UOL Esporte Brasileirão - Série A
 
23/08/2010 - 07h01

Roth reconhece 'ressaca' e avisa que Inter ainda vai demorar para embalar

Jeremias Wernek
Em Porto Alegre

A conquista da Copa Libertadores já é passado para os profissionais do Inter. No entanto, os reflexos do bicampeonato seguem no estádio Beira-Rio. O empate com o Atlético-GO, 1 a 1, foi um deles. Outro será visto nas próximas partidas. O técnico Celso Roth reconhece o fato, pede paciência para a torcida e entende que sua equipe ainda deve levar mais algumas rodadas para poder retomar as boas apresentações de antes da decisão do torneio sul-americano.

“É algo mental, não só físico”, argumentou Roth. "No treinamento de sexta e sábado a gente ainda estava com toda a festa e ressaca da conquista. Nesse jogo também”, admitiu o comandante. “É difícil sair de uma conquista grandiosa e ter que jogar, precisando ver assim, de imediato”, completou.

A chamada ressaca pós título engloba cansaço, euforia dos jogadores e um pouco de displicência. Coisas, normalmente, compreensíveis depois de uma grande vitória. “O torcedor tem que entender que vamos demorar um pouquinho para retomar o caminho. Mas o pior é que não temos tempo”, reconheceu o treinador gaúcho.

“Temos que passar esse tempo e administrar. Quarta [diante do Avaí, em Santa Catarina] vamos ter um jogo complicado. Ainda temos um determinado tempo para virmos”, reiterou Celso Roth, comentando que as próximas rodadas terão um Inter ainda combalido pela conquista da América, mas tendo mais titulares em campo do que no jogo contra o Atlético-GO.

Minutos antes da saída da concentração, rumo ao estádio, Roth sacou Giuliano da equipe. O motivo: uma pequena dor muscular. A medida foi preventiva, para não dar margem a problemas maiores no futuro. “Temos até outubro com jogos domingo e quarta, sem parada. Precisamos administrar para não ter problemas mais sérios”, explicou.

Tanto ao final do primeiro tempo como dos noventa minutos, o time reserva do Inter foi vaiado pelos pouco mais de 15 mil colorados no estádio Beira-Rio. Atitude que não foi condenada por Roth. “O torcedor é duro sempre. Ele é bom e duro ao mesmo tempo. Quando ganha é o máximo. Quando o time não vai bem, não tem perdão. É o papel dele, é assim mesmo”, opinou.

Nesta segunda-feira à tarde, a comissão técnica do Internacional irá reavaliar alguns jogadores titulares para iniciar a montagem do time que encara o Avaí, na quarta. Com 21 pontos, o clube gaúcho é sétimo colocado.
 

Placar UOL no iPhone

Hospedagem: UOL Host