UOL Esporte Futebol
 
25/07/2009 - 18h14

Vila Nova encerra má fase, vira sobre lanterna e deixa zona de rebaixamento

Do UOL Esporte
Em São Paulo
Terminou o inferno astral do Vila Nova na Série B do Campeonato Brasileiro. Após sete jogos sem vencer, o time goiano sofreu, mas conseguiu bater neste sábado o Campinense em casa por 2 a 1, graças aos dois gols do atacante Willian e às defesas salvadoras do goleiro Max. O resultado deixa a equipe do Centro-Oeste fora da zona de rebaixamento ao final desta 13ª rodada.

Apático no primeiro tempo, o time de Vágner Benazzi saiu atrás do marcador aos 18 minutos, quando Giuliano marcou de cabeça para o Campinense. Max impediu que os visitantes ampliassem o marcador ainda na etapa inicial e Willian conseguiu a virada na parte complementar da partida, com gols aos 13 e aos 27 minutos.

Antepenúltimo colocado até este sábado, o Vila conseguiu sua primeira vitória desde 5 de junho, quando aplicou 1 a 0 no Ceará pela quinta rodada e chegou aos 15 pontos ganhos no torneio. A vitória, além de encerrar um longo e incômodo jejum, elevou os goianos para o 15º lugar, deixando o Duque de Caxias na zona de rebaixamento, em companhia de São Caetano, ABC e o próprio Campinense.

O time da Paraíba, aliás, desperdiçou a chance de conseguir sua primeira vitória fora de casa na Série B e seguiu na lanterna, com seis pontos ganhos. Com três derrotas consecutivas, o Campinense termina a rodada dois pontos atrás do ABC, penúltimo colocado, e que na sexta empatou por 1 a 1 com o líder Guarani, em Natal.

Os dois clubes fazem as malas em direção ao estado de São Paulo e voltam à cena na Série B já nesta terça-feira, às 19h30. O compromisso do Vila Nova será no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, contra a Ponte Preta. Já o Campinense enfrentará outro candidato direto na luta contra o rebaixamento: o São Caetano, 17º, que recebe a partida da 14ª rodada no Estádio Anacleto Campanella.

O jogo

O técnico Vagner Benazzi abriu mão do esquema com três zagueiros e ensaiou um 4-4-2 como formação tática salvadora para o Vila Nova. O novo esquema, porém, se mostrou ineficiente: os jogadores tinham clara dificuldade para articular jogadas ofensivas e davam espaço para o ataque adversário trabalhar com tranquilidade no campo ofensivo.

O goleiro Max, entretanto, fazia uma boa exibição para o time da casa. Aos 4 minutos, esbanjou reflexo para espalmar uma perigosa cabeçada de Fábio, à queima-roupa. Menos trabalho o camisa 1 teve aos 16 para defender um chute mal-direcionado de Rodrigo Broa, que invadira a grande área sozinho, mas tropeçando na bola.

Max fez ainda mais uma intervenção aos 18 minutos, rebatendo uma cobrança rasteira de falta executada por Anderson Oliveira. Mas o goleiro não segurou a bola, que espirrou no travessão e caiu livre na pequena área para o atacante Giuliano escorar de cabeça e abrir o marcador.

O mesmo travessão que atrapalhou Max no lance do gol salvou o Vila dois minutos depois, em um chute do lateral esquerdo Buick, que passeou do meio-de-campo até a entrada da área, sem ser incomodado pela defesa goiana. Ciente da má apresentação da equipe, Benazzi arriscou: sacou o volante Bilica para a entrada do atacante Gil.

Resultado da alteração? No primeiro tempo, nenhum. O Campinense continuou insistindo e só não ampliou aos 30 minutos porque Max fez uma linda defesa em mais um chute de Rodrigo Broa. Desta vez sem escorregar na grama ou tropeçar na bola, o meia do clube paraibano arrematou com força da entrada da área e o goleiro do Vila voou para espalmar.

O árbitro Carlos Ronne Casas de Paiva apitou o intervalo e as vaias ecoaram dos poucos torcedores do Vila no Serra Dourada. O zagueiro Matheus, ciente dos motivos das cobranças de garra, admitiu que a equipe estava "dando muito mole" em campo e prometeu reação na segunda etapa.

A jura de Matheus só foi ter resultado depois de Max salvar o Vila mais uma vez, aos 6 minutos, depois de Giuliano escorregar antes de um chute na marca do pênalti. Mesmo com Vanderley no ataque, no lugar de Júlio Madureira, o time da casa conseguiu a reação após a terceira mudança de Benazzi, que colocou o lateral direito Dida na vaga do canhoto Nill.

O empate do Vila Nova surgiu pela direita, setor que Dida ocupou logo que entrou em campo. Contudo, foi Gil quem gingou para cima da marcação, driblou e cruzou na área. O atacante Willian matou a bola peito e bateu com estilo, sem chances de defesa para Fabiano.

Após o gol, o técnico Freitas Nascimento queimou as três substituições o Vila, mas o panorama do jogo não se alterou. O Vila, por sua vez, ganhou moral para arriscar mais jogadas ofensivas e, mais uma vez pelos flancos, alcançou a virada. O lateral Osmar disparou pela esquerda e rolou para Willian, que chutou forte e rasteiro para selar a vitória.

O ímpeto ofensivo do Campinense, já reduzido depois da virada da equipe mandante, foi extinta aos 40 minutos, quando o atacante Giuliano se desentendeu no meio-de-campo com o adversário Rafinha e foi expulso de campo. O Vila segurou o resultado até o apito final, aos 50 minutos.

VILA NOVA 2 x 1 CAMPINENSE

Vila Nova

Max; Osmar, Matheus, Leonardo e Nill (Dida); Bilica (Gil), Alisson, Rafinha e Pachola; Willian e Júlio Madureira (Vanderley)
Técnico: Vágner Benazzi

Campinense
Fabiano; Fábio Santana, Nino, Kléber (Émerson) e Buick (Tiago Salette); Henrique, Charles Wagner, Rodrigo Broa e Washington (Almir); Anderson Oliveira e Giuliano
Técnico: Freitas Nascimento

Data: 25/07/2009 (sábado)
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia
Árbitro: Carlos Ronne Casas de Paiva (AC)
Auxiliares: João Gomes Jacome e Mário Jorge Ferreira Lima (AC)
Cartões amarelos: Matheus, Dida, Vanderley (Vila); Charles Wagner, Buick, Henrique, Giuliano (Campinense)
Cartão vermelho: Giuliano (Campinense)
Gols: Willian, aos 13 e aos 27 minutos do segundo tempo (Vila). Giuliano, aos 18 minutos do primeiro tempo (Campinense).

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host