G. Augusto minimiza desfalques santistas e cobra grande jogo do Corinthians

Do UOL, em São Paulo

  • Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Os inúmeros desfalques do Santos não animam Giovanni Augusto para o clássico desta quarta-feira (1º), na Arena Corinthians. Para o jogador, a obrigação do Corinthians é permanecer atento e fazer um grande jogo.

"Jogadores que estão de fora fazem diferença, tem nível técnico alto. Mas é praticamente o mesmo time que nos derrotou no Paulistão, temos de estar ligados, são jogadores que fazem a diferença. Temos de entrar 100% para fazer um grande jogo", afirmou em entrevista coletiva. "Clássico mexe com todo mundo e vamos jogar em casa. Temos obrigação de fazer um grande jogo".

"A equipe deles vai estar com sangue nos olhos para sair dessa situação, enfrentam uma pressão e sabem que uma derrota pode piorar. Temos de estar ligados, vai ser como uma final para eles. Temos de entrar a 200 por hora para fazer um grande jogo", continuou.

Vindo de duas vitórias consecutivas, o Corinthians entrou no G-4 do Campeonato Brasileiro. Para Giovanni Augusto, o importante nesse início de competição é manter a regularidade. "Todos sabemos das dificuldades do Brasileiro. Temos de ter regularidade. Pensar sempre no presente. É um campeonato longo, é preciso regularidade e fazer bons jogos em casa".

"Não podemos dar mole para o azar, perder jogos na teoria mais fáceis, isso faz diferença. Passei por isso ano passado. Perdemos alguns jogos que eram vitória certa no Atlético-MG, e me serviu de aprendizado", lembrou o jogador, que ano passado defendeu o clube mineiro. Na ocasião, o Corinthians acabou campeão e o Atlético-MG ficou em segundo.

Polêmicas com André e Cássio

O mau início do Corinthians no Campeonato Brasileiro, com um empate e uma derrota, fez com que Tite mexesse na equipe titular. Entre as mudanças, destacaram-se duas: o goleiro Cássio e o atacante André.

Cássio, em especial, foi o que mais se mostrou incomodado com a mudança. Em entrevista depois da partida contra a Ponte Preta, já com Walter como titular, o goleiro afirmou não ter entendido a razão de ser reserva e cobrou uma conversa "olho no olho" do preparador de goleiro do clube.

"(Isso é) Página virada. Conhecendo o Cássio mesmo há pouco tempo, sabemos que é um cara comprometido. Futebol é assim, queremos jogar, mas o companheiro do lado quer a oportunidade. Cássio sabe que como Walter esperou ele vai ter que esperar um pouquinho. É um cara que nos ajuda bastante", afirmou Giovanni Augusto, sobre a polêmica.

No caso de André, a pressão vem da torcida. Também na partida contra a Ponte Preta, dentro de casa, o atacante foi vaiado pelos torcedores assim que entrou em campo para substituir Luciano, que havia começado como titular.

"Nunca passei (vaias da torcida). É uma situação complicada, mas acredito que André está muito feliz no clube. É só uma fase ruim. Tem N exemplos de atletas criticados no início e depois dão volta por cima, como o Love. Acredito muito no André, tem qualidade, talento e pode nos ajudar. Vai dar a volta por cima. O pensamento dele é ficar no Corinthians", completou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos