Esquema novo e aproveitamento de rebaixado: Grêmio despenca sem Giuliano

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Lucas Uebel/Divulgação/Grêmio

    Giuliano foi vendido pelo Grêmio no fim de julho para o Zenit, da Rússia

    Giuliano foi vendido pelo Grêmio no fim de julho para o Zenit, da Rússia

A venda de Giuliano não chegou a ser motivo de reclamações da torcida do Grêmio. Mesmo importante taticamente, o meia não estava entre os considerados 'vitais' pelos aficionados. Mas o campo está mostrando quanta falta ele faz. Desde sua saída o Tricolor tem aproveitamento de rebaixado no Brasileiro e para buscar equilíbrio no time o técnico Roger Machado precisou mudar o esquema. 

Giuliano atuava aberto pela direita na linha de armadores completa com Douglas e Everton. Era o 'lado defensivo' do time. Ajudava a compor quase como volante quando a equipe não tinha a bola e por vezes, durante os jogos, era usado ainda mais atrás. Conseguia atacar e marcar com a mesma capacidade. 
 
Tal característica, na visão do treinador gremista, só é presente em um jogador do elenco atual: Negueba. Era no ex-atacante de Flamengo e São Paulo que chegou do Coritiba que depositavam-se todas as esperanças. Mas ele se lesionou e também acabou fora da equipe. 
 
Como não houve reposição com contratações, Roger precisou mudar o esquema. Testou três zagueiros, mas optou por três volantes que, em tese, dariam melhor sustentação ao setor de retaguarda. Não deu certo e depois da venda de Giuliano, foram oito partidas pelo Brasileirão, com duas vitórias, três empates e três derrotas, gerando aproveitamento de 37,5%, ou seja, inferior ao do Vitória, 17º colocado e primeiro na linha de queda. 
 
"Com a saída do Giuliano, buscamos ter equilíbrio com a mesma eficiência, uma vez que não tínhamos também o Negueba, que possui a mesma característica. Em dois jogos funcionou bem (o esquema com três volantes) contra o Botafogo e hoje (quarta-feira) não. Tentamos equilibrar o jogo contra o Coritiba, mas levamos gols de bola parada e contra-ataque", explicou Roger depois da goleada por 4 a 0 sofrida no Paraná. 
 
Giuliano foi negociado em 21 de julho com o Zenit, da Rússia. A negociação movimentou R$ 25 milhões. O Grêmio considerou que fez um bom negócio financeiramente pois, além de pagar o investidor que havia bancado sua contratação, deixou de gastar R$ 16,8 milhões em salários até o fim do contrato do atleta. Desta forma, ganhou 'fôlego' para manter Luan e Walace, que permanecem na equipe até hoje. 
 
Com alguns jogos no clube russo, Giuliano foi chamado por Tite em sua primeira convocação na seleção brasileira. Esteve em campo no segundo tempo da vitória sobre a Colômbia, em Manaus. Enquanto isso, o Grêmio já vê distante a briga pelo título brasileiro. Acabou a rodada dez pontos atrás do líder Palmeiras e ainda fora do grupo de classificação para a próxima Libertadores. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos