Topo

Esporte


Venda caótica de ingressos tem gremistas 'presos' e mantidos na chuva

Marinho Saldanha/UOL
Torcedores do Grêmio 'presos' no Olímpico em venda de entradas para clássico Imagem: Marinho Saldanha/UOL

Marinho Saldanha

Do UOL em Porto Alegre

2014-08-07T13:52:24

07/08/2014 13h52

A venda de ingressos para os gremistas para o clássico 402 foi caótica. Com filas desde o início da manhã, as 1,3 mil entradas acabariam rápido não fosse a falta de organização para comercialização dos bilhetes. Torcedores foram 'presos' no Olímpico e forçados a ficar na chuva. Por fim, nem todos conseguiram comprar e muita reclamação aconteceu.

Desde as 5h havia torcedores aguardando a abertura das bilheterias, que aconteceu às 10h. A fila foi aumentando no pátio do Olímpico e chegou a invadir as arquibancadas. Foi quando ocorreu o primeiro problema.

Na abertura das vendas, os aficionados que estavam dentro do estádio passaram a sair e muitos furaram a fila. Depois de muita reclamação, os seguranças do Grêmio contornaram o problema criando corredores para passagem dos aficionados.

Mas não resultou em grande avanço. Como somente dois guichês funcionaram, a fila andou lentamente. E por volta das 11h30, começou a chover. Com isso, somente os primeiros conseguiram se abrigar, os demais foram forçados a seguir no corredor, na chuva, encarando ainda vento e muito frio.

Enquanto isso, o portão que dava acesso às arquibancadas do estádio foi fechado, prendendo cerca de 800 torcedores lá dentro. A razão alegada pelos seguranças é que isso diminuiu o fluxo de pessoas no pátio evitando novos furos na fila. Não demorou para as reclamações começarem, muitos pedindo para somente ir para casa, e o portão só foi aberto novamente quando um tumulto iniciaria.

Depois de serem presos e forçados a ficar na chuva, os aficionados gremistas compraram todos os 1,3 mil ingressos. Porém nem todos conseguiram. Cerca de 300, que sofreram esperando a chance de adquirir os bilhetes, ficaram sem e passaram a fazer todo tipo de acusação.

Solidariedade do guarda-chuva, acusações e descumprimento de regras

Se algo de positivo aconteceu no calvário dos torcedores atrás de ingressos para o Gre-Nal foi a solidariedade. Quando os aficionados chegavam a uma parte coberta do estádio, mais próximo aos guichês, passavam guarda-chuvas de mão em mão ajudando os que ainda estavam sendo forçados a sofrer com o clima do inverno gaúcho.

Mas foi o único momento positivo. Sem entradas, os aficionados acusaram seguranças de trabalharem como cambistas. "Eu já comprei dois ingressos daquele segurança que está ali", disse apontando a um profissional que contratado, que não vestia uniforme do clube.

Marinho Saldanha/UOL
Imagem: Marinho Saldanha/UOL

"Não tem ninguém da Geral [torcida organizada do Grêmio] aqui, sem ingresso. Aposto que vão estar no estádio. E por que? Porque dão ingresso para eles. Eles não são mais gremistas que nós", disse outro torcedor aos berros.

Nem mesmo a regra de venda de apenas um bilhete por pessoa foi respeitada. "Eu já comprei dois ingressos. Estou tranquilo", disse um aficionado saindo da fila. Torcedores relataram ainda que outros compraram até oito entradas sem problema algum.

Por volta das 13h30 os que não conseguiram comprar bilhetes deixaram o pátio do Olímpico frustrados. Porém, o que ficou claro com a comercialização caótica na manhã desta quarta-feira é que a Copa do Mundo não deixou tantas lições assim aos clubes brasileiros.

O clássico Gre-Nal será disputado domingo às 16h no Beira-Rio. O jogo marca a estreia de Luiz Felipe Scolari em sua terceira passagem pelo Tricolor.

 

 

Mais Esporte