Inter evita pensar em tragédia da Chape: dentro ou fora de campo

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Ricardo Duarte/Divulgação

    Lisca terá mais tempo para passar suas ideias aos jogadores do Inter por adiamento

    Lisca terá mais tempo para passar suas ideias aos jogadores do Inter por adiamento

O Internacional não quer a realização da última rodada do Brasileirão. Jogadores e o presidente Vitório Píffero pediram para que o bloco derradeiro de jogos não seja realizado. No entanto, se for inevitável, tentará pensar o mínimo possível na tragédia ocorrida com o voo da Chapecoense. Tudo para que o clube consiga evitar o rebaixamento, seja dentro ou fora de campo. 

O Colorado entende que o adiamento da última rodada trouxe prejuízo. Acompanha à distância notícias de clubes que liberarão jogadores titulares ou mesmo deram folgas em demasia porque já não tem nada em disputa no bloco final de partidas. E mesmo com o momento dramático do contexto da bola, o presidente Vitório Píffero aproveitou para pedir o cancelamento da rodada. Segundo ele, o Brasileiro deveria ficar 'incompleto'. 
 
"Não creio que seja a melhor situação (rebaixar o Inter). Coloquei um sentimento de dificuldade de realizar a última tarefa, decorrente de um fato que abalou a todos. Então, a solução, não sei dizer. Se tiver que ser esta, não sei dizer. Falo da dificuldade em fazer este ato que é o último jogo", disse. 
 
Mas o mandatário informou, ainda, que o clube irá acatar o que for definido. E a CBF não está inclinada a cancelar a rodada. Por isso o técnico Lisca tratou de tentar ganhar tempo. Comandante do Inter apenas para as rodadas finais do campeonato, não teria tempo de impor suas estratégias prediletas. Agora, se ainda não o tempo ideal, ao menos terá mais. E não haverá qualquer folga na programação. 
 
"Não depende só de nós, é complicado. Os adversários jogam em casa, nós fora. Independente de titulares ou reservas deles, nós temos é que fazer a nossa parte. Se o resultado ajudar para o milagre ocorrer, ficamos na Série A", disse o zagueiro Ernando. 
 

Fora de campo o trabalho também é forte 

 
Mas não é apenas em campo que o Inter trabalha. Fora de campo o clube não poderia guardar luto por conta da tragédia se ainda pretendia entrar no STJD por conta da inscrição irregular de Victor Ramos, do Vitória. Por isso, na tarde de quinta-feira os advogados do clube que estão no Rio de Janeiro ingressaram com uma manifestação oficial agregando documentos ao processo já movido pelo Bahia sobre o mesmo caso. 
 
À reportagem do UOL Esporte, a assessoria do STJD informou que a procuradoria terá prazo de três dias úteis para se manifestar se aceita ou não que a manifestação do Inter seja incluída no processo. 
 
O Colorado quer que o Vitória seja incluso no artigo 214, cuja pena é perda de pontos em 26 jogos - número de partidas que Victor Ramos atuou no Brasileiro. Desta forma, os baianos seriam rebaixados e os gaúchos escapariam. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos