Coletiva de Mattos blinda Cuca em seu momento de maior crise em 2017

Danilo Lavieri

Do UOL, em São Paulo

  • Cesar Greco/Ag. Palmeiras

    Mattos sai em defesa do treinador para melhorar clima no Palmeiras

    Mattos sai em defesa do treinador para melhorar clima no Palmeiras

A sexta-feira (14) no Palmeiras teve uma mudança na programação. A cadeira que normalmente é de Cuca no último dia da semana foi ocupada pelo diretor-executivo de futebol, Alexandre Mattos. Era uma reação do dirigente aos últimos dias da equipe, com o treinador em seu pior momento desde o retorno ao clube. Derrotado em casa pelo maior rival, com o time oscilando, o técnico admitiu não ter chegado a um time titular e viveu dias de pressão que fizeram Mattos agir. 

Na última quarta, depois do 2 a 0 sofrido para o Corinthians, o treinador chamou para si – e conseguiu – a responsabilidade pela instabilidade vivida pela equipe. O time mostra bons momentos em determinadas circunstâncias, mas não consegue emplacar uma sequência de boas apresentações.

A derrota acabou sendo o elemento que faltava em um ambiente instável após o empate por 3 a 3 contra o Cruzeiro, em casa, nas quartas da Copa do Brasil, e a derrota para o Barcelona de Guayaquil, pelas oitavas de final da Libertadores. O torcedor viu as duas metas do ano ficarem ameaçadas.

Na coletiva após o clássico, Cuca mostrou que sentiu o golpe e disse que não conseguia achar um time titular. Dali em diante, o técnico viveu os últimos dois dias sendo criticado por imprensa, Conselho e torcida. As suas tentativas de improvisar jogadores em funções diferentes e a dificuldade de adaptar um time sem Gabriel Jesus foram as reclamações mais recorrentes.

Cuca não vivia um momento de cobrança interno tão grande desde os 4 a 1 para o Água Santa, no ano passado. Naquela ocasião, recém-chegado, foi o próprio técnico que fez o papel de blindar o elenco ao declarar publicamente que aquele time seria campeão brasileiro. A profecia que ficou famosa entre os palmeirenses era uma maneira para desviar o foco dos ataques a seus jogadores.

Mattos percebeu o ambiente que se criava após o clássico e resolveu convocar coletiva na sexta-feira para demonstrar apoio ao treinador. Ao aparecer, ele também responderia os que criticaram o sumiço da diretoria em um momento instável. Maurício Galiotte está de licença e volta ao comando alviverde na semana que vem.

No sábado, a Mancha Verde fará um protesto na frente do CT e disse que quer fazer perguntas a Mattos. Mesmo afastado, Galiotte soube desse plano e determinou que ninguém da diretoria atenderia os organizados pessoalmente.

Ao menos até domingo, o foco em cima de Mattos deve ajudar Cuca a ter um pouco mais de tranquilidade para tentar um triunfo contra o Vitória, no domingo, o que acalmaria os ânimos para os próximos dias. No dia 26, o Palmeiras joga contra o Cruzeiro, no Mineirão, e precisa ganhar para avançar à semifinal da Copa do Brasil. Duas semanas depois, precisa bater o Barcelona-EQU por dois gols de diferença, em casa, para ir às quartas da Libertadores.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos