Nenê brilha, São Paulo vence a primeira fora de casa e chega ao G4

Do UOL, em São Paulo (SP)

Acabou o jejum do São Paulo como visitante sob o comando de Diego Aguirre. E para encerrar o tabu, o Tricolor contou com uma atuação de gala de Nenê na noite deste domingo, no Independência. O meia participou de um gol e marcou outros dois - incluindo um golaço de falta - para levar a equipe do Morumbi à vitória por 3 a 1 sobre o América-MG, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, e ao G4.

Até então, eram seis partidas fora de casa com Aguirre à frente do time, com três derrotas e três empates. Essa dificuldade emperrava uma ascensão no Brasileirão, algo conquistado agora com o triunfo que teve também mais um gol de Diego Souza. São duas vitórias seguidas pela primeira vez na competição nacional.

O triunfo levou os são-paulinos a 13 pontos e à quarta colocação da Série A. O líder Flamengo tem 14 pontos. Os americanos pararam com dez, na nona colocação. Na oitava rodada, os paulistas recebem o Botafogo, no Morumbi, às 21h de quarta-feira. Os mineiros também jogam em São Paulo, mas às 18h de quinta, e em Itaquera, contra o Corinthians. 

Pedro Vale/AGIF

O melhor

Não há alternativa. Nenê mandou no Independência. Dribles, cadência em meio a um jogo acelerado e categoria nas bolas paradas. Seu passe preciso ajudou na construção do primeiro gol, o segundo saiu de sua frieza nos pênaltis e o terceiro, um golaço de falta, coroou a grande atuação na primeira vitória do São Paulo como visitante no Brasileirão. O meia agora tem seis gols pelo clube na temporada.

Os piores

Araruna e Arboleda tiveram maus momentos no primeiro tempo, mas conseguiram se recuperar. Só entram nessa lista por estarem abaixo da média são-paulina no confronto. Quem teve o pior desempenho, de fato, foi o volante Juninho, do América-MG. O técnico Enderson Moreira já havia se revoltado com um vacilo dele no primeiro gol paulista e foi à loucura com outros erros ao longo da noite.

Velocidade máxima

Foi difícil parar, respirar e analisar o primeiro tempo no Horto. Começou com os times se lançando ao ataque, tramando boas jogadas e balançando as redes para construir um 1 a 1 com pouco mais de dez minutos. Depois, no entanto, o que se viu foi uma correria desenfreada, com muitos erros de passe e menos chances de gol. Mas em um campeonato marcado por partidas sonolentas, o que se viu em Belo Horizonte foi uma agradável atração de domingo.

Ele é 9, sim senhor!

Dorival Júnior resolveu apostar em Diego Souza como substituto de Lucas Pratto na função de centroavante no São Paulo. O reforço contratado do Sport demorou a engrenar e as críticas a essa insistência cresceram. O próprio jogador chegou a reclamar de atuar assim. Mas nos últimos jogos isso mudou. Diego marcou pela quarta partida consecutiva, se isolou na artilharia do Tricolor no ano com sete gols ao abrir o placar aos oito minutos.

Pedro Vale/AGIF

Eficiência de Everton é comprovada

Se Diego marcou pelo quarto jogo seguido, Everton chegou à terceira assistência em três exibições consecutivas no time paulista. O meia-atacante serviu Shaylon contra o Bahia, Diego contra o Santos e de novo o camisa 9, desta vez contra o América. Agora, em seis partidas, Everton soma três assistências e um gol desde que deixou o Flamengo.

Herói americano muda o jogo

Rafael Moura já havia castigado o São Paulo no ano passado, quando ajudou o Atlético-MG a vencer no Morumbi por 2 a 1 no primeiro turno do Brasileirão. Com o América-MG, o experiente centroavante quis repetir a dose. A linda jogada de Norberto, que deu caneta em Reinaldo e cruzou, deixou tudo mais fácil para o artilheiro empatar aos 11 minutos. Depois, foram mais dois chutes perigosos que por pouco não viraram a partida para os donos da casa.

Sidão de um lado, Nenê do outro

O bom começo do São Paulo desmoronou com o gol americano. A confiança para tabelar foi caindo, Arboleda passou a se atrapalhar na defesa e Sidão precisou fazer duas grandes defesas, em chutes de Rafael Moura e Leandro Donizete. Se a experiência do goleiro ajudou de um lado, a de Nenê foi crucial no outro. O camisa 7 chamou a responsabilidade e recolocou os visitantes em vantagem já aos 46 minutos, aproveitando o pênalti cometido por Matheus Ferraz em Arboleda.

Tricolores não diminuem o ritmo

Com dez minutos da etapa final, o Tricolor repetiu a dose de agredir o América-MG e tentar um gol precoce. E foram duas chances claríssimas para ampliar a vantagem. Primeiro, Arboleda desviou escanteio de Nenê e encontrou Hudson sozinho, sem goleiro, na pequena área, mas a cabeçada do volante foi para fora. Depois, Everton foi acionado por Araruna na esquerda, invadiu a área e bateu em cima de Jori.

O que é isso, Sidão?

Logo após essa blitz são-paulina, os mineiros saíram para o ataque pela direita, o melhor caminho encontrado no primeiro tempo. O cruzamento saiu, Sidão deixou o gol para cortar sem necessidade e ainda acertou a bola na cabeça de Serginho. O lance acidental quase resultou em novo empate, mas...

Golaço de falta (e sem Hernanes)

O São Paulo não marcava um gol de falta desde 9 de setembro do ano passado, quando Hernanes converteu cobrança durante o empate por 2 a 2 contra a Ponte Preta, no segundo turno do Brasileirão. Nenê conseguiu quebrar esse tabu neste domingo, com uma pintura. Militão sofreu falta no bico da área, pela direita, e o meia soltou uma pancada no ângulo esquerdo de Jori, aos 15 minutos.

Pode atacar, Aguirre!

Em sua 15ª partida à frente do São Paulo, Diego Aguirre conseguiu fazer pela primeira vez seu time marcar três gols em um jogo. O último duelo com essa marca havia sido com o interino André Jardine, contra o CRB, pela terceira fase da Copa do Brasil. O agora auxiliar, inclusive, também tinha conseguido uma vitória com três gols na partida anterior, contra o Red Bull Brasil, pelo Campeonato Paulista.

Suspensões ruins?

Nos minutos finais do confronto, o Tricolor tentava gastar o tempo e Hudson demorou demais para cobrar uma falta. Isso lhe rendeu um cartão amarelo e uma suspensão. Mas não pense que isso foi uma notícia tão ruim para o São Paulo. Apesar de perder o jogo contra o Botafogo, o volante poderá voltar no clássico com o Palmeiras, no Allianz Parque, no próximo sábado. O mesmo aconteceu com Militão, que cometeu falta dura nos acréscimos.

FICHA TÉCNICA:
AMÉRICA-MG X SÃO PAULO

Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data/Hora: 27 de maio de 2018, às 19h
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo e Luiz Claudio Regazone (ambos do RJ)
Cartões amarelos: Aderlan, Matheus Ferraz, Giovanni e Ademir (AMG); Hudson, Bruno Alves e Militão (SAO)

GOLS: Rafael Moura, aos 11 minutos do primeiro tempo (AMG); Diego Souza, aos oito minutos, e Nenê, aos 46 minutos do primeiro tempo e aos 15 minutos do segundo tempo (SAO)

AMÉRICA-MG: Jori, Norberto, Matheus Ferraz, Messias e Giovanni; Leandro Donizete, Juninho e Serginho; Aderlan (Ademir), Luan (Ruy) e Rafael Moura (Judivan). Técnico: Enderson Moreira.

SÃO PAULO: Sidão, Militão, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Hudson e Araruna (Valdivia); Nenê, Everton (Liziero) e Diego Souza (Tréllez). Técnico: Diego Aguirre.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos