Para Walter, Cássio é ídolo e líder corintiano. Mas chegou a vez de brilhar

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

  • Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

    Walter fará sétimo jogo seguido como titular no domingo, contra o Palmeiras

    Walter fará sétimo jogo seguido como titular no domingo, contra o Palmeiras

Os 28 anos de vida talvez não deem a dimensão do quanto Walter perseguiu esse momento. Se não bastasse a realização pessoal por constituir família ao lado da esposa Adriana e da filha Maria Eduarda, de 1 ano, ele é titular do Corinthians, jogará um dos maiores clássicos do Brasil no domingo e nunca se sentiu tão bem. 

Com a experiência de quem defendeu equipes pequenas até 2013, ele se vê em franca evolução depois de barrar Cássio, não apenas um de seus melhores amigos, mas o goleiro com os maiores títulos da história do Corinthians. "Tenho que projetar meu futuro", diz Walter. Ele acredita estar no auge da forma física, técnica e inclusive mais maduro e seguro a cada dia para provar sua qualidade em sair com a bola nos pés. 

Abaixo, veja os melhores trechos da entrevista exclusiva de Walter ao UOL Esporte

COMO É VIR DE TIMES PEQUENOS

A gente passa por momentos difíceis, mas com muita alegria mesmo em time pequeno. Você vai trabalhando sério, com pessoas maravilhosas. Lembro de todos e tenho carinho por todos que trabalhei até hoje. Muitos clubes que você passa não têm uma gestão honesta, faz você ter prejuízo ao invés de ter algum ganho. Chegar no Corinthians e poder estar jogando é até inexplicável... você só vai falar de coisas boas. 

Walter jogou por: Rio Branco-PR, Iraty-PR, Londrina-PR, Corinthians-PR, Caxias-RS, Novo Hamburgo-RS, XV de Jaú-SP, Noroeste-SP e União Barbarense-SP. 

ONDE ESTÁ A EVOLUÇÃO

Acho que tecnicamente. O professor Mauri (Lima, preparador) nos ajuda muito, faz um grande trabalho desde que chegou, olha os títulos que já ganhou. Tem por aí o Júlio (César), o Danilo Fernandes, que começou o campeonato muito bem e fez um campeonato excelente no Sport, e não vinha jogando. Para você ver o trabalho aqui. No trabalho de força, de academia, os preparadores ajudam muito. Eu melhorei esse aspecto.

GOLEIRO QUE SABE JOGAR COM OS PÉS

Tem que evoluir diariamente no trabalho com os pés. A maioria dos clubes tem treinadores que não querem sair jogando. Preferem dar um balão para não trazer problema (risos). Sempre tive a técnica mais apurada para sair jogando, mas tem que ter coragem também. Quando eu era moleque, eu joguei na linha, mas não tive trabalhos para isso como goleiro. Os preparadores não utilizam muito trabalho com os pés, às vezes não tem nada para sair jogando. Aqui fazem bastante trabalhos que acabam ajudando.

QUANDO VEIO A NOTÍCIA: VOCÊ VAI JOGAR NO CORINTHIANS

Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Walter faz oração na Arena Corinthians

Foi um primo meu, de Piracicaba, onde eu morava (em 2013). Eu ia treinar em Santa Bárbara. Ele sempre vê os sites, é meio louco pelo Corinthians, e acabou vendo cedo, uma notícia ou outra, do interesse em mim. Ele me ligou, me perguntou se era verdade ou não era. Eu falei 'pô, não sei'. Depois dessa manhã, meu empresário entrou em contato e me falou do interesse. 

FOI INESPERADO

Foi sim, claro. Ainda mais pela situação do clube (União Barbarense). Muitos só veem o resultado e não o potencial. O Mauri me conhecia porque vim treinar com o Noroeste em uma final da Copa Paulista. Ele me conhecia de vídeos e de ouvir falar de mim. O Mauro foi ver jogos meus. Deu certo, fiquei aqui.

O PIOR MOMENTO NA CARREIRA

Foi no próprio Barbarense, em Santa Bárbara. Recebi, acho, um mês e meio de salário. Foi dezembro e metade de janeiro. A gente tinha a alimentação, claro, que não era a que os atletas necessitam, mas tinha. Eles não davam moradia. A concentração era 'precaríssima'. Um dos lugares que mais problemas me causaram. Se for os mesmos dirigentes, deve dar problema até hoje.

O QUE HOUVE COM FLAMENGO

Meus empresários não me falam muita coisa, eu sabia disso pela imprensa. Depois, eles só me passariam se houvesse algo, para saber se aceito ou não. O Flamengo tem uma torcida imensa, acabou vindo atrás e depois eles me falaram que não deu certo e, por isso, não falaram comigo. Mas meu pensamento sempre esteve aqui. Sempre quis ficar, pela grandeza do clube e pelo que me proporciona. Me interessava o trabalho, a evolução que eu tinha, mesmo como terceiro ou quarto goleiro. A evolução foi muito grande, então meu pensamento era de ficar.

Os agentes de Walter negociaram transferência para o Flamengo em 2016

O OUTRO DÉRBI NO ALLIANZ

Antes de eu entrar, o pessoal foi se aquecer e eu fui ao lado do doutor. Eu estava sem chuteira e nem nada. Coloquei o pé numa bolsa térmica, acho, sem chuteira mesmo, e falei: 'vou ver o jogo daqui, vou ver a gente ganhar daqui'.  Não deu um minuto e o Cássio foi expulso. Ele segurou um pouco para eu poder entrar, colocar a chuteira. O time estava misto, era um pouco pressionado, mas entrei e consegui fazer uma defesa com os pés.

A última vitória no Palmeiras foi no Paulistão 2015. Nesse dia, Cássio foi expulso no segundo tempo e Walter fechou o gol no fim

AGORA NÃO É ROUBADA

Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Walter conversa com o preparador de goleiros Mauri Lima, que deu aval para entrada na equipe

Me sinto tranquilo dentro de campo, até pelo trabalho da semana que a gente faz. Quando você está há cinco meses sem jogar e vai para um jogo, você não sabe como está. Fazer um jogo treino não é igual a ter um monte de gente te olhando. A sequência dá tranquilidade, e aumenta muito a confiança. No futebol, isso é o que a gente precisa.

Essa é a primeira sequência como titular do Corinthians. Walter sempre se acostumou a jogar durante ausências de Cássio, desde 2013

COMO É COLOCAR CÁSSIO NO BANCO

Não sei se é 'colocar' a pergunta. Venho me preparando, me dedicando. Acabei tendo o aval da comissão para poder jogar e estou tentando agarrar da melhor forma possível. Ele é um ídolo, é um cara que a gente gosta muito, um líder aqui dentro. Mas eu tenho que projetar meu futuro, projetar meus jogos, trabalhar da mesma forma como sempre trabalhei e seguir em frente.

ÁUDIO NO WHATSAPP

A chateação de não estar jogando todos têm. Mesmo para quem jogou um jogo só ou 200, 300 jogos. O respeito também sempre vai ter. O carinho que sempre tive por ele, todos sabem, nem preciso expor porque vai parecer mentira ou forçado (risos). Todos têm respeito por ele, entre as famílias também. É trabalhar. Ele está trabalhando, teve essa conversa e o Tite expôs o que havia dito. É seguir em frente. (...) O que ele precisar de ajuda nos trabalhos, sempre falei pra ele contar. 

Cássio procurou Walter após ser barrado por Tite e se irritar, mas desejou sorte ao amigo

MELHOR ANO DA VIDA

Não só na confiança, mas é o meu melhor momento. Fisicamente eu me sinto muito bem. Depois de velho é que você se sente bem (risos). Por isso vale se cuidar. Com a Cris, nutricionista, com nutrólogo por fora também. Você acaba tendo um rendimento maior.

A FILHA QUE VIROU AMULETO

Meu amuleto veio, mas não entrou contra o Coritiba. Acabamos não tomando gols e não perdemos com ela em campo. Dessa vez, ela não entrou porque estava chovendo, muito frio. Mas já me mandaram mensagens no Instagram: leva um guarda-chuva, uma capa (risos). Ela me traz uma paz muito grande em casa.

Nos jogos que entrou com a filha Maria Eduarda na Arena, Walter não sofreu gols nem perdeu. Sábado passado, ela não foi ao gramado e ele acabou vazado. 

A VIDA MUDOU AO SER PAI

Se soubesse que era tão bom, teria tido antes, para passar mais tempo com ela. Estou muito feliz, minha esposa está muito feliz. Ela veio alegrar não só minha casa, mas a família em volta. Até o amor que a gente tem de pai e mãe, de tio e tia, você tem e vai aflorando, vai aumentando mais. A gente tem que mostrar para ela o que é certo e errado. Não só falar, tem que agir também.

O PAI QUASE SOFRE DO CORAÇÃO COM WALTER

A minha família é muito humilde. São pessoas que ficam 'na dela'. A felicidade de todos aumenta (como titular). Meu pai disse que vai morrer do coração vendo o jogo, mas eu falei para ele ficar tranquilo, que nós estamos fazendo o que a gente gosta. Ele só vê pela televisão, porque tem que trabalhar sozinho.Ele não pode deixar o serviço pra outro, mas na telinha ele esta ligado. No bar dele, há vários amigos que estão sempre lá no mesmo horário, no mesmo canal, estão sempre por lá (risos). 

O QUE O FUTEBOL JÁ DEU DE BOM

Antes de vir pra cá, eu tinha que ter um carro para me locomover. Hoje já pude comprar minha residência, uma coisa ou outra, mas pelo tanto que eu passei, se fosse antes (ir para o Corinthians...eu não me apego ao material, deixo tudo fluir naturalmente. Faço com o coração, no tempo certo, para permanecer para o resto da vida.

A MAIOR EMOÇÃO NO FUTEBOL

Vou falar até de um momento especial no XV de Jaú. Nós fomos campeões do Paulista sub-20 de 2005. É uma época que era o começo da minha carreira, fiz um trabalho excelente com o preparador de goleiros João Luiz, que me ajudou muito. É uma lembrança que eu guardo paro resto da vida. Fizemos partidas espetaculares. Eu ia para o Iraty para ficar cinco anos, para sair de casa.

ELIMINOU O CORINTHIANS

Nas oitavas, nós pegamos o Pão de Açúcar, que era no Juventus, um dos melhores times. Depois, pegamos o Corinthians com o William nas quartas. Na semifinal, foi o São Caetano, e na final o santos. Fomos atropelando os times grandes. Não sabíamos aonde ia chegar, mas a comissão com todos os problemas no XV de Jaú conseguia se ajudar. Os familiares iam levando bolo, lanches, e todos iam se ajudando.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos