Bahia marca no fim, Grêmio perde e deixa de ser vice-líder após 12 jogos

Do UOL, em Porto Alegre

O Grêmio já não é mais o principal perseguidor do líder Corinthians. Neste domingo (24) o Tricolor gaúcho perdeu para o Bahia, na Fonte Nova, e caiu uma posição na tabela do Brasileirão. A derrota em Salvador chegou no último minuto, em lance onde Edilson escorregou e Allione se jogou. Rodrigão, na cobrança, garantiu o 1 a 0.

A queda de uma posição na classificação acontece após 12 rodadas. Desde 13 de julho, quando venceu o Flamengo fora e casa, o Grêmio estava logo abaixo do Corinthians.

O resultado em Salvador, combinado com a vitória do Santos diante do Atlético-PR, no sábado, é que muda o cenário: agora, o time alvinegro soma 44 pontos e o Grêmio tem um a menos. O Corinthians segue isolado na ponta, com 54 pontos.

Quem foi bem: Patrick e Everton

Patrick foi a primeira substituição no jogo, na etapa final, e melhorou a criação do Grêmio. Everton veio a campo minutos depois e completou o crescimento ofensivo do time. Os dois protagonizaram a melhor jogada em Salvador: um cruzamento rasteiro que terminou com chute no travessão.

Quem decepcionou: Ramiro e Arroyo

Outra vez improvisado pelo centro, Ramiro deu superioridade e não criatividade. O Grêmio passou mais de uma hora rodando de um lado para o outro sem ter profundidade. Arroyo apresentou força, mas teve dificuldade na velocidade e no um contra um pela esquerda. Os dois saíram e assistiram do banco a melhor fase do time gaúcho em campo – na reta final.

Personagem: Paulo Victor

Goleiro fez duas boas intervenções no começo do jogo e protagonizou lance curioso. Logo a um minuto, Paulo Victor foi exigido em lance de bola alta e caiu com o corpo dentro do gol. A torcida e o time do Bahia reclamaram gol, mas a arbitragem disse que a bola não cruzou a linha. No restante da partida, o jogador foi seguro.

Bahia aposta em velocidade

Eduardo, Mendoza e Zé Rafael. O Bahia impôs um início de jogo em alta velocidade e, assim, teve seu melhor momento no duelo. Além de um ataque rápido, o time investiu bastante nas infiltrações. O próprio colombiano foi um elemento importante nessa estratégia. Mesmo com menos posse de bola, a equipe mandante teve mais chutes no gol e chances mais reais.

Grêmio fica mais com a bola, mas cria pouco

Depois de um começo irregular, o Grêmio dominou a posse de bola, mas ainda ficou longe do gol. A falta de profundidade rendeu um fenômeno: dependência de individualidades. Fernandinho e Michael Arroyo protagonizaram as melhores jogadas do time, que não esteve em vias de abrir o placar até o intervalo.

Na etapa final o cenário ficou igual até os 19 minutos. Foi quando Patrick entrou e deu vida nova ao setor do meio-campo. Everton, minutos depois, encorpou o lado esquerdo e deu profundidade. Por cerca de 20 minutos o Grêmio foi mais incisivo e ficou perto de marcar como nunca antes no jogo. Chegou a acertar o travessão após jogada da dupla que começou no banco.

Pênalti aos 48 decide o jogo

O empate parecia certo até o último ataque do Bahia. Depois dos 47 do segundo tempo, Allione foi acionado e correu rumo à área. Edilson saiu em perseguição ao argentino e, no lado esquerdo do campo, escorregou. O jogador do time da casa caiu depois e a arbitragem de Luiz Flávio de Oliveira não teve dúvida: pênalti.

O Grêmio protestou fortemente alegando que sequer houve contato. A arbitragem chegou a se reunir, mas a decisão foi mantida. O zagueiro Walter Kannemann chegou a gesticular para os auxiliares pedindo consulta à TV. Na saída de campo, Edilson criticou a atuação do árbitro e lembrou a promessa da CBF sobre o árbitro de vídeo. "Cadê o árbitro de vídeo?", disse o camisa dois.

Renato insiste com Ramiro e fica com Jael até o fim

Ainda sem Luan, em recuperação de lesão na coxa direita, Renato manteve Ramiro em função centralizada no meio-campo. O camisa 17 não trocou constantemente com Arthur, como ocorreu em partidas recentes, e foi responsável indireto pelas limitações ofensivas. A carência durou até os 19 minutos do segundo tempo, quando Ramiro foi sacado para entrada de Patrick. Quatro minutos depois foi a vez de Arroyo dar lugar a Everton. A última substituição tirou Fernandinho de campo e deu vez a Léo Moura.

Jael ficou em campo até o apito final em sua terceira partida depois de cirurgia no joelho e sete meses de inatividade. O centroavante já havia jogado diante da Chapecoense e antes jogou pelo time de transição da Copa FGF.

FICHA TÉCNICA
BAHIA 1 X 0 GRÊMIO

Data e hora: 24/09/2017 (domingo), às 19h (Brasília)
Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Auxiliares: Danilo Simon Manis e Miguel Ribeiro da Costa (ambos de SP)
Cartões amarelos: Eduardo, Lucas Fonseca (BAH); Michel, Arroyo, Bressan (GRE)
Gol: Rodrigão, aos 49 minutos do segundo tempo (BAH)

BAHIA: Jean; Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca e Juninho Capixaba; Edson, Juninho, Vinícius, Zé Rafael (Edgar Junio) e Mendoza (Régis); Rodrigão
Técnico: Preto Casagrande (Mauricio Copertino, interino)

GRÊMIO: Paulo Victor; Edilson, Bressan, Kannemann e Bruno Cortez; Michel, Arthur; Fernandinho (Léo Moura), Ramiro (Patrick) e Arroyo (Everton); Jael
Técnico: Renato Gaúcho

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos