Grêmio volta a marcar após 500 minutos e bate a Chapecoense na Arena

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

Foram 500 minutos de bola rolando entre os 34 do segundo tempo do jogo contra o Botafogo, no dia 4 de setembro, e os 10 minutos da etapa inicial deste domingo (25) diante da Chapecoense. Mas o Grêmio conseguiu romper o jejum de gols. Pedro Rocha amenizou um começo ruim do Tricolor ao fazer o gol da vitória por 1 a 0, pela 27ª rodada do Brasileirão. O placar rompeu marca de sete partidas sem vencer do time gaúcho. 

Coritiba, Palmeiras, Ponte Preta, Fluminense e Atlético-PR jogaram contra o Grêmio sem sofrer um gol sequer com a bola rolando. Contando acréscimos, foram 500 minutos de jejum. Mas no segundo jogo sob comando de Renato Gaúcho, a marca teve fim em uma jogada que lembrou o time comandado por ele em 2013: um contra-ataque. 
 
Até porque o Grêmio começou mal. Esteve recuado e abusando de saídas rápidas durante praticamente a partida toda. Mostrou uma mudança radical de conduta em relação ao time comandado por Roger Machado. Abdicou da posse de bola e adotou um 'futebol de resultado'. Deu certo. 
 
O resultado de vitória após sete partidas coloca os gaúchos com 40 pontos na classificação, mas ainda longe da linha de classificação para a próxima Libertadores. Já a Chapecoense fica com 38 e cai na classificação. 
 

Lucas Uebel/Grêmio

Pedro Rocha tira o zero do placar

Pedro Rocha teve duas chances e marcou um gol. No jejum pelo qual passava o ataque gremista, o lance foi suficiente para fazer ele destaque de uma partida em que os setores ofensivos estiveram pouco inspirados. 
 

Wallace Reis vai mal com e sem a bola

Se com a bola, o zagueiro Wallace Reis empilhou erros na saída, sem ela sofreu mais ainda. Com as frequentes investidas de jogadores rápidos, o zagueiro ex-Flamengo precisou do auxílio de Pedro Geromel repetidamente para que o pior não ocorresse. 
 

Depois de polêmica, Henrique Almeida é vaiado e joga mal

Henrique Almeida bateu de frente com a torcida do Grêmio durante a partida contra o Atlético-PR. O jogador foi vaiado e fez gestos obscenos para os aficionados no último jogo. Foi mantido por Renato Gaúcho, mas jogou pouco. Diante da Chapecoense, recebeu ainda mais vaias do que na partida passada, desde antes da bola rolar. Mas dessa vez se comportou melhor. Na saída de campo aplaudiu os aficionados. 

Grêmio começa mal, mas rompe jejum de 500 minutos sem gol

O Grêmio não começou bem. Um time confuso, errou muitos lances em saída de bola. Parou na marcação da Chapecoense, que passou a gostar do jogo. E ao adiantar suas linhas, o time catarinense deu espaço e em um contra-ataque, Pedro Rocha abriu o marcador. Com isso, o Tricolor rompeu um jejum de 500 minutos sem marcar gols. O último havia sido contra o Botafogo. 
 

Mudança radical: Grêmio de Renato é o oposto de Roger

O Grêmio mudou totalmente sua conduta em campo. Se com Roger Machado era um time que assumia o comando do jogo e primava pela posse de bola, com Renato Gaúcho se transformou em uma equipe que recua e procura sair rápido no contra-ataque. Em vez de marcar adiantado, coloca suas linhas atrás da risca de meio-campo e espera o rival se adiantar. 
 

Chape peca ao gostar do jogo e sofre contra-ataque

A Chapecoense não esperava começar o jogo com controle de ações. Apertando a marcação, o time verde e branco chegou perto de abrir o marcador aos 9 minutos, quando Matheus Biteco bateu forte e Marcelo Grohe defendeu. Só que em seguida, o contra-ataque acabou no gol dos donos da casa, com Pedro Rocha. No segundo tempo, porém, a Chape perdeu o domínio de ações a não conseguiu igualar. 
 

Renato Gaúcho aparece no intervalo e adianta o Grêmio

O Grêmio do segundo tempo pouco lembrou o time da etapa inicial. Mesmo ganhando Renato Gaúcho adiantou a equipe que jogava totalmente recuada e teve apenas 40% de posse nos primeiros 40 minutos de compromisso. Resultado disso foram as chances criadas em maior número até o fim do jogo. Depois dos 30 da etapa complementar, Portaluppi tratou de evitar qualquer surpresa e terminou a partida com três zagueiros em campo. 
 

Caio Júnior: Um passo para frente, outro para trás

Mesmo atrás no marcador, Caio Júnior se negou a adiantar mais a Chapecoense. Foi pouco ousado nas trocas, alterando um acante por outro ou um meia por outro. No fim do jogo, sacou o centroavante Kempes e colocou Alan Rushel, que é lateral esquerdo. Sendo assim, seu time pouco mudou durante o jogo. 
 

Corneta ao Internacional no telão

Não é costume do telão da Arena do Grêmio mostrar resultados de jogos da rodada simultâneos ao do Tricolor. Mas neste domingo, a corneta ao Internacional tomou conta. A cada gol ruim para o tradicional adversário que briga para evitar o rebaixamento, o resultado do jogo era mostrado e a comemoração era geral. 

Agenda:

O Grêmio irá encarar, na quarta-feira, o Palmeiras pela Copa do Brasil. No Brasileiro, o próximo compromisso será diante do Cruzeiro, fora de casa. Já a Chapecoense terá na quarta-feira o duelo contra o Independiente pela Sul-Americana. E no fim de semana receberá o Vitória, no Brasileiro. 
 
FICHA TÉCNICA
GRÊMIO 1 X 0 CHAPECOENSE
 
Data: 25/09/2016 (quarta-feira)
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Árbitro: Dewson Fernando de Freitas
Auxiliares: Márcio Gleidson Correia e Helcio Araújo Alves
Renda: R$ 319.000,00
Público: 13.079 (torcedores)
Cartões amarelos:  Walace (GRE), Marcelo Grohe (GRE); Danilo (CHA), Josimar (CHA);
Gols: Pedro Rocha, do Grêmio, aos 10 minutos do primeiro tempo; 
 
GRÊMIO
Marcelo Grohe; Ramiro, Wallace Reis, Pedro Geromel e Marcelo Oliveira; Walace, Jaílson, Pedro Rocha (Rafael Thyere), Douglas (Ty) e Luan; Henrique Almeida (Guilherme).
Técnico: Renato Gaúcho
 
CHAPECOENSE
Danilo; Gimenez, Rafael Lima, Willian Thiego e Dener; Josimar, Matheus Biteco, Cleber Santana e Lourency (Bruno Rangel); Arthur Maia (Canela) e Kempes (Alan Rushel).
Técnico: Caio Júnior
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos