Atlético-MG leva virada da Chape e volta a focar luta contra o rebaixamento

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

A edição 2017 do Campeonato Brasileiro está como uma gangorra e o Atlético-MG é o melhor exemplo. Com dois triunfos segundos, assim que Oswaldo de Oliveira chegou, o time mineiro encostou no G-7. Mas bastaram dois jogos sem vitórias para o foco mudar para a parte de baixo da tabela. Com a derrota por 3 a 2 para a Chapecoense, no Independência, o Galo vê concorrentes que lutam contra a queda se aproximarem

Restando nove rodadas para o término da competição, uma vaga na próxima Copa Libertadores volta a ser apenas um sonho distante. A realidade, deste momento, é chegar logo aos 45 pontos e ficar livre do rebaixamento. Meta que também é a da Chapecoense, que chegou aos 35 pontos e faz as contas para escapar da degola: mais três vitórias em nove jogos.

Volantes conquistam a vitória para a Chapecoense

A dupla de volantes, formada por Canteros e Luiz Antônio, foi o destaque da Chapecoense no triunfo sobre o Atlético. Cada um marcou um gol, mas ambos fizeram muito mais no jogo disputado no Independência. Foram eficientes na marcação e comandaram a troca de passes da Chape, que envolveu o time da casa, especialmente no primeiro tempo.

Elias coroa péssima atuação com o cartão vermelho

Na noite em que completou 50 jogos pelo Atlético, Elias não vai levar nenhuma boa recordação. O camisa 8 era o pior jogador em campo, errando muitos passes e não conseguindo desarmar os jogadores da Chapecoense. A péssima atuação foi corada aos quatro minutos do segundo tempo, com o cartão vermelho. O volante atleticano parou contra-ataque da Chapecoense com falta e, como já tinha o cartão amarelo, deixou o Galo com um jogador a menos.

Robinho completa cem jogos com bela assistência

A partida com a Chapecoense foi a 100ª de Robinho pelo Atlético. O atacante chegou ao clube em fevereiro do ano passado e tem um campeonato mineiro conquistado. São 34 gols anotados nesse período. No duelo em que atingiu a marca, Robinho teve mais uma atuação discreta, como tem sido recorrente na temporada 2017. A exceção foi passe de calcanhar para o gol de Valdívia. A primeira assistência do atacante neste Brasileirão.

Chapecoense fez 10 a 1 no primeiro tempo

Um número explica bem o motivo de a Chapecoense virar o jogo sobre o Atlético. Mesmo atuando como visitante, a equipe de Santa Catarina finalizou dez vezes na etapa inicial. Além dos dois gols, a Chape ainda acertou o travessão com o Wellington Paulista. Já o Galo finalizou somente uma vez em pouco mais de 45 minutos, no gol anotado por Valdívia.

Oswaldo abre o time em busca do empate

A expulsão de Elias abrigou o técnico Oswaldo de Oliveira a gastar uma alteração. Adilson entrou no lugar de Cazares, que estava muito mal. Mas logo em seguida o outro volante do Galo, Roger Bernardo, recebeu o cartão amarelo. Já com um jogador a menos, o treinador preferiu não arriscar e logo sacou o camisa 85. O escolhido para entrar foi Otero, deixando o Atlético bastante exposto aos contra-ataques da Chapecoense.

Reinaldo "entorta" Felipe Santana no gol da vitória

Mesmo atuando com um jogador a menos desde o começo do segundo tempo, o Atlético foi valente. Conseguiu buscar o empate e até tentou buscar o terceiro gol. Mas quem marcou foi a Chapecoense, com Luiz Antônio. Mas o destaque foi o drible de Reinaldo em Felipe Santana. Na gíria do futebol, o lateral da Chape "entortou" o zagueiro alvinegro.

Atlético perde pela 8ª vez em BH e muda o foco de novo

Oito derrotas em 15 partidas como mandante, neste Campeonato Brasileiro. Há muito tempo o Atlético não tinha uma campanha tão ruim atuando diante de sua torcida. Com mais um tropeço no Independência, o Galo muda o foco novamente no Brasileirão. A busca por um lugar no G-7 deixa de ser prioridade e, assim como era quando Oswaldo de Oliveira chegou, a meta é chegar logo aos 45 pontos e ficar livre de qualquer risco de rebaixamento.

Chape ganha fôlego na luta contra o rebaixamento

Com 32 pontos antes de a bola rolar para o confronto com o Atlético, a Chapecoense poderia terminar a 29ª rodada dentro da zona de rebaixamento, em caso de derrota. Com o triunfo por 2 a 1, de virada, a equipe catarinense ganha um fôlego na luta contra a degola e tem pelo menos mais uma rodada de "saldo" sobre alguns concorrentes.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 2 X 3 CHAPECOENSE

Data: 18 de outubro de 2017, quarta-feira
Horário: 21h (de Brasília)
Motivo: 29ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Público: 11.927 presentes
Renda: R$ 168.850,00
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araújo (SP)
Assistentes Danilo Ricardo Simon Manis (FIFA/SP) e Rogério Pablos Zanardo (SP)
Cartões amarelos: Roger Bernardo (CAM) Douglas, Douglas Grolli e Moisés Ribeiro (CHA)
Cartão vermelho: Elias (CAM)
Gols: Valdívia, aos 8, Wellington Paulista, aos 30, Canteros, aos 41 minutos do primeiro; Fred, aos 22, Luiz Antônio, aos 34 minutos do segundo tempo

ATLÉTICO-MG
Victor, Marcos Rocha, Felipe Santana, Gabriel e Fábio Santos; Roger Bernardo (Otero, aos 13 do 2º), Elias, Cazares (Adilson, aos 8 do 2º) e Valdívia (Yago, aos 27 do 2º); Robinho e Fred.
Técnico: Oswaldo de Oliveira.

CHAPECOENSE
Jandrei, Apodi, Fabrício Bruno, Douglas (Douglas Grolli, aos 10 do 2º) e Reinaldo; Amaral (Lucas Mineiro, aos 38 do 2º), Moisés Ribeiro (Elicarlos, aos 32 do 2º), Canteros e Luiz Antônio; Arthur e Wellington Paulista.
Técnico: Emerson Cris.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos