Após pênalti perdido, Fred deixa de ser o principal cobrador do Atlético-MG

Enrico Bruno e Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

Fred passa pelo seu pior momento desde chegou à Cidade do Galo, em junho do ano passado. O atacante está perto de completar dois meses sem gols, com sete partidas neste período. No empate por 1 a 1 com o Palmeiras, no último sábado, o camisa 9 do Atlético-MG teve a chance de afastar o momento ruim. Só que ele perdeu o pênalti que cobrou - o chute foi defendido por Fernando Prass.

A partir de então, o centroavante passou a ser vaiado por parte da torcida, algo que ele diz encarar com naturalidade. Fred, inclusive, chegou a lembrar da Copa do Mundo de 2014, quando foi o jogador mais questionado da seleção brasileira e na sequência terminou o ano como artilheiro do Campeonato Brasileiro.

O erro diante do Palmeiras tira de Fred a condição de principal cobrador de pênaltis do Atlético, como explicou o técnico Rogério Micale. Esse posto passa a ser de Fábio Santos, que tem 100% de aproveitamento no quesito, com três cobranças e três gols. Ainda assim, o camisa 9 segue como um dos cobradores oficiais do Galo, apesar de ter perdido duas penalidades na competição, contra Palmeiras e Santos.

"Temos dois batedores oficiais, Fred e Fábio. Damos liberdade para esses batedores. O Fred tem histórico em toda a carreira, não é porque errou que vamos perder a confiança nele. Depois que o Fred errou não seria prudente repetir o batedor. Agora vamos seguir da mesma forma, mas o Fábio passa a ser o primeiro nessas circunstâncias", explicou Micale.

Sem gols e com atuações ruins, Fred admite que não vive um bom momento. E ele sabe como recuperar. Aos 34 anos, com quase duas décadas no futebol, entre categorias de base e profissional, o camisa 9 do Galo avisa o que vai ser feito durante a semana para que a fase ruim acabe diante do Avaí, no próximo domingo, às 11h, na Ressacada.

"Vou sofrer dois dias, mas na segunda-feira já tem treino. É dar a vida nos treinos, aperfeiçoar o meu dia a dia, como sempre fiz quando a fase era boa. Agora a bola não tem entrado, mas mentalmente estou sempre forte, com os pés no chão, sabendo que tem de evoluir. Faz parte de um processo natural do futebol. Um dia estamos lá em cima e depois estamos lá embaixo. O bom é que no domingo que vem já tem jogo de novo", comentou Fred, que vê o questionamento da torcida atleticana como algo natural do futebol.

"Normal, faz parte do nosso dia a dia. Jogo de nível, de time grande, faz parte. É procurar ir aperfeiçoando, a cada jogo tentar melhorar e fazer o gol o quanto antes, para as coisas melhorarem logo".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos