Concorrência, lesões e contrato. Dátolo perde espaço no Atlético-MG

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro

    Dátolo marcou apenas um gol pelo Atlético-MG nesta temporada

    Dátolo marcou apenas um gol pelo Atlético-MG nesta temporada

Então camisa 23 do Atlético-MG, Dátolo foi um dos protagonistas da equipe que venceu a Copa do Brasil de 2014. Gol importante na semifinal com o Flamengo, autor do segundo gol na vitória por 2 a 0 sobre o Cruzeiro e assistência para Diego Tardelli fazer o gol do título sobre o maior rival. Desempenho que fez Dátolo receber para 2015 a camisa 10, que era de Ronaldinho Gaúcho, superado pelo próprio argentino em 2014 no quesito passe para gol.

E o argentino foi importante na temporada passada. Ajudou o Atlético a conquistar o Campeonato Mineiro e ser vice-campeão nacional, garantindo assim uma vaga na Copa Libertadores pela quarta vez consecutiva. Foram 43 partidas em 64 possíveis. Portanto, o argentino atuou em 67% dos jogos do Atlético em 2015. Mas tudo mudou em 2016.

Dátolo ganhou concorrentes com as chegadas de Cazares, Hyuri, Robinho e alguns outros jogadores que atuam do meio para frente. Para complicar, o histórico de lesões que assustou o jogador em outros clubes, como foi no Internacional, voltou com muita força. Já são três lesões musculares em 2016, após as partidas com Colo-Colo, Racing e Botafogo. E desde a última, no dia 30 de junho, que Dátolo está sem jogar. Pouco mais de dois meses.

São apenas 17 aparições em 53 possíveis. Portanto, Dátolo atuou somente em apenas 32% dos compromissos do Atlético no ano. O pouco aproveitamento e forte concorrência, que ficou ainda maior com a chegada de Rómulo Otero, fazem de Dátolo um jogador fora dos planos do Atlético para 2017. Aos 32 anos e com vínculo até dezembro, o argentino sabe que dificilmente vai ter o contrato renovado para o ano que vem.

Então, deixar a Cidade do Galo antes do prazo foi uma alternativa que Dátolo levou em consideração. Fluminense e São Paulo apareceram como possibilidades, mas o Atlético não deseja liberar o argentino sem algum tipo de ressarcimento, de preferência financeiro, mesmo que o contrato tenha apenas mais quatro meses de duração.

E assim a relação entre Dátolo e Atlético parece cada vez mais perto do fim. Uma relação semelhante a um namoro, como o próprio jogador descreveu ao UOL Esporte, em abril. "É como se fosse um relacionamento. Sempre falo que o Galo é como uma namorada. São discussões e alegrias, como em qualquer relacionamento. Mas a torcida sabe o amor que tenho por essa camisa e eles sentem o mesmo por mim. É um amor recíproco. E todo torcedor do Atlético sabe que no momento que eu vestir a camisa e entrar em campo, vou dar a minha vida, como sempre fiz. Às vezes, infelizmente, o jogador pode ir mal, mas sempre dando o máximo em campo".

Nesta quarta-feira, com dez desfalques para enfrentar o Vitória, o técnico Marcelo Oliveira quer relacionar o argentino. "O Dátolo já está treinando", disse o treinador atleticano ao ser perguntando se o camisa 10 pode ou não voltar a jogar nesta rodada. O Brasileirão pode ser a chance de Dátolo fechar com mais um título a passagem pelo Atlético. Ou até mesmo de conseguir uma reviravolta dentro do clube.

"Sempre falo que futebol é muito intenso. Hoje eu posso te falar que me sinto muito bem aqui no Atlético, só que não posso te falar o que vai acontecer na metade do ano ou no final do ano", já dizia Dátolo, em abril, prevendo que teria um segundo semestre cercado de incertezas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos