Inspirado por Robinho, Gabigol decide para o Santos contra o Corinthians

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

A noite foi de festa para o Santos. O Pacaembu recebeu bom público, mesmo debaixo de forte chuva, e empurrou o time para mais um triunfo no Campeonato Brasileiro. Desta vez, a vítima foi o rival Corinthians, que entrou com formação alternativa, priorizando a decisão da Copa do Brasil no meio da semana. Gabigol não se importou com o foco do adversário, fez o gol da vitória por 1 a 0 e comemorou relembrando as pedaladas de Robinho na final do Brasileirão de 2002, justamente contra o Timão.

Com o resultado, a equipe comandada por Cuca chega a três vitórias consecutivas no Brasileirão - todas por 1 a 0 - e a 42 pontos, mantendo a caça ao Atlético-MG e a uma vaga na fase classificatória da Copa Libertadores da América. Já os corintianos param com 35 pontos, podendo cair para a 13ª colocação. São quatro rodadas sem vencer no Nacional, quatro partidas sem marcar gols na temporada e nenhuma vitória fora de casa sob o comando de Jair Ventura.

Na quarta-feira, às 21h45, o Corinthians poderá se entregar de vez à Copa do Brasil. Depois de perder do Cruzeiro por 1 a 0 no Mineirão, será preciso vencer por dois gols de diferença para ficar com o título sem a necessidade de pênaltis na Arena Corinthians. Depois, às 16h de domingo, visita o Vitória no Barradão, pela 30ª rodada do Brasileirão. O Santos volta a campo só no dia 22, segunda-feira, para enfrentar o Internacional no Beira-Rio.

Marcello Zambrana/AGIF

O melhor: Gabigol

Gabriel chamou a responsabilidade durante todo o clássico. Não se limitou a esperar as bolas como um centroavante fixo, tirou os zagueiros da área e abriu espaço para quem chegava de trás. O gol de oportunismo foi a coroação de um bom desempenho. Ele ainda passou perto de marcar mais um no segundo tempo, mas parou em Walter. Segue artilheiro do Brasileirão, com 14 gols.

O pior: Douglas

O volante era um dos titulares que Jair Ventura escolheu para iniciar o embate com o Santos. Isso porque, suspenso, não participou do jogo de ida da final da Copa do Brasil. O problema é que o camisa 30 nem parecia ter descansado. Foi mal na marcação, levando dribles fáceis dos santistas, e inoperante no ataque.

Marcello Zambrana/AGIF

Vaiado pelos santistas, Jair leva time reserva ao Pacaembu

A passagem de Jair Ventura pelo Santos, realmente, não deixou saudades na torcida do Peixe. Quando o nome do técnico foi anunciado nas escalações das equipes no Pacaembu, vaias e xingamentos tomaram conta do estádio - que só recebeu os fãs santistas. Para os corintianos, o treinador tem créditos por estar na final da Copa do Brasil, o que o levou a montar time reserva no clássico deste sábado. Apenas quatro titulares foram relacionados e três deles começaram a partida: Léo Santos, Douglas e Mateus Vital. 

Corinthians tem as primeiras chances, mas atacantes falham

Jair tentou manter a estrutura corintiana do 4-2-4, mas desta vez com dois jogadores de mais presença de área no ataque - Emerson Sheik e Jonathas. E eles tiveram chances de abrir o placar logo no início do clássico. Primeiro, foi Sheik quem desceu pela direita, bateu cruzado e assustou Vanderlei. Depois, aos cinco minutos. Jonathas recebeu na área após bela jogada de Léo Santos, que estava improvisado na lateral, e furou o domínio. Por sorte, Vital apareceu por trás, driblou e levou perigo mais uma vez.

Santos se impõe e explora as laterais alternativas do rival

Com Rodrygo na seleção brasileira sub-20 e Derlis González no banco, Cuca optou por usar Bruno Henrique e Arthur Gomes nas pontas. Além disso, deixou Carlos Sánchez e Diego Pituca livres para encostar nos lados do campo, formando ainda triangulações com Victor Ferraz e Dodô. Essa foi uma forma de explorar a fragilidade das laterais corintianas com os garotos Léo Santos - improvisado e que foi bem no ataque - e Carlos Augusto.

Plano de Cuca funciona e Gabigol homenageia Robinho em comemoração

Se havia dúvida sobre a entrada de Arthur Gomes, com González no banco, ela se desfez quando o camisa 23 fez linda jogada pela direita - nas costas de Carlos Augusto - e bateu para dentro da área. Gabigol aproveitou a sobra e bateu no ângulo direito de Walter para abrir o placar. Na comemoração, fingiu pedalar e sofrer um pênalti, relembrando lance emblemático de Robinho na final entre Santos e Corinthians no Brasileirão de 2002.

Reprodução/Premiere FC

Árbitro para o jogo para receber atendimento médico

Péricles Bassols deu um susto nos jogadores, logo com quatro minutos do segundo tempo. O árbitro parou a partida de repente e pediu atendimento para os médicos do Santos. Ele estava com o ouvido direito machucado devido ao aparelho de comunicação da arbitragem. Um pedaço do fone entrou no ouvido do juiz e foi retirado com uma pinça. Recuperado, ele recomeçou o jogo sob vaias da torcida e cumprimentos dos atletas.

Iluminado, Cuca quase canta segundo gol de Gabriel

Em falta pela direita, o Santos tentava manter a pressão sobre o Corinthians. E Cuca deu uma dica a Gabriel: correr por trás da defesa rival. Após a cobrança, a bola surgiu justamente onde o técnico havia indicado e Gabigol bateu de primeira para grande defesa de Walter. Pouco depois, os corintianos escaparam por pouco novamente, com chute de fora da área de Diego Pituca.

Renato entra ovacionado e recebe faixa de capitão

Renato vai se aposentar no fim da temporada e se tornar executivo de futebol do Santos. Mas enquanto isso ainda recebe chances de Cuca. Neste sábado, entrou no lugar de Yuri, foi ovacionado pela torcida e ainda viu Victor Ferraz entregar a faixa de capitão do Peixe. O curioso é que a braçadeira no lado corintiano também ficou com veteranos - Emerson Sheik e, depois, Danilo. O santista tem 39 anos, enquanto os atletas do Timão têm 40 e 39, respectivamente.

Confusão no fim faz Gabriel virar desfalque

Já aos 35 minutos do segundo tempo, o atacante Derlis González, que entrou na vaga de Arthur Gomes, e o volante Gabriel se estranharam no meio de campo. Os dois se enroscaram, deixaram o braço e acabaram punidos com cartões amarelos. O problema é que o marcador do Corinthians estava pendurado e, assim, não enfrenta o Vitória na 30ª rodada.

Em jogo ruim, Corinthians tem duas chances para empatar

Clayson foi mais um titular acionado por Jair Ventura. Ele começou no banco e foi o segundo a entrar na etapa final - além de Thiaguinho e Danilo. Já perto do fim do clássico, conseguiu arrancada pela esquerda e cruzou na primeira trave. Gabriel, mesmo baixinho, apareceu entre os marcadores e cabeceou com perigo. Clayson também teve tempo para se envolver em confusão com o zagueiro Luiz Felipe e bater falta com perfeição para Marllon perder chance incrível.

Walter salva gol certo de Eduardo Sasha

O atacante entrou nos minutos finais só para gastar tempo, ocupando a vaga de Sánchez. Mas por pouco não ampliou a vantagem santista no Pacaembu. Após jogada individual de González, a bola sobrou para Sasha na pequena área. Ele bateu rasteiro, mas viu Walter se esticar e fazer bela defesa.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 1X0 CORINTHIANS
Data e hora
: 13/10/2018, às 19h (horário de Brasília)
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortez (PE)
Auxiliares: Clovis Amaral da Silva e Cleberson do Nascimento Leite (ambos PE)
Público/Renda: 24.123 pagantes/26.428 presentes/R$ 778.974,50
Cartões amarelos: Gabriel, Gustavo Henrique e Derlis González (SAN); Emerson Sheik, Pedro Henrique e Gabriel (COR)

Gols: Gabriel, aos 20 minutos do primeiro tempo (SAN)

Santos
Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Dodô; Yuri (Renato), Carlos Sánchez (Eduardo Sasha) e Diego Pituca; Arthur Gomes (Derlis González), Gabriel e Bruno Henrique.
Treinador: Cuca

Corinthians
Walter; Léo Santos (Thiaguinho), Pedro Henrique, Marllon e Carlos Augusto; Douglas e Gabriel; Pedrinho, Mateus Vital (Clayson) e Emerson Sheik (Danilo); Jonathas. 
Treinador: Jair Ventura

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos