Flu estuda denunciar Vasco por suposta escalação irregular em clássico

Marcel Rizzo e Pedro Lopes*

Do UOL, em São Paulo

  • Armando Paiva/AGIF

    Wendel e Douglas disputam bola pelo alto no clássico entre Vasco e Fluminense

    Wendel e Douglas disputam bola pelo alto no clássico entre Vasco e Fluminense

Com 13 rodadas disputadas, o Brasileiro de 2017 pode ter seu primeiro grande embate na Justiça Desportiva. O Fluminense recebeu uma denúncia de que o Vasco teria escalado o volante Douglas de forma irregular no clássico entre as duas equipes, no dia 27 de maio. Com os argumentos em mãos, o clube tricolor estuda levar o caso ao STJD, o que poderia custar até seis pontos ao rival.

De acordo com o sistema de registros da CBF, o volante, negociado nesta semana com o Manchester City, teve seu contrato com o Vasco rescindido no dia 24 de maio e assinou um novo acordo no dia 25, com maior tempo de duração e multa rescisória. Só que a alteração só foi publicada no dia 30 de maio. Assim, ele teria atuado no dia 27, na vitória cruzmaltina por 3 a 2, sem um registro válido na CBF.

"O atleta jogou irregular e isto enseja punição nos tribunais de Justiça Desportiva, acarretando perda de pontos à equipe infratora. O contrato tem de estar no BID para que o atleta tenha condição regular de jogo", afirmou a advogada Gislaine Nunes, consultada pelo UOL Esporte.

Embora o novo compromisso tenha sido assinado já no dia 25, o fato da publicação não ter ocorrido no dia 30 deixaria Douglas impedido de atuar. A leitura é de que a Justiça Desportiva só permite que jogadores com documentação regular no BID tenham condição de jogo. Como rescindiu o vínculo antigo no dia 24, portanto, o contrato do volante que estava no sistema da CBF não seria mais válido do dia 25 ao dia 30. 

A reportagem ouviu mais dois profissionais especialistas, que preferiram não se identificar por prestarem serviços a grandes clubes brasileiros. Eles corroboraram a tese de que, pelo que consta no sistema de registros da CBF, Douglas atuou no clássico de forma irregular.

Um quarto advogado, por sua vez, afirmou que o caso requer melhor investigação para que se apure discrepâncias no registro antes de se determinar se o atleta atuou, ou não, de forma irregular. Para o profissional, ainda que haja a infração, o momento permitiria a instauração de um inquérito, sendo prematuro falar em punição.

O departamento jurídico do Fluminense tem em mãos a documentação e estuda se tomará alguma providência. Consultado, o clube disse apenas que não vai se posicionar no momento. A reportagem também apurou que há outros clubes da Série A do Brasileiro monitorando a situação, e a CBF já recebeu um primeiro contato sobre o caso.

Consultada pelo blog do Rodrigo Mattos, a CBF afirmou que Douglas estava em situação regular quando foi escalado. Na versão da entidade, a regularidade do jogador estava garantida pelo registro velho feito com base no contrato antigo. O novo registro no BID serve automaticamente para substituir o anterior.

Em caso de denúncia, o Vasco correria risco de perder até seis pontos no campeonato: os três da vitória e mais três como punição pela escalação irregular. O clube tem atualmente 19 pontos; a perda de seis o derrubaria da oitava para a 16ª colocação. Procurada, a diretoria cruzmaltina disse que também não vai se pronunciar sobre o assunto.

Escalações irregulares afetam competições há anos

No ano passado, o resultado de campo também esteve ameaçado pelo caso Victor Ramos, quando o Inter foi ao STJD acusando o Vitória de ter usado o zagueiro de forma irregular. O tribunal não atendeu ao pedido dos colorados, que chegaram a ir à Suíça para evitar a queda para a Série B, sem sucesso.

O próprio Vasco, no primeiro semestre, esteve ameaçado de perder pontos no Estadual do Rio. Jean e Gilberto, então recém-contratados, atuaram em uma partida realizada um dia antes da publicação de seus nomes no Bira, espécie de BID da Ferj (Federação Estadual do Rio de Janeiro). Na época, no entanto, a federação admitiu que o problema ocorreu por conta de uma falha interna e o clube não chegou a ser denunciado.

Em 2013, o caso Lusa mudou a tabela do Campeonato Brasileiro. No término da competição, dentro de campo, o Fluminense terminou entre os rebaixados. Acusada de escalar Heverton de forma irregular, a Portuguesa foi punida com perda de pontos em um processo acompanhado de perto pelo clube tricolor, que atuou ativamente pela condenação dos paulistas. Posteriormente, o Flamengo também viria a perder pontos, desta vez pelo uso de André Santos, e terminaria como o último dos não-rebaixados na tabela oficial. No fim, Fluminense (15º) e Flamengo (16º) se salvaram. A Lusa, por sua vez, não parou de cair desde então e neste ano disputou a Série D do Brasileirão. 

* colaborou Bruno Braz, no Rio de Janeiro
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos