Por que Dudu não deve voltar tão cedo a jogar no centro do Palmeiras

Do UOL, em São Paulo

  • Cesar Greco/Ag Palmeiras

    Dudu deve continuar pelas pontas, posição na qual 'comandou' a vitória sobre o Grêmio

    Dudu deve continuar pelas pontas, posição na qual 'comandou' a vitória sobre o Grêmio

De uma atuação apagada para o protagonismo diante de um dos destaques deste início de Campeonato Brasileiro. Em menos de uma semana, Dudu respondeu da melhor forma possível às críticas públicas de Cuca, ocorridas no último domingo, após o clássico contra o São Paulo: três assistências no 4 a 3 sobre o Grêmio.

A diferença gritante entre o desempenho diante dos rivais e dos gaúchos pode ser explicada no posicionamento do meia-atacante. Contra o São Paulo, Dudu foi o meia de ligação, no centro, e terminou criticado por Cuca.

Contra o Grêmio, por outro lado, Dudu respondeu na bola – após rebater o treinador palmeirense ainda no domingo, horas depois da derrota no clássico contra o São Paulo.

As três assistências – fora a maior qualidade na organização ofensiva – devem convencer Cuca sobre o posicionamento 'ideal' de Dudu. No entanto, o UOL Esporte lista outros motivos pelos quais Dudu não deve retornar tão cedo a atuar como a principal opção de meia central do Palmeiras.

Garçom contra o Grêmio

Foram três assistências – duas de bola parada – contra os gaúchos, mas Dudu deixou o gramado do Pacaembu como o principal destaque do Palmeiras em um dos compromissos mais complicados da equipe neste início de disputa da Série A em 2016.

O Grêmio não sofrera nenhum gol na competição, até encontrar Dudu inspirado na última quinta. O meia deu um belo passe para Gabriel Jesus, com apenas um minuto, abrir o marcador; era apenas uma amostra do que o camisa 7 'aprontaria' diante da equipe de Roger Machado.

Sumido no Morumbi

Os elogios, resultado da grande atuação na quinta, tornam-se ainda mais pesados em virtude da comparação com o jogo do último final de semana, no Morumbi. Contra o São Paulo, Dudu abusou dos erros e irritou Cuca, que tratou até de expor publicamente a insatisfação.

"Ele fez um lance bonito na parte técnica, mas não teve uma produção ofensiva boa. No começo até criou alguma jogada, depois errou muitos passes", declarou, há uma semana, o treinador.

Disse que me disse

As críticas de Cuca receberam resposta minutos depois. O mal estar acabou consolidado pelo próprio Dudu, que respondeu ao treinador depois da derrota para o São Paulo no último final de semana.

"Não entendo porque não tive um dos meus melhores dias. Se olhar os lances do primeiro tempo, do segundo, não estou entendendo as críticas. Infelizmente é assim. Quando perde, acha alguém para criticar. É pensar para frente", falou o meia-atacante.

O retorno do 10

Contra o Flamengo neste domingo, a função de meia-central deve contar com um velho conhecido. Cleiton Xavier, novamente titular do Palmeiras, trabalhou normalmente na última sexta-feira e tem grandes chances de ser relacionado por Cuca para o duelo em Brasília.

Caso Cleiton permaneça fora, Moisés provavelmente será mantido, o que dará a mesma função encontrada por Dudu no jogo contra o Grêmio.

Jesus centroavante

Gabriel Jesus gostou de atuar como referência no setor ofensivo diante do Grêmio – exerceu a função de centroavante durante o segundo tempo. Com Cleiton ou Moisés no meio-campo e a revelação no ataque, sobra apenas as duas pontas para Dudu se firmar.

Com Cleiton ou Moisés e Alecsandro ou Jesus, Dudu perde espaço em qualquer setor central. Na cabeça de Cuca, após as duas atuações nesta semana, o camisa 7 deve seguir como um ponta.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos