Paraná bate Fluminense e vence a primeira partida no Brasileirão

Do UOL, no Rio de Janeiro

Na noite gelada de Curitiba, o Paraná bateu o Fluminense por 2 a 1, com gol de Thiago Santos (de pênalti) e Guilherme Biteco. Enfim, os paranaenses conquistaram a sua primeira vitória no Campeonato Brasileiro. Pablo Dyego descontou para o Flu.

Com o resultado na Vila Capanema, os paranistas seguem na penúltima posição, mas respiram aliviados após o primeiro triunfo. Já o Flu perdeu a chance de retomar a vice-liderança e se aproximar do líder Flamengo, já que ficou na 9ª colocação.

A partida foi muito brigada, mas pobre tecnicamente. O resultado a favor dos donos da casa, no entanto, fez justiça a um time mais organizado e que mostrou um pouco mais de soluções para deixar o campo com o resultado positivo.

Na próxima rodada, os paranaenses recebem a visita do Bahia, quinta-feira, às 20h. No mesmo dia e horário, o Flu encara o arquirrival Flamengo no Mané Garrincha, em Brasília.

O melhor: Carlos Eduardo comanda Paraná

Em um jogo pobre sob o ponto de vista técnico, o meia Carlos Eduardo foi responsável pelos raros lampejos de bom futebol em Curitiba.

Com bons passes e inversões de jogo, o ex-jogador de Grêmio e Flamengo foi responsável por ditar o ritmo paranista e tentar abrir a defesa do Fluminense no jogo desta segunda-feira.

O pior: João Carlos é peça nula

O substituto de Pedro não teve uma boa noite na Vila Capanema. Entre os zagueiros do Paraná, o centroavante pouco apareceu e não deu opções para os homens de meio.

Luta não faltou para o camisa 29, mas o atacante não conseguiu ser útil para o Flu, que teve dificuldade enorme para criar na partida desta segunda-feira.

Jogo ruim

Na fria noite da capital paranaense, Paraná e Fluminense fizeram um primeiro tempo de dar sono aos torcedores que acompanharam o choque de tricolores. Com duas equipes cheias de disposição, mas zero de inspiração,  a etapa inicial foi uma partida de muita briga e poucos momentos de bom futebol.

Basta dizer que o primeiro lampejo da partida aconteceu aos 25 minutos, quando Thiago Santos carimbou a trave de Júlio César. Um minuto depois, Jesiel deu um belo voleio e obrigou o goleiro do Flu a fazer uma ótima defesa.

O Flu, por sua vez, demonstrou muita dificuldade em fazer a transição para o ataque. Sem muita movimentação, Robinho e João Carlos foram presas fáceis para os paranistas e não deram opções para os homens de meio. Pelas tentativas, os donos da casa foram ligeiramente superiores, mas o empate fez justiça a um jogo fraco na Vila Capanema.

Baixas relâmpago

Com um minuto de jogo, o atacante Carlos dividiu uma bola com Renato Chaves e sentiu dores no joelho. Sem condição alguma, o paranista foi substituído com apenas quatro minutos de bola rolando. O camisa 11 deixou o gramado chorando. Aos 10, o atacante Marcos Jr. sentiu a coxa e também deixou o campo.

Vitória paranista

O Fluminense voltou nitidamente mais aceso no segundo tempo, mas o Paraná não tardou a jogar um balde de água fria nos visitantes. Logo aos seis minutos, Léo derrubou Leo Itaperuna na área. Pênalti que Thiago Santos converteu e colocou o Tricolor em vantagem. 

O Fluminense tentou se atirar um pouco mais ao ataque, mas a equipe não conseguiu levar perigo ao gol adversário. Assim como na etapa inicial, o goleiro Thiago Santos não teve trabalho algum, salvo e um cabeceio de Luan Peres.

O Paraná se fechou um pouco mais e tentou sair "na boa". Aos 25, Thiago Santos ampliou, mas o gol foi corretamente anulado pelo trio paulista de arbitragem. 

Especialmente com Sornoza, o Flu abusou das bolas altas na área, mas não conseguiu furar a defesa do Paraná, que levou a melhor e segurou o ímpeto do Flu. Aos 42, Guilherme Biteco aproveitou cochilo da zaga e, no segundo pau, escorou para ampliar. O segundo gol paranista deu muita polêmica, pois gerou dúvida se a bola entrou ou não. Já nos acréscimos, Pablo Dyego descontou e colocou fogo no jogo, mas o Paraná prendeu a bola e manteve a vitória.

Olho no rival

O técnico Abel Braga fez uma mexida em sua equipe que nada tem a ver com opção técnica ou tática. Como o lateral Léo não pode enfrentar o Flamengo, já que uma cláusula contratual impede sua escalação ante o rival, o técnico Abel Braga decidiu poupar Gilberto e escalar o ex-jogador do Fla, que cometeu o pênalti que resultou no gol de Thiago Santos, além de ter saído contundido. Pelo raciocínio do treinador, preservar o titular era importante para que ele estivesse mais inteiro para jogar o clássico. 

Presença

A torcida do Flu encarou a noite gelada de Curitiba para apoiar o Flu diante do Paraná. Em bom número, os animados tricolores apoiaram a equipe de Abel Braga.

Maratona

Após a partida em Curitiba, o Fluminense nem retorna ao Rio de Janeiro. Na terça-feira, a equipe de Abel Braga treina no CT do Atlético-PR, e embarca para Brasília, local do clássico diante do Flamengo, quinta-feira.

PARANÁ X FLUMINENSE

Data: 04 de junho de 2018, domingo
Horário: 20h (de Brasília)
Local: Durival de Brito, em Curitiba (PR)
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho (SP)
Auxiliares: Rogerio Pablos Zanardo (SP) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (SP)
Cartões amarelos: João Carlos, Léo, Marlon (FLU); Torito, Thiago Santos, Jesiel, Rayan, Guilherme Biteco, Wesley Dias (PAR)
Cartões vermelhos: - 
Gols: Thiago Santos, aos sete; e Guilherme Biteco, aos 42; e Pablo Dyego, aos 47 minutos do segundo tempo.

Paraná
Thiago Rodrigues; Junior, Jesiel, Rayan e Igor; Torito, Leandro Vilela, Wesley Dias e Carlos Eduardo (Wesley Dias); Leo Itaperuna, Thiago Santos  e Carlos (Caio Henrique).
Técnico: Rogério Micale.

Fluminense
Júlio César; Renato Chaves, Gum e Luan Peres; Léo (Matheus Alessandro), Richard, Jadson (Pablo Dyego), Sornoza e Marlon; Marcos Junior (Robinho) e João Carlos. Técnico: Abel Braga.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos