UOL Esporte Brasileirão - Série A
 
Thiago Bernardes/UOL

Sem Ronaldo, time mantém ótimo aproveitamento ofensivo e consagra B. César

19/08/2010 - 07h00

Corinthians se adapta à ausência de Ronaldo e melhora nas finalizações e gols

Bruno Thadeu
Em São Paulo

A ausência de Ronaldo no time do Corinthians, são 102 dias afastados, não foi tão sentida pelo clube. A equipe se adaptou à longa série inativa do camisa 9 e ainda apresenta médias superiores em finalizações e gols em comparação aos últimos jogos em que o Fenômeno esteve em campo.

AGENDA DE TREINAMENTOS E EVENTOS

  • AGNews

    O Fenômeno conta que fará o possível para encerrar a carreira no fim de 2011, mas admite que esse plano pode ser encurtado. "Não está doendo, está dando uma tristezazinha. Vivi a vida toda dentro do futebol, e está chegando cada vez mais perto o fim da carreira. Mas vamos fazer um último sacrifício para terminar o ano bem e decidir depois se continuo no ano que vem", declarou Ronaldo.

O Corinthians possui um dos melhores ataques do Nacional: 24 gols, média de 1,7 gol por jogo, um a menos do que o Avaí, o mais positivo do torneio. Ronaldo colaborou pouco: participou apenas da partida de estreia, no triunfo sobre o Atlético-PR por 2 a 1, no Pacaembu, quando fez um gol.

A equipe alvinegra segue sendo uma das que mais arrisca finalizações a gol: 14,4 chutes a gol por jogo, a 3ª melhor do Nacional, conforme levantamento do Datafolha.

A Libertadores foi a mais recente competição em que o atacante defendeu o Corinthians (ele atuou em sete dos oito jogos). Em uma hipotética comparação com os índices ofensivos entre as fases “Libertadores com Ronaldo” e “Brasileiro sem Ronaldo”, fica evidente a auto-suficiência do elenco.

O time paulista terminou a Libertadores com média de 11,4 finalizações, com 1,3 gol por jogo, médias inferiores às alcançadas pelo Corinthians neste Brasileiro.

Os bons números do ataque no Nacional devem-se principalmente ao meia Bruno César, artilheiro do Brasileiro (oito gols) e jogador que mais finaliza a gol, com 4,1 chutes por jogo. Bruno ainda não atuava pelo clube na Libertadores.

LIBERTADORES 2010

  • 1,3 gol por jogo

     

  • 11,4 chutes por jogo

    Ronaldo defendeu o time
    em 7 das 8 partidas

     

“Eu costumo ficar treinando chute mesmo depois de acabar o treino. Chega uma hora em que o pessoal diz: ‘Chega, Bruno, para de treinar. Amanhã você treina mais’. Mas eu gosto de aprimorar as finalizações. Isso será bom futuramente”, conta o camisa 10 corintiano.

A ausência de um jogador fixo no ataque, característica de Ronaldo, faz o Corinthians se movimentar intensamente, evitando perder jogadas ofensivas em razões de impedimentos.

BRASILEIRO 2010

  • 1,7 gol por jogo

     

  • 14,4 chutes por jogo

    Ronaldo defendeu o time
    em 1 dos 14 jogos

     

O time do Parque São Jorge é o que menos fica em impedimento entre os 20 clubes participantes do Brasileiro: apenas 1,3 impedimento por jogo. O Corinthians da Libertadores tinha média de 1,5 impedimento.

“O time está bem, estou num momento feliz, mas o retorno do Ronaldo será muito importante. Estamos sentindo a falta de alguém para finalizar no ataque. O Ronaldo está se dedicando nos treinos. Esperamos que ele volte logo”, desejou Bruno César, que ainda não atuou ao lado do Fenômeno.

Contra o São Paulo, domingo, às 18h30, no Pacaembu, Ronaldo deverá assistir ao clássico do camarote. A expectativa é que o Fenômeno retorne contra o Vitória, dia 29, no Pacaembu.
 

Placar UOL no iPhone

Hospedagem: UOL Host