Loss vê comparação injusta com Carille e pede tempo após vaias em Itaquera

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

O técnico Osmar Loss experimentou de perto a insatisfação da torcida do Corinthians na noite desta quarta-feira, já na reta final do empate por 1 a 1 com o Santos em Itaquera. Em meio à série de resultados ruins à frente da equipe alvinegra, o ex-auxiliar disse que tem encontrado dificuldades para treinar a equipe diante do calendário apertado.

Loss ouviu vaias depois de optar pela saída de Pedrinho, a sete minutos do fim do seu primeiro clássico como treinador do Corinthians. A manifestação voltou a ocorrer ao fim da quinta partida dele como treinador corintiano - o time só venceu uma vez e conquistou apenas quatro pontos de 15 possíveis.

Pressionado diante do aproveitamento de pontos bem inferior ao de Fábio Carille, Loss disse que considera injusta a comparação com o atual treinador campeão brasileiro, pois a média de títulos do antecessor é muito alta, enquanto ele apenas inicia o trabalho como técnico do time.

Daniel Vorley/AGIF
Após cinco jogos, Loss tem aproveitamento de apenas 26% como técnico do Corinthians

O técnico do Corinthians ainda se queixou da sequência de jogos e a escassez de tempo para trabalhar com o time no CT Joaquim Grava. Loss, que está há 15 dias no cargo, citou até o trabalho feito na base do clube para justificar os maus resultados.

"O que eu tenho visto de novidade é justamente essa pouca possibilidade de dar treino, na base eu podia treinar a semana toda para jogar sábado. Montar estratégias exclusivas para cada adversário. Aqui a gente termina hoje e já pensa no jogo de sábado, na recuperação. É a grande dificuldade do dia a dia", disse Loss.

Para a partida contra o Santos, por exemplo, o Corinthians só foi ao campo do CT com os titulares na véspera do clássico. Um dia depois da derrota para o Flamengo, apenas os reservas trabalharam nos gramados do centro de treinamento.

Loss ganha voto de confiança público de Andrés

Ale Cabral/AGIF
Corinthians ampliou a sequência negativa de resultados ao empatar com o Santos

Questionado pela torcida do Corinthians, Loss, ao menos, ganhou um voto de confiança do presidente Andrés Sanchez. Após o jogo, o mandatário chegou a falar que "muda o time, mas não muda o treinador". O mandatário ainda pediu paciência aos torcedores e lembrou também que o calendário impede que Loss consiga implantar a sua filosofia de trabalho.

Andrés também ressaltou que o time sofre com os desfalques. Diante do Santos, por exemplo, Jadson, Ralf, Renê Júnior e Clayson não estava à disposição de Loss, que ainda perderá Balbuena e Romero para a partida contra o Vitória no sábado.

Depois desse confronto, o Corinthians irá a Salvador enfrentar o Bahia na última partida antes da parada da Copa do Mundo. O time alvinegro está distante do G-4 do Campeonao Brasileiro e pode terminar a 11ª rodada na décima posição, caso Fluminense e Atlético-MG vençam Flamengo e América-MG, respectivamente, nesta quinta-feira.

"Eu sei da pressão que é comandar o Corinthians, a pressão por bons resultados. É algo para o que me preparei na minha carreira. Mesmo nas categorias de base tem pressão. Eu trabalhei em grandes clubes, e sempre houve pressão para revelar jogador, vencer títulos. Tenho que manter meu foco dentro de campo", afirmou Loss.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos