Boicote a organizada e baixo público fazem SP cogitar baratear ingressos

Guilherme Palenzuela

Do UOL, em São Paulo

A diretoria do São Paulo iniciou na noite de domingo (10) a discutir a possibilidade de reduzir os preços de ingressos para jogos do Brasileirão, segundo apurou o UOL Esporte. A decisão não está tomada, mas a tendência é que nos próximos dias a diretoria se reúna para estabelecer novos preços. A iniciativa acontece dias após o rompimento do São Paulo com as torcidas organizadas.

Reduzir preços dos ingressos tem a ver com o que se viu no domingo, no Morumbi, na vitória por 3 a 0 sobre o América-MG. Foram apenas 8.198 torcedores presentes e concentrados basicamente em um único setor do estádio. A arquibancada amarela, cujos ingressos fora do programa sócio-torcedor foram vendidos a R$ 20, representam hoje o setor mais barato em jogos do Brasileirão. Depois desse, o ingresso mais barato é para outros setores da arquibancada, mas já em R$ 50.

Antes do rompimento com as organizadas, o São Paulo conseguia ver a torcida mais bem distribuída pelo Morumbi, mesmo sem tantos presentes. Tanto a Tricolor Independente como a Dragões da Real tinham o setor laranja de arquibancada como local preferido do Morumbi, mas no domingo tal pedaço do estádio ficou praticamente vazio.

Alguns integrantes da Independente, em número menor que o habitual, assistiram à partida no setor amarelo da arquibancada e até fizeram um protesto silencioso, sem apoiar o time nos primeiros 45 minutos. Isso fez com que tantos os organizados como os torcedores comuns ocupassem o setor amarelo de arquibancada, único de todo o estádio com preços mais baixos.

A diretoria do São Paulo reconhece que cobra preços caros nos ingressos para jogos da Copa Libertadores, mas afirma que vê nisso uma oportunidade para fazer caixa – só no último jogo, contra o Atlético Nacional, o clube obteve receita de mais de R$ 7,5 milhões. Agora, quer usar tal folga no orçamento para começar a discutir a hipótese de redução nas entradas para jogos do Brasileirão.

Além da necessidade detectada de distribuir melhor a torcida pelo estádio, a diretoria entende que precisa se reaproximar do torcedor comum, principalmente depois do rompimento com as organizadas. Nas últimas semanas o clube usou campanhas de redes sociais vinculadas à contratação do zagueiro Maicon, além do momento positivo antes da semifinal da Libertadores, para alinhar interesses com o torcedor. Agora, frente a uma eliminação que parece provável pelo que aconteceu no primeiro jogo, há necessidade ainda maior de ter o torcedor perto do time para a sequência no Brasileirão.

O São Paulo tem média de 14 mil torcedores por jogo em partidas do Brasileirão, o que representa uma parcela muito pequena da capacidade total do Morumbi. Em números absolutos, é apenas o sétimo melhor público médio entre os 20 clubes que disputam o campeonato nacional, número que se contrasta negativamente com o posto de terceira maior torcida do país, segundo apontado na última pesquisa de torcidas feitas pelo Ibope em parceria com o jornal Lance.

Agora o São Paulo enfrenta o Nacional na Colômbia, na quarta-feira – o time viajou já na madrugada desta segunda-feira –, e depois só volta a jogar no Morumbi daqui a três semanas, no dia 31, contra a Chapecoense. Antes, visita Corinthians e Grêmio, também pelo campeonato nacional. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos