Em clássico de drone e táxi, Vasco bate Flu com gol nos acréscimos de Nenê

Do UOL, em São Paulo

Vasco e Fluminense não se enfrentavam em São Januário desde 2005. O reencontro foi melhor para os donos da casa, que venceram o rival por 3 a 2 e também superaram um imprevisto antes do jogo do Campeonato Brasileiro - o ônibus que levava o elenco cruz-maltino quebrou e obrigou a equipe a ir de táxi para o seu próprio estádio.

Luis Fabiano, Manga Escobar e Nenê (nos acréscimos) marcaram para os anfitriões. Henrique Dourado marcou duas vezes de pênalti para o Tricolor, que chegou a ficar em vantagem no placar. O clássico também foi pautado por provocações da torcida vascaína, a maioria relacionada ao rebaixamento tricolor para a Série C em 1998.

Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Ídolo é ídolo

Nenê desabafou na comemoração aos 47 do segundo tempo. Depois de deixar o banco na etapa final para substituir Yago Pikachu, o meia garantiu a vitória vascaína no último lance do jogo, após boa jogada de Manga Escobar.

Máquina de pênaltis

Tudo começou aos 12 minutos do segundo tempo. Henrique Dourado tentou cruzar, mas a bola acabou batendo no braço de Jean ainda no início da grande área. Depois que o árbitro Raphael Claus marcou o pênalti, não houve pressão das arquibancadas capaz de impedir o atual artilheiro do Brasileirão de marcar para o Flu: deslocou Martín Silva na corrida, colocou no cantinho direito e saiu para o abraço.

Alguns minutos depois, Wendel chutou para o gol e viu Martín Silva dar o rebote na complicada defesa. Gilberto parecia tranquilo no domínio, mas se assustou com a investida de Richarlison na correria e cometeu novo pênalti. Na cobrança, Dourado inverteu o canto e fez o seu segundo no jogo e quinto no campeonato - foram quatro de pênalti até o momento.

Alguém chamou o Fabuloso?

A torcida já cantava os nomes de Luis Fabiano e Milton Mendes desde antes do apito inicial, mas o centroavante ainda inflamou ainda mais as vozes das arquibancadas aos 25 do primeiro tempo. O camisa 9 aproveitou cruzamento de Yago Pikachu e subiu sozinho para abrir o placar. Nogueira nem sequer pulou para tentar impedir o gol.

Carta na manga

Manga Escobar substituiu Kelvin aos 22 minutos do segundo tempo e deu sorte para o Vasco. Sete minutos depois, aos 29, carregou a bola pela esquerda, cortou a marcação adversária e chutou no canto de Cavalieri.

Desafio do travessão

Infelizmente para o time tricolor, o travessão não valia qualquer ponto. Aos 39 do primeiro tempo, Nogueira enfim pulou para cabecear a bola, algo que não havia feito para evitar o gol de Luis Fabiano, e acertou o travessão de Martín Silva.

Por favor, um táxi

UOL Esporte

O Vasco dificilmente imaginou que um dia teria dificuldades para chegar a São Januário. Neste sábado, o ônibus que transportava o elenco quebrou na Linha Amarela, via expressa que liga a Barra da Tijuca à Zona Norte, e obrigou os jogadores e integrantes da comissão técnica a irem de táxi para o estádio. Pelo menos não houve atraso em relação ao horário previsto para o início da partida: os vascaínos chegaram ao palco do clássico às 15h. "Não muda nada para nós. Até a pé eles estariam motivados", disse Abel Brega, técnico do Flu.

C de Clássico

Aos nove minutos do primeiro tempo, o jogo foi interrompido pela arbitragem em função de um drone que sobrevoava o campo com a letra C. Poderia ser C de Clássico, mas tratava-se de uma referência à queda do Fluminense para a Série C em 1998. Antes da partida, a torcida tricolor já havia se deparado com uma faixa com a mesma provocação na entrada do portão 11, destinado aos visitantes – a rua também estava pintada.

12 anos de saudade

O clássico não acontecia em São Januário desde o dia 13 de novembro de 2005. Na ocasião, o Vasco venceu com dois gols de Romário. No histórico de 2017, o Fluminense venceu os dois primeiros encontros com o rival por 3 a 0 cada.

Juca Kfouri: Vasco vira em clássico importante

PVC: O Vasco encorpou. E a novidade não é Nenê

FICHA TÉCNICA
VASCO 3 X 2 FLUMINENSE

Data e hora: 27/05/2017, sábado, às 16 horas (de Brasília)
Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Auxiliares: Alex Ang. Ribeiro e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (ambos de SP)
Público e renda: 20.442 pessoas para R$ 700.560
Cartões amarelos: Luis Fabiano, Jean (Vasco); Douglas, Marquinho (Fluminense)
Gols: Luis Fabiano, aos 25 minutos do primeiro tempo, Manga Escobar aos 29 do segundo, e Nenê aos 47 (Vasco); Henrique Dourado, aos 13 e aos 19 do segundo tempo (Fluminense)

VASCO: Martín Silva; Gilberto, Breno, Paulão, Henrique; Jean, Douglas, Yago Pikachu (Nenê), Mateus Vital (Muriqui) e Kelvin (Escobar); Luis Fabiano
Técnico: Milton Mendes

FLUMINENSE: Diego Cavalieri; Lucas, Nogueira, Henrique e Léo; Douglas (Marcos Junior), Orejuela, Wendel e Gustavo Scarpa (Marquinho); Richarlison (Maranhão) e Henrique Dourado
Técnico: Abel Braga

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos