Falcão é expulso, Inter busca empate com Flu e chega a 11 jogos sem vitória

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

 

Um time tenso. Esta foi a melhor definição para o Internacional neste domingo (07). Pressionado pela proximidade da zona de rebaixamento, o time gaúcho esteve atrás duas vezes, mas buscou o empate contra o Fluminense em 2 a 2. Reflexo do nervosismo foi a expulsão do técnico Paulo Roberto Falcão, ainda no primeiro tempo. Foi o 11º compromisso sem vitória. 
 
O treinador está ameaçado de perder seu emprego após somente cinco jogos no comando. E os números remam contra ele. Foram três derrotas e dois empates. A direção irá se manifestar nas próximas horas sobre o caso. E a tensão ficou clara no comportamento do ex-comentarista. Ainda no primeiro tempo, ele reclamou muito de um lance, gesticulou contra um auxiliar e acabou expulso. 
 
Não é para menos. O Colorado rompe jogo após jogo recordes negativos e, com 22 pontos, se aproxima da zona de rebaixamento. Já o Fluminense, com 25, ocupa posição intermediária na tabela. Na próxima rodada, os gaúchos encaram a Chapecoense fora de casa. Já o Flu terá pela frente o América-MG, no Espírito Santo.
 
O time carioca, aliás, é quem pode reclamar do resultado já que teve um gol anulado de forma duvidosa ainda no primeiro tempo e foi melhor durante o jogo inteiro. Além de ter ficado duas vezes na frente no marcador. 
 

Quem decidiu: Scarpa comanda Flu e faz golaço

Foi Gustavo Scarpa o protagonista do jogo. O meia-atacante fez um golaço com dois minutos do primeiro tempo e ainda marcou o segundo, de fora da área.

 

Quem decepcionou: Arthur falha repetidamente

O lateral esquerdo Arthur errou praticamente todos os lances que tentou desde o começo do jogo. No lance do segundo gol, deu espaço para Scarpa marcar. Acabou vaiado. 

Na corda bamba, Falcão perde a cabeça e é expulso

O técnico Paulo Roberto Falcão sabia, desde antes do jogo, que sua manutenção no comando do Internacional dependeria do rendimento do time contra o Fluminense. E logo aos dois minutos de jogo viu sua estratégia ameaçada. O Flu saiu na frente e o comandante perdeu a cabeça. Aos 35, gesticulou e falou muito em direção ao auxiliar Bruno Boschillia. Foi expulso e não estava na beira do campo na hora do empate. 
 
 

Inter cria pouco e joga 'na base da garra'

O Internacional queria mostrar, no começo do jogo, que estava disposto a sair da crise. Não contava com sofrer um gol aos 2 minutos de jogo. Qualquer estratégia de pressão foi alterada a partir do feito por Gustavo Scarpa. Com duas linhas de quatro jogadores e uma dupla de ataque formada por Valdívia e Nico López, faltou criação ou mesmo posse de bola. A cada minuto, a tensão ficou mais clara. Até mesmo o controlado técnico Paulo Roberto Falcão acabou perdendo a cabeça. Xingou um auxiliar e foi expulso. Mas na base 'da garra' o time conseguiu o empate com chute de longe de Seijas. No segundo tempo, o Inter abandonou qualquer organização e virou 'só coração'. Tanto tentou que conseguiu empatar, com Fernando Bob, aos 30. 
 

Fluminense domina e reclama gol anulado

O Fluminense estava disposto a explorar o contra-ataque. E teve o jogo se oferecendo a tal estratégia com gol cedo. Montado no 4-2-3-1, o time de Levir Culpi foi mais consciente do que o rival e na hora de retrair-se mostrou capacidade ímpar. Em raros momentos foi ameaçado e na frente ainda fez o segundo, aos 18 da etapa inicial, mas o lance foi mal anulado pela arbitragem. Na etapa final, aproveitou-se do desespero do Inter para fazer o segundo. 
 
 

Falcão tenta dar sequência a sua ideia de jogo

A principal ideia implantada por Falcão no Internacional até agora é seu sistema de jogo. O ideal, na avaliação do ex-volante, é o time compactado com duas linhas de quatro jogadores, sem a figura do 'camisa 10' e com dois atacantes. Foi assim que montou o Inter. Após sua expulsão, a principal alteração foi a inversão de Sasha e Seijas, mas não houve mudança tática. 

Marinho Saldanha/UOL

 

Levir Culpi usa velocidade dos pontas

Levir Culpi queria um time veloz e atacando pelos lados. As costas de Arthur e Ernando - que atuou improvisado - foram os caminhos explorados pelo treinador, que abriu Marcos Júnior e Scarpa. Levou vantagem na maioria dos lances. No segundo tempo, manteve o expediente com Danilinho, também rápido e habilidoso. 
 

Festa por fim da crise

A torcida do Internacional tratou de apoiar. Depois de protestar muito, os aficionados entenderam que é hora de unirem-se ao time para acabar com a crise. Antes do jogo, fizeram a festa que normalmente antecede decisões, conhecida como 'Ruas de Fogo'. 
 
INTERNACIONAL 2 X 2 FLUMINENSE
 
Data: 07/08/2016 (Domingo)
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Árbitro: Rafael Tarci (PR)
Auxiliares: Bruno Boschillia e Ivan Carlos Bohn (ambos do PR)
Renda: R$ 483.375,00
Público: 22. 505 (torcedores)
Cartões amarelos: Arthur (INT), Alan Costa (INT), Paulão (INT); Marcos Júnior (FLU), Wellington (FLU); 
Gols: Gustavo Scarpa, do Fluminense, aos 2 minutos do primeiro tempo; Seijas, do Inter, aos 46 minutos do primeiro tempo; Gustavo Scarpa, do Fluminense, aos 18 minutos do segundo tempo; Fernando Bob, do Inter, aos 32 minutos do segundo tempo;
 
INTERNACIONAL
Marcelo Lomba; Ernando (Anderson), Alan Costa, Paulão e Arthur; Fernando Bob, Fabinho, Seijas e Valdívia (Ariel); Sasha (Gustavo Ferrareis) e Nico López. 
Técnico: Paulo Roberto Falcão
 
FLUMINENSE
Cavalieri; Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Douglas, Cícero, Scarpa, Wellington (Marquinho) e Marcos Júnior (Danilinho); Dourado (Samuel).
Técnico: Levir Culpi
 
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos