Pressão: palavra chave para Ponte Preta e Coritiba

Napoleão de Almeida e Marcello De Vico

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação/Coritiba

    Pachequinho, como o adversário Kleina, está sob pressão no comando do seu time

    Pachequinho, como o adversário Kleina, está sob pressão no comando do seu time

De um lado, um time sem vitórias há cinco jogos, com quatro derrotas, três delas consecutivas; do outro, uma equipe desfalcada de seu principal jogador, com técnico publicamente ameaçado de queda e vinda de derrota em casa. O Moisés Lucarelli será uma panela de pressão para Ponte Preta e Coritiba nesta quarta-feira, 21h. É possível que ao final dos 90 minutos, os clubes estejam diante de escolhas para o futuro.

Na Ponte, Gilson Kleina vive sob a sombra de parte do conselho, que já pensa em trocar o treinador. O único treino antes do jogo foi fechado para a imprensa. O técnico sabe que não haverá mais história para contar se a Macaca não deixar o campo vitoriosa após o duelo com o Coxa.

"Ou a gente faz uma correção agora ou vamos ter muita dificuldade. E que quarta feira a gente saia dessa situação definitivamente. Peço que o torcedor nos apoie na quarta-feira, deixe para depois do jogo fazer alguma cobrança caso seja preciso. Temos dois dias, mas já quero sentar com a diretoria, os reforços são importantes e nós precisamos reagir", disse Kleina, antes do treino. Ele terá os reforços de Danilo Barcelos, na lateral-esquerda, e do ex-coxa-branca Maranhão, meia, ambos recém-contratados junto a Atlético-MG e Fluminense, e que já poderão estar em campo.

Do outro lado, Pachequinho terá mais um desfalque importante. O meia Anderson sentiu a coxa e não viajará à Campinas. Segundo o Departamento Médico do Coritiba, a lesão do meia não é no mesmo lugar da anterior, que o deixou de fora do time por um mês e meio. Já sem Kléber, suspenso por 15 jogos – restam 11 a cumprir – o Coritiba tentará vencer para manter o técnico Pachequinho no cargo, a exemplo do que ocorreu em Florianópolis, contra o Avaí.

Na ocasião o Coxa estava há 8 jogos sem vitória e fez 4 a 1 no time catarinense. Após o jogo, o atacante Rildo revelou que, na preleção, Pachequinho disse que se o time não vencesse, ele seria demitido. Depois de perder para o Fluminense em casa (1 a 2) o velho clichê do futebol brasileiro está de volta atrás do técnico coxa-branca.

"A gente tem um sentimento até de tristeza pelo questionamento colocado sobre o 'Professor'. Os únicos culpados às vezes somos nós jogadores. Só que é mais fácil demitir um do que demitir 35. Nesses resultados negativos ele tem feito de tudo. Eu acho muito injusta essa pressão em cima dele. A gente se uniu e vamos brigar por ele também", disse o zagueiro Luizão, que será titular pelo segundo jogo consecutivo.

PONTE PRETA X CORITIBA

Data: 18 de julho de 2017, quinta-feira
Horário: 21h (de Brasília)
Motivo: 15ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)

Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (MT/CBF)
Assistentes: Reinaldo Nascimento Junior e Daniel Henrique da Silva Andrade (MT)

PONTE PRETA:

Aranha; Nino Paraíba, Marllon, Rodrigo e Jeferson (Danilo Barcelos); Fernando Bob, Naldo (Maranhão), Jean Patrick e Renato Cajá; Lucca e Emerson Sheik.

Técnico: Gilson Kleina.

CORITIBA:

Wilson; Rodrigo Ramos (Dodô), Márcio, Luizão e William Matheus; Jonas, Matheus Galdezani e Tomas Bastos (Edinho); Rildo, Neto Berola e Henrique Almeida.
Técnico: Pachequinho.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos