! Sem dispensas e com '7 vagas', Brasil inicia laboratório na África - 14/06/2009 - UOL Esporte - Futebol
UOL Esporte Futebol
 
14/06/2009 - 18h01

Sem dispensas e com '7 vagas', Brasil inicia laboratório na África

Em edições passadas, pedir dispensa da convocação do Brasil para a Copa das Confederações foi recorrente. Mas a história mudou. Com o grupo de Dunga cada vez mais fechado e o Mundial da África do Sul se aproximando, os jogadores não só atenderam ao chamado do treinador como veem na competição a chance de cavar espaço na equipe. E a primeira oportunidade em território africano será dada às 11h (de Brasília) desta segunda-feira, diante do Egito, em Bloemfontein.

STATUS DO GRUPO NA ÁFRICA
Marcelo Sayão/EFE
Marcelo Sayão/EFE
Kaká e Robinho são peças 'intocáveis'; só uma lesão tira a dupla da Copa de 2010
Antonio Scorza/AFP
Antonio Scorza/AFP
Embora seja reserva de Dunga, Alexandre Pato tem grandes chances de jogar a Copa
KAKÁ FOCA PRÊMIOS E COLETIVO
DUNGA CELEBRA 3 ANOS NO CARGO
HERDEIROS DE CAFU DISPUTAM ALA
A 361 dias do início da Copa do Mundo, o Brasil entrará no estádio Free State com boa parte do grupo de 2010 definido. Dunga, obviamente, diz que todas as posições estão abertas, que todos têm chances e que a decisão final do elenco só acontecerá pouco antes do Mundial. Mas o fato é que restam poucas vagas. Sete vagas, se nada drástico acontecer nos próximos meses.

Os números da "era Dunga", a campanha nas eliminatórias e na Copa América e a evolução da equipe mostram alguns jogadores com "um pé e meio" na Copa do Mundo. A lista é extensa: Júlio César, Maicon, Daniel Alves, Lúcio, Juan, Luisão, Kléber, Gilberto Silva, Felipe Melo, Josué, Elano, Kaká, Júlio Baptista, Robinho, Luís Fabiano e Alexandre Pato estão em situação confortável.

Alguns são titulares absolutos, enquanto outros entram com frequência e gozam de prestígio com Dunga mesmo na reserva. Luisão, Josué e Júlio Baptista são os exemplos mais claros. Assim, o torneio que começa para o Brasil nesta segunda-feira ganhou mais importância para os jogadores. Não pela competição em si, mas pela disputa por vagas no grupo da Copa do Mundo. Prova disso foi a inexistência de pedidos de dispensa. Segundo a CBF, nenhum chegou à entidade.

Nem mesmo jogadores renomados e intocáveis na seleção correram o risco de falar em descanso com a comissão técnica. Algo que em edições anteriores da Copa das Confederações foi normal. Em 2003, muitos titulares sequer foram chamados. Dois anos depois, Ronaldo foi convocado, mas pediu para não ir à Alemanha. Cafu e Roberto Carlos ganharam férias na época.

Até mesmo com Dunga isso ocorreu. Na última Copa América, Kaká e Ronaldinho não quiseram ir para o torneio na Venezuela. Voltaram à seleção, é verdade, mas demoraram a reconquistar a confiança do treinador. O meia do Milan, inclusive, está descartado temporariamente. Precisará mostrar bastante serviço até 2010.

No discurso dos jogadores, o título da Copa das Confederações aparece em segundo plano. O objetivo principal que fica explícito nas palavras dos atletas é "carimbar o passaporte" para a Copa do Mundo. "Nesse momento, se eu fizer uma grande Copa das Confederações, estarei quase confirmado [no Mundial]", resumiu Luís Fabiano.

Elano é outro que não consegue ignorar a proximidade da Copa. Segundo ele, andar pela África do Sul sem pensar na competição é missão praticamente impossível. "Não tem como isso não passar pela cabeça. A gente já visualiza na frente, esperando realizar esse sonho de jogar a Copa. O que passa pela minha cabeça é voltar aqui em 2010", comentou o meio-campista.

Para a partida desta segunda-feira, a única dúvida que pairava sobre o time parece ter sido resolvida. No único coletivo realizado para o jogo, Daniel Alves trabalhou entre os titulares e deixou Maicon (recuperado de lesão) na reserva. Ausente no último jogo por estar suspenso nas eliminatórias, Luís Fabiano retorna ao ataque.

Atual bicampeão africano, o Egito tem como palavra de ordem mostrar coragem e não tremer diante dos pentacampeões mundiais. "Sabemos que o Brasil está no topo, sabemos da diferença técnica, mas não temos medo. No futebol tudo é possível. Temos condições de mostrar a evolução do futebol africano e, com sorte, conseguir um bom resultado, como o empate", disse o técnico Hassan Shehata.

BRASIL X EGITO

Data: 15/06/2009 (segunda-feira)
Horário: 11h (de Brasília)
Local: estádio Free State, em Bloemfontein (África do Sul)
Transmissão na TV: Globo, Bandeirantes e Sportv
Árbitro: Howard Webb (ING)
Auxiliares: Michael Mullarkey (ING) e Peter Kirkup (ING)

Brasil
Júlio César; Daniel Alves, Lúcio, Juan e Kléber; Gilberto Silva, Felipe Melo, Elano e Kaká; Robinho e Luís Fabiano
Técnico: Dunga

Egito
El Hadary; Hani Said, Gomaa e Ahmed Said; Fathi, Ahmed Hassan, Abd Rabbou, Zidan e Moawad; Aboutrika e Raouf
Técnico: Hassan Shehata

Placar UOL no iPhone

Hospedagem: UOL Host