Corinthians recuperou volantes com nutróloga, nervos no lugar e ajustes

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

As convincentes atuações de Bruno Henrique e Cristian foram o ponto alto da vitória do Corinthians sobre a Ponte Preta na quinta-feira. Não exatamente como protagonistas, mas pela surpresa em torno do alto rendimento de ambos em uma equipe totalmente reajustada por Tite nas últimas semanas. 

No início do mês, Bruno Henrique viveu um de seus momentos mais difíceis no Corinthians. No intervalo da partida diante do Nacional-URU, cansado de ouvir vaias da torcida, o volante precisou ser contido pelos companheiros no vestiário por uma crise de nervosismo. Testemunhas do fato indicam que as mãos de Bruno tremiam com a perspectiva de eliminação como um dos alvos. Naquele dia, ele acabaria substituído, debaixo de mais vaias. 

Para Cristian, os momentos de baixa foram provavelmente ainda mais difíceis. Na volta ao Corinthians, ele jamais conseguiu ser titular, e conviveu com problemas físicos importantes, sobretudo musculares. Nos últimos meses, segundo o treinador Tite e ele próprio, uma nova conduta foi adotada. Ao ser excluído inicialmente da lista de jogadores no Paulistão e colocado para empréstimos, o volante decidiu mudar. 

No processo de dar a volta por cima, Cristian contratou nutricionista, nutrólogo, fez trabalhos físicos adicionais com o auxiliar de preparação física Flávio Furlan e ganhou atenção dos fisiologistas do clube. Decidido a mudar a imagem nesse período, chegou até a cogitar a contratação de um assessor de imprensa particular. "Eu não dei nada para ele, ele construiu isso", resumiu Tite. 

Cristian também revelou como deu a volta por cima com o apoio dos familiares. "Como minha esposa me falou. Eu tenho minha história e tenho que continuar. Não vim passear, como muitos acham. Meu filho sempre falava para eu voltar, porque queria me ver jogando no Corinthians. Ele tinha um ano e agora tem oito. Só me viu jogar na Turquia", contou o volante que, contra a Ponte, além de jogar 90 minutos após um ano, fez quatro desarmes, cuidou da saída de bola e até apareceu na área rival. 
 
Já para Bruno Henrique, o essencial foi ganhar confiança do treinador e um novo papel na equipe formatada de maneira diferente. Ciente de que o volante não deu conta da função de jogador mais recuado no 4-1-4-1, Tite posicionou Bruno mais à frente, exatamente ao lado de Cristian. Livre para avançar pelo lado direito, ele foi bem diante da Ponte Preta e marcou um bonito gol, seu primeiro na temporada. 
 
Segundo jogador com o maior número de partidas no elenco em 2016, Bruno Henrique também comentou a respeito de sua grande assiduidade. "Em um elenco tão qualificado como o do Corinthians, não é fácil ser o segundo jogador que mais atuou no ano. É sinal de que estou no caminho certo e que o trabalho está sendo reconhecido". 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos