Topo

Esporte


Romário demonstra apoio a movimento dos jogadores contra calendário

Do UOL, em São Paulo

2013-09-24T15:34:57

24/09/2013 15h34

Romário, um dos maiores críticos da CBF e do atual momento do futebol brasileiro, demonstrou na tarde desta terça-feira apoio ao movimento iniciado pelos jogadores contra o calendário proposto pela entidade para 2014.

Em nota publicada no seu site oficial, o deputado federal elogia a ação que, segundo ele, era “inimaginável até bem pouco tempo”.

“A manifestação de atletas profissionais questionando a condução da Confederação Brasileira de Futebol sobre o calendário dos jogos é uma atitude extremamente sensata”, disse o ex-atacante.

Romário tem criticado fortemente a atuação do presidente da CBF, José Maria Marin, e a condução do futebol brasileiro pela entidade.

“Este levante contra a CBF por parte dos atletas era algo inimaginável até bem pouco tempo. Sorte que eles acordaram a tempo. O que na prática estes jogadores estão comprovando é que o venho dizendo há muito tempo: a CBF não está preocupada com futebol, a única preocupação desta entidade é encher as burras de dinheiro. É por este motivo, inclusive, que estamos assistindo nosso futebol descer ladeira abaixo”, analisou.

Romário citou o artigo 28 da Lei Pelé, que exige férias de 30 dias, algo que pode não ser possível com o calendário de 2014 apresentado pela CBF.

“Os clubes e federações aceitam estes desmandos da CBF porque dependem financeiramente da entidade, e se esquecem de proteger seu maior patrimônio: os jogadores. São eles a base desta pirâmide, como é fácil de concluir, jogadores estafados não rendem o melhor de seu futebol”, afirmou Romário.

Mais tarde, em entrevista para a Rádio Espn, Romário criticou não só a CBF, como também os clubes e as federações estaduais por permitirem que os direitos dos atletas não sejam preservados.

"A gente já sabe que a CBF, tanto a administração anterior como essa, está preocupada em colocar dinheiro para dentro. Eles não estão nem aí para o bem-estar dos clubes e dos jogadores. Mas eu acho que os clubes são os maiores culpados disso. Eles têm que cobrar a CBF porque são seus jogadores que não aguentam jogar tantas partidas", comentou o Baixinho, que defendeu o método proposto para protestar contra o calendário do futebol brasileiro.

"Não sei se a palavra é greve, mas esse grupo tem que manter o planejamento e não entrar em campo caso as mudanças não sejam realizadas", completou o deputado federal.

JUCA DEFENDE ATLETAS E CRITICA SINDICATO: 'HORA DOS OPORTUNISTAS'

  • Como era de se esperar, os acomodados “sindicalistas do futebol” que há décadas fazem de seus cargos meros cabides de empregos, agora surgem radicalizando, propondo até greve e querendo tomar para si as conquistas trabalhistas dos atletas que jamais tiveram o dedo deles.

Mais Esporte