PM barra milhares de são-paulinos de chegar a Campinas para jogo

Adriano Wilkson

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

    Torcida mostra ingressos para jogo; PM diz que eles foram barrados por não terem ingresso

    Torcida mostra ingressos para jogo; PM diz que eles foram barrados por não terem ingresso

Cerca de 40 ônibus lotados com torcedores de torcidas organizadas do São Paulo não conseguiram chegar a Campinas (a 92 km da capital paulista) para o jogo contra a Ponte Preta, neste domingo, e tiveram que voltar para casa ainda na estrada.

Os organizados dizem que eram 47 ônibus, da Independente e da Dragões da Real, mas a Polícia Militar contou 36. Ao todo, entre 1500 e 2000 torcedores não puderam ir ao estádio Moisés Lucarelli ver a derrota do São Paulo para o time da casa (1 a 0).

Em uma vistoria de rotina na altura da rodovia Anhanguera, a polícia constatou que apenas uma parte dos torcedores tinha ingresso, mas a outra parte disse que os compraria na bilheteria do estádio. Em seu site oficial, a Ponte informou que as bilheterias para os visitantes ficariam abertas até o fim do primeiro tempo da partida.

Mas a informação da PM era diferente. De acordo com o capitão Luis Satto, responsável pela segurança da partida, em uma reunião antes do fim de semana, ficou acertado entre polícia e Ponte Preta que os ingressos seriam vendidos no estádio só até as 11h da manhã e que a bilheteria ficaria aberta até o horário do jogo apenas para troca de vouchers por bilhetes para quem tivesse feito a compra on-line.

A PM então proibiu os torcedores sem ingresso de chegar na cidade, alegando riscos à segurança do evento. "Não posso ter mil pessoas na cidade sem ingresso, eles vão ficar fazendo o quê? Podem causar tumulto ali na frente", disse Satto.

Reprodução/Twitter

André Azevedo, o presidente da Dragões da Real, disse que cerca de metade dos que tiveram que voltar estavam com ingressos e enviou ao UOL Esporte uma foto em que uma integrante barrada carrega vários bilhetes. O capitão disse que foi dada a opção aos torcedores com ingresso ou voucher de seguir viagem, mas eles optaram por não se separar.

Indignados, milhares de são-paulinos se sentiram lesados em seu direito de ir e vir. Sem eles, o setor destinado aos visitante no Moisés Lucarelli ficou bem vazio.

Mas o representante da polícia disse que é praxe o encerramento das vendas de bilhetes horas antes do jogo e que, além disso, os torcedores deveriam ter informado a quantidade de ônibus que saíram em caravana rumo a Campinas.

"Eles deliberadamente não nos avisaram sobre quantos viriam", disse Satto. "Se soubéssemos com antecedência, poderíamos preparar melhor a segurança de todos." As torcidas não participaram da reunião em que foi decidido o horário de encerramento das vendas e a comunicação deveria ter sido feita pelo clube mandante, disse o capitão.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos