Copete muda o jogo e conduz o Santos ao G4 do Campeonato Brasileiro

Do UOL, em São Paulo

Jonathan Copete fez apenas sua segunda partida com a camisa do Santos, mas já caiu nas graças da torcida alvinegra. O colombiano precisou de apenas 10 minutos em campo para acabar com a retranca da Chapecoense e conduzir o time paulista a uma vitória por 3 a 0, neste domingo, na Vila Belmiro. 

Aos 16 minutos do segundo tempo, ele deu uma assistência para Rodrigão abrir o placar. Quatro minutos depois, mostrou oportunismo e balançou as redes da Chapecoense. Para completar sua atuação perfeita, Copete serviu Yuri, que acertou um lindo chute e fechou o placar.
 
Com a vitória, o Santos vai aos 22 pontos e volta ao G4. No dia 12 deste mês, o time de Dorival Júnior tem encontro marcado com o Palmeiras no Allianz Parque. No dia 9, a Chapecoense recebe o Corinthians na Arena Condá. 
 

Quem foi bem: Copete brilha e leva o Santos à vitória

Movimentação intensa, duas assistências e um gol. Em pouco menos de 40 minutos em campo, Copete decidiu o duelo e foi muito aplaudido pelos torcedores. Atuação perfeita do colombiano. 
 

Quem foi mal: apático, Vitor Bueno erra muito e é sacado por Dorival

Artilheiro do Santos no Campeonato Brasileiro com 5 gols, Vitor Bueno não rendeu o esperado neste domingo. Atuando pelo lado esquerdo, o jovem de 21 anos errou muitos passes, não auxiliou Lucas Lima na criação e foi incapaz de conduzir o Peixe ao ataque. Apático, deu lugar ao colombiano Copete aos 11 minutos do segundo tempo. Uma tarde para ser esquecida pela revelação alvinegra. 
 

Retranca montada por Caio Júnior trava o Santos no 1º tempo

Principal preocupação de Caio Júnior antes do começo do jogo, a defesa da Chapecoense, que havia sofrido 20 gols em 12 rodadas, teve atuação perfeita na etapa inicial. Nos 20 primeiros minutos, o Santos teve 70% de posse de bola, mas encontrava dificuldades para furar o ferrolho montado pelo técnico estreante e invadir a área do adversário.

Lucas Lima, apesar da boa movimentação, não conseguia articular as jogadas no meio-campo para servir Gabriel e Rodrigão. Sem profundidade, o Santos girava a bola no campo de ataque e esperava um vacilo da Chapecoense. Um teste de paciência para os comandados de Dorival Júnior.

A proposta do time visitante era nítida: deixar o Santos propor o jogo e apostar em contragolpes. A primeira chance de perigo dos alvinegros veio somente aos 42 minutos, quando Vitor Bueno, livre na área, cabeceou nas mãos do goleiro Marcelo Boeck. 

 

Substituição de Dorival muda a partida no 2º tempo

Os 15 primeiros minutos do segundo tempo foram uma continuação da etapa inaugural. Pouco efetiva, a equipe alvinegra continuava tropeçando na retranca da Chapecoense. Quando os erros de passes e a falta de finalizações começavam a gerar sinais de irritação nos torcedores, Dorival fez uma mudança que mudou o cenário da partida. 
 
Cinco minutos depois de entrar no lugar de Vitor Bueno, Copete, que já vinha de boa atuação contra o Grêmio, no meio da semana, tirou o Santos do aperto. O colombiano recebeu na esquerda e tocou para Rodrigão. Aos 16 minutos, sozinho no meio da área, o centroavante mandou para as redes e foi reverenciado pela torcida, que gritou seu nome nas arquibancadas. Em seu quarto jogo com a camisa alvinegra, o ex-jogador do Campinense anotou seu terceiro gol. Ele já havia balançado as redes contra Fluminense e São Paulo. 
 
O gol de Rodrigão levou a Chapecoense a buscar mais o jogo, postura que facilitou para que o Santos ampliasse o placar. Aos 20 minutos, Copete aproveitou desvio de Renato após escanteio e anotou seu segundo gol no novo clube. 
 
Com dois gols de vantagem no placar, o Santos se soltou, jogou um futebol mais leve e administrou o resultado. 
 

Cleber Santana volta à Vila Belmiro

Melhor jogador da última edição do Campeonato Catarinense, o meia-atacante Cleber Santana reencontrou o Santos, seu primeiro grande clube no Brasil, nesta tarde de domingo. O jogador teve boa passagem pela Vila Belmiro entre 2006 e 2007.

No último jogo da campanha vitoriosa do Santos no Campeonato Paulista de 2006, contra a Portuguesa, Cleber Santana marcou o gol que abriu caminho para que o clube encerrasse o jejum de 22 anos sem títulos estaduais. No ano seguinte, destacou-se no bicampeonato paulista e alcançou as semifinais da Libertadores. 

 

FICHA TÉCNICA

SANTOS 3 x 0 CHAPECOENSE

Data: 03/07/2016 (domingo), 16h

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)

Árbitro: Bruno Arleu de Araújo

Auxiliares: Thiago Henrique Neto Corrêa e Dilbert Pedrosa Moisés

Gols: Rodrigão (16'/2º T), Copete (20'/2º T) e Yuri (41'/2ºT) 

Público pagante: 10.322
Renda: R$ 296.600
 
Cartões amarelos: Copete (Santos); Josimar (Chapecoense) 
 

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique, Zeca; Thiago Maia, Renato (Yuri), Vitor Bueno (Copete), Lucas Lima; Gabriel (Joel) e Rodrigão

Técnico: Dorival Júnior

CHAPECOENSE: Marcelo Boeck; Claudio Winck, Rafael Lima (Demerson), Thiego, Sérgio Manoel; Josimar (Lucas Gomes), Gil, Cleber Santana; Ananias, Bruno Rangel e Silvinho (Arthur Maia)

Técnico: Caio Júnior

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos