Memórias de Cuca em Londrina: uísque, vodka e conta 'maior que o salário'

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

  • Cesar Greco/Ag Palmeiras

    Treinador possui uma lembrança, no mínimo, curiosa sobre a cidade de Londrina

    Treinador possui uma lembrança, no mínimo, curiosa sobre a cidade de Londrina

O Palmeiras viaja na manhã deste sábado para Londrina, onde encara no domingo, a partir das 17h (de Brasília), o América-MG, em duelo pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro. Enquanto a cidade paranaense aparece como um palco inédito para a maioria, o técnico Cuca possui boas lembranças (dependendo do ponto de vista) do município.

Nascido em Curitiba, Cuca iniciou a carreira profissional no extinto Pinheiros, clube responsável ao lado do Colorado Esporte Clube, a dar origem ao Paraná Clube, equipe da segunda divisão nacional. Logo na primeira viagem, a inocência do até então jovem jogador custou caro (no bolso).

Em entrevista concedida na sexta-feira, Cuca até hesitou contar a história sobre a principal lembrança sobre Londrina. No entanto, ao se recordar do causo, arrancou risadas dos jornalistas, funcionários e pessoas presentes na Academia de Futebol.

"Eu jogava no Pinheiros, em 1983. Foi a minha primeira viagem como profissional. Fiquei em um quarto que tinha um bar de madeira e estava cheio de garrafinhas de vidro de uísque, Campari e vodka...eram bonitas. Falei comigo: 'vou levar embora!'", recordou.

Ainda na casa dos 20 anos, Cuca desconhecia, no entanto, que aquelas bebidas chamativas não eram brindes. O aprendizado veio da pior forma possível, com bronca em meio ao grupo e uma cobrança acima do esperado para quem apenas iniciava a carreira no futebol.

"Na segunda-feira, o presidente do Pinheiros reuniu todo mundo e disse: 'tem gente aqui que gosta de tomar uísque importado, vodka importada'. Eu ria sem entender nada, até que ele fala: 'não é, seu Cuca?'", divertiu-se Cuca, que, ainda longe da realidade de salários vantajosos, pagou caro pela inocência.

"Ele só disse: 'está aqui a nota do hotel'. Era mais do que o meu salário; eu achei que poderia levar aquelas garrafinhas embora. Não entrei nem um minuto do jogo, que ficou 1 a 1. Tomei as bebidas lá em casa, com todo mundo", contou o técnico palmeirense.

Para ganhar uma nova recordação marcante – agora calejado e ciente de que os hotéis não possuem um tratamento tão receptivo ao ponto de liberar estes 'presentinhos' -, Cuca trabalha o Palmeiras para sustentar a liderança do Campeonato Brasileiro.

A equipe alviverde soma 57 pontos, três a mais do que o Flamengo, que encara também no domingo, a partir das 17h, o Santa Cruz, no Pacaembu. Com os três pontos, vodka, uísque e Campari serão liberados, especialmente para os torcedores, que comemorarão mais uma rodada na confortável posição de líder da Série A.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos