precisamos encostar no pessoal da frente para quando chegar o novo treinador termos tranquilidade na sequência do trabalho”, salientou.

Para um triunfo no domingo, Fabrício se apoia no desempenho da equipe no empate sem gols com o Santos, na quarta-feira. “Contra o Santos, provamos que somos capazes de jogar de igual para igual com qualquer equipe. Jogamos bem diante de uma equipe, que na minha opinião, é a melhor deste ano. A gente dominou o jogo e fez uma baita de uma partida”, observou.
 

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host