Oswaldo vê Corinthians "muito fraco" e sentindo a ausência de Guilherme

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

A atuação ruim no empate em 1 a 1 com a Chapecoense, neste sábado (29), levou o técnico Oswaldo de Oliveira a admitir a má qualidade do futebol apresentado pelo Corinthians em Itaquera.

"Não foi um bom jogo. Especialmente o primeiro tempo, tecnicamente foi muito fraco, muito aquém do que a gente esperava que acontecesse. Foi uma oscilação bastante significativa, com uma série de situações que levaram a isso", reconhece o treinador, que amargou o terceiro empate em quatro jogos em que comandou o Alvinegro.

Foram 56 passes errados do Corinthians, a segunda pior marca da equipe em todo o Campeonato Brasileiro. O resultado só não foi a derrota porque a Chapecoense também falhou demais. A explicação de Oswaldo para a partida abaixo da crítica é a sequência de partidas.

"Nós jogamos dois jogos muito tensos, contra Cruzeiro e Flamengo, Depois de passar por isso, muito estresse, tensão emocional, nossa equipe deu uma relaxada e não conseguiu readquirir o ritmo que teve naquelas partidas. Isso comprometeu muito", entende o treinador corintiano, que ainda vê a ausência de um camisa 10 como fator decisivo.

"Outra mudança significativa que não conseguimos reparar foi como jogar sem o Guilherme", aponta Oswaldo. O meio-campista foi bem contra América-MG e Flamengo, mas não pôde enfrentar a Chapecoense por estar suspenso no Brasileirão. A falta de criatividade foi o principal problema corintiano neste sábado.

"Nós tivemos algumas boas chances e não conseguimos ter sucesso nas finalizações. Mas muito pela postura do adversário, que jogou muito bem, fez uma partida defensivamente muito boa. Isso nos tirou muito das chances de criar. Com as substituições, tivemos a chance de marcar um gol, mas não foi suficiente. Temos que insistir para dar mais volume e criatividade nos próximos jogos", completa Oswaldo.

Ernesto Rodrigues/Folhapress

Confira outros pontos da entrevista coletiva do treinador:

Pênalti cometido por Pedro Henrique

"Isso é coisa que acontece com qualquer jogador, não especificamente com jogadores jovens. O ser humano é cíclico, é comum que isso aconteça. É claro que a experiência ajuda, mas ele tem demonstrado que tem capacidade, tem competência. Nós vamos ajudá-lo, na medida do possível, a jogar com mais calma e a passar melhor por esse tipo de situação que ele teve hoje", disse o técnico.

Corinthians sai do G-6

"São situações que a gente ainda vai ver bastante nestas últimas cinco rodadas, as equipes estão muito próximas. É lógico que nós tínhamos boa oportunidade de nos manter no G-6, mas vamos buscar. As alternâncias vão continuar acontecendo, e temos que nos equilibrar para que não aconteça mais conosco", explica Oswaldo.

Mau resultado após semana livre

"Não tem frustração, o trabalho segue. Sabemos que a alternância vai acontecer. Conseguimos motivar bastante para a equipe jogar bem, pelo menos a última partida (contra o Flamengo, 2 a 2), agora temos que procurar dar equilíbrio. Mesmo quando temos tempo para trabalhar, como nesta semana, às vezes não é suficiente. Estamos no fim de outubro, no final da temporada... Temos que tentar jogar de forma mais equilibrada", argumenta o treinador.

Quer receber notícias do Corinthians de graça pelo Facebook Messenger? Clique AQUI e siga as instruções.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos