Após reviravolta, arbitragem atuará normalmente em jogos do Fortaleza

Marcello De Vico

Do UOL, em Santos (SP)

  • Reprodução/Twitter

    Presidente Marcelo Paz (esq.) vem criticando a arbitragem em jogos do Fortaleza

    Presidente Marcelo Paz (esq.) vem criticando a arbitragem em jogos do Fortaleza

Uma reunião realizada na noite da última segunda-feira (5) entre a Comissão de Arbitragem da Federação Cearense de Futebol (FCF) e os árbitros locais definiu o fim do movimento em que eles pretendiam não atuar mais em jogos do Fortaleza. A iniciativa era uma resposta às críticas dos dirigentes do clube que, segundo eles, 'colocaram em dúvida a imparcialidade e honestidade' dos profissionais.

Segundo apurou o UOL Esporte, o movimento, iniciado na semana passada, recuou depois de um desentendimento entre árbitros e assistentes e o próprio presidente do Sindicato dos Árbitros do Estado do Ceará (Sindarf-CE), João Batista Lucas. A reportagem conversou com dois juízes do quadro, que revelaram um áudio no qual o presidente fazia pouco caso do movimento e tecia críticas aos profissionais classificando-os como 'abestados'.

Além disso, os árbitros informaram que o ofício enviado pelo Sindicato à Federação e ao Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol do Ceará (TJDF-CE) não representava exatamente o que a classe pensava. A ideia dos árbitros era, de fato, não atuar mais em jogos do Fortaleza, mas por uma questão de falta de respeito dos dirigentes do Fortaleza para com a classe, e não pelo fato de o clube tricolor ter solicitado arbitragem de fora do Estado para o clássico de domingo (4).

Reprodução

Agora, o principal objetivo da classe é convocar uma assembleia para tentar tirar João Lucas da presidência para, aí sim, pensar em retomar o movimento, quem sabe para 2019. Ao UOL Esporte, um dos árbitros entrevistados se mostrou bastante preocupado com a questão de segurança e disse que as palavras ditas pelos dirigentes do Fortaleza nos últimos tempos só alimentam o ódio de alguns torcedores e deixam os árbitros ainda mais expostos.

Ainda de acordo com o árbitro, alguns árbitros e assistentes sofrem ameaças de torcedores em redes sociais. O movimento, então, seria para evitar que algo pior acontecesse, uma vez que, segundo eles, os depoimentos dos dirigentes do Fortaleza contribuem para isso.

Comissão de Arbitragem explica mal-entendido

A reportagem conversou também com o presidente da Comissão de Arbitragem da FCF, Paulo Sílvio, que esclareceu o desentendimento entre a classe e o presidente do Sindicato e confirmou que os árbitros seguem trabalhando normalmente, inclusive em jogos do Fortaleza.

"Eu não entendo como uma recuada, e sim um acerto de um mal-entendido entre a intenção dos árbitros e a posição do sindicato. Os árbitros estavam insatisfeitos com uma postura de um ou dois dirigentes do Fortaleza. Mas essa insatisfação não é porque os dirigentes questionaram a questão técnica dos árbitros, mas sim como eles estavam fazendo, atingindo a pessoa do profissional, e eles se sentiram incomodados com isso porque estavam sofrendo pressões de alguns torcedores porque eles estavam sendo levados por essas declarações", explicou.

Eles [árbitros] se sentiram incomodados com isso porque estavam sofrendo pressões de alguns torcedores" (Presidente da Comissão de Arbitragem)

"Então os árbitros, inconformados com isso, procuraram o sindicato pedindo para que ele fizesse uma nota de repúdio, de defesa, pedindo que a reciprocidade e o respeito existissem, porque nenhum árbitro vai para o microfone para agredir nenhum dirigente ou instituição. Essa foi a solicitação dos árbitros, mas infelizmente o presidente do Sindicato entendeu que essa insatisfação dos árbitros era em virtude da solicitação por árbitros de fora para o jogo Fortaleza x Ceará, domingo. E ele colocou no documento essa justificativa", acrescentou.

O presidente deixou claro que o alvo da insatisfação dos árbitros é 'um ou outro dirigente' do Fortaleza, e jamais a instituição: "Pelo contrário. Eles têm muito respeito pela história do clube, pelo momento que o clube passa. Eles têm respeito a todas agremiações do campeonato. Foi mais a um ou outro dirigente que não teve o cuidado da fala na imprensa".

Presidente do Sindicato se defende

Procurado pelo UOL Esporte, o presidente do Sindarf-CE se defendeu das acusações e disse desconhecer a vontade dos árbitros em tirá-lo da presidência. João Lucas afirmou ainda que o ofício enviado à Federação e ao TJDF-CE teve consentimento dos árbitros.

Não fizemos nada sem a aprovação dos árbitros" (Presidente do Sindicado)

"Não fui comunicado sobre esse assunto [saída] e, além do mais, a saída de um presidente de sindicato só acontece se ele infringir o estatuto, algo que não fiz em nenhum momento. E o ofício foi redigido também por um dos árbitros. Não fizemos nada sem a aprovação dos árbitros", disse.

Árbitro sorteado já foi vetado pelo Fortaleza

O quarteto de arbitragem para o jogo entre Uniclinic x Fortaleza – que acontece na quinta-feira (8) – foi sorteado nesta segunda-feira (5) e terá Luciano Miranda como árbitro e Mardônio Ribeiro e Alden Christian como assistentes. Curiosamente, Luciano já chegou a ser vetado pelo próprio Fortaleza para um jogo do ano passado, válido pelas quartas de final do Cearense, contra o Tiradentes.

Na ocasião, Luciano Miranda – que trabalhava como quarto árbitro – alertou o juiz principal de que o lateral Felipe, do Fortaleza, já havia recebido cartão amarelo anteriormente e, portanto, com o novo amarelo, precisaria ser expulso – o que acabou então acontecendo.

Presidente e Ceni vêm criticando a arbitragem

Insatisfeita com a arbitragem do primeiro clássico do ano, em que o Ceará venceu o duelo por 2 a 0, a diretoria do Fortaleza solicitou profissionais de fora do Estado para comandar o confronto do último domingo (4), que terminou empatado por 1 a 1, no Castelão. Ainda antes do apito inicial, o presidente Marcelo Paz voltou a criticar a arbitragem do dérbi da primeira fase.

Douglas Oliveira - Ascom Gama
"Os erros são recorrentes contra o Fortaleza. Quando erra a favor é uma raridade. É não marcar pênalti, expulsão errada... A gente vem observando jogo a jogo. E culminou com o Clássico em que todos os erros foram contra o Fortaleza. A gente não pode ficar calado", disse o mandatário tricolor em entrevista à Rádio Verdes Mares neste domingo (4).

Dias antes, o próprio técnico Rogério Ceni já havia feito críticas à arbitragem ao relembrar o primeiro dérbi de 2018 e chegou a provocar o Ceará dizendo que treinaria com dez jogadores para simular um duelo contra os alvinegros, uma vez que eles costumam sempre jogar com a mais. Leia mais

"A gente tem que treinar um pouco com dez jogadores, já com um a menos, porque eu assisti uns seis jogos do Ceará e eles normalmente jogam com um a mais, sempre 11 contra dez, então acho que é mais uma coisa que a gente pode pensar: trabalhar sempre com um a menos porque, ao menos em 45 minutos de jogo, a gente sempre tem chance, contra o Ceará, de jogar com um a menos", disse Ceni.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos