STJD minimiza chance de anulação do Fla-Flu, mas promete avaliar árbitro

Bernardo Gentile, Pedro Ivo Almeida e Vinicius Castro

Do UOL, no Rio de Janeiro e em Volta Redonda

Arbitragem anula gol do Fluminense e gera confusão

Após a derrota para o Flamengo por 2 a 1, o Fluminense, através do presidente Peter Siemsen, demonstrou indignação e disse que tentará anular a partida devido ao suposto uso de interferência externa na invalidação do segundo gol da equipe, marcado por Henrique. A tarefa, porém, não será nada fácil. Isso porque o STJD já se posicionou sobre o caso e esfriou as pretensões do Tricolor.

Em contato com o UOL Esporte, o procurador-geral do STJD, Felipe Bevilacqua, minimizou as chances de o Fluminense conseguir a anulação do resultado do clássico da última quinta-feira (13), em Volta Redonda. Segundo ele, quem está na mira é o árbitro Sandro Meira Ricci, que disse "nada houve anormal".

"Acho muito pouco provável que se anule o jogo. Chance bem pequena mesmo. Não há precedentes para isso. Mas vamos analisar tudo com calma. Se o Fluminense realmente der entrada, vamos analisar os fundamentos. Mas já me parece algo com chance bastante reduzida", disse Bevilacqua.

Em entrevista ao programa Seleção SporTV, o presidente do STJD, Ronaldo Botelho Piacente foi cauteloso ao explicar de uma possível anulação do jogo e ressaltou a necessidade de provas de interferência externa. "Quando eles dizem que houve a interferência tem que ser provado. Tem que olhar com muita cautela. Se pensar 'ah! foi pressão dos jogadores'. Isso não é interferência. Se tiver prova dessa interferência, aí sim, o resultado pode haver. Eu digo 'pode', porque eu não decido sozinho, aí sim pode até ser anulada a partida. Existem duas hipóteses: ou anula a partida inteira ou pode ser determinado que a partida seja retomada dos minutos faltantes. No caso do Fluminense, não. Nesse caso seria o de disputar a partida novamente na totalidade", explicou.

Veja os gols de Fluminense 1 x 2 Flamengo

Árbitro pode ser suspenso por até um ano

"O que a Procuradoria vai fazer agora é analisar o vídeo da confusão com calma, verificar possíveis irregularidades e checar se fará uma denúncia. Temos possíveis invasões de campo e outras coisas. Mas não uma anulação. E vamos avaliar a conduta do árbitro, saber por qual motivo não registrou algumas coisas na súmula, isso tudo. É bem provável que haja a denúncia contra ele neste sentido", completou o procurador-geral do STJD.

O fato de não relatar algum fato claro em campo pode fazer com que o árbitro Sandro Meira Ricci seja enquadrado no artigo 266 - "deixar de relatar as ocorrências disciplinares da partida, prova ou equivalente, ou fazê-lo de modo a impossibilitar ou dificultar a punição de infratores, deturpar os fatos ocorridos ou fazer constar fatos que não tenha presenciado", com suspensão de 30 a 360 dias e multa de até R$ 1 mil.

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, definiu como "ridícula" a tentativa do rival e o departamento jurídico apenas espera a movimentação nas Laranjeiras. Já o Tricolor estuda os próximos passos e como dar sequência ao processo.

Em contato com a reportagem, o árbitro Sandro Meira Ricci informou que não queria falar sobre o assunto. Também procurado pelo UOL, o chefe de arbitragem da CBF, Coronel Marinho, não atendeu as ligações. A Confederação informou que ele estava orientado a não comentar a confusão e que não gostaria de palpitar sobre o caso.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos