Atlético-MG identifica "desatenção" com excesso de gols após intervalos

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro

    Contra a Ponte Preta, Atlético-MG voltou a sofrer gols no início do segundo tempo

    Contra a Ponte Preta, Atlético-MG voltou a sofrer gols no início do segundo tempo

O Atlético-MG fez um primeiro tempo praticamente perfeito na parte defensiva diante da Ponte Preta. Não deu contra-ataques ao time de Campinas, que não conseguiu finalizar uma vez sequer no rumo do gol defendido por Victor. Só que a solidez defensiva de toda a equipe desapareceu no início da etapa final. Com poucos minutos do segundo tempo a partida já estava 2 a 1 para a Ponte Preta.

Essa desatenção no retorno do intervalo não foi uma novidade do jogo deste domingo, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. É algo que tem sido recorrente na temporada 2017. Dos 28 gols sofridos pelo Atlético no ano, dez saíram até o minuto 15 do segundo tempo. Isso significa 35% do total, ou um a cada três gols sofridos pela equipe alvinegra.

Números que são bem superiores se comparados com outros momentos do jogo. Depois dos primeiros 15 minutos do segundo tempo, o segundo período quem que o Atlético vai sofre gols é do minuto 16 ao 30 da etapa final. Foram cinco gols nessa fase da partida, metade do que levou após o reinício do jogo.

Algo que não pode se repetir nesta quarta-feira, contra o Paraná, às 21h45, no Independência, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Após perder por 3 a 1 no primeiro jogo, no Couto Pereira, em Curitiba, o time mineiro precisa vencer para avançar no torneio nacional. O triunfo simples, por 1 a 0, já é o suficiente.

Desconcentração? O que pode explica tamanha queda do Atlético nesse período da partida? Sem falar especificamente do momento do jogo, o técnico Roger Machado vê sua equipe considerar o jogo dominado. Explicação que se encaixa bem no empate com a Ponte Preta. Após um primeiro tempo inteiro sem correr nenhum perigo, o Atlético começou a etapa final criando oportunidades de ampliar a vantagem, mas não conseguiu por causa de duas boas defesas do goleiro Aranha.

"No momento em que você pensa que o adversário não pode ser problema, é aí que ele mostra que é. Já mostrei para o time e isso volta a se repetir. Esses momentos são duros com a gente", disse o treinador do Atlético.

Já o lateral direito Marcos Rocha aponta a oscilação da equipe como o fator para os gols sofridos logo no começo do segundo tempo. De acordo com o camisa 2, essa cobrança por mais atenção e regularidade durante toda a partida é algo que acontece há mais tempo entre os próprios jogadores.

"É uma das nossas cobranças, temos de ter atenção. Começamos bem e tivemos duas chances claras, mas num estalar de dedos, em cinco minutinhos, os caras viraram. Essa é a nossa cobrança, ter mais atenção, uma equipe madura como a nossa precisa ser mais regular, não ficar oscilando assim nas partidas".

Poucos gols sofridos no início e fim dos jogos

Nas três últimas partidas o Atlético sofreu apagões defensivos, que custaram caro ao time. Derrotas para Fluminense, Paraná Clube e empate com a Ponte Preta. Em todos os jogos a equipe mineira sofreu dois gols em um curto intervalo de tempo. Porém, algo que tem chamado a atenção nestes primeiros meses de 2017 é a capacidade de segurar os jogos no início e também dos poucos gols sofridos nos finais de cada partida.

Dos 28 gols que o Atlético concedeu no ano, apenas três foram antes dos 15 minutos de jogo. Contra Cruzeiro, pela primeira fase do Mineiro, contra Godoy Cruz e Sport Boys, pela fase de grupos da Copa Libertadores.

Já nos minutos finais das partidas, considerando a partir de 31 do segundo tempo, apenas duas vezes o Atlético sofreu gols, as duas no Mineiro. Contra Democrata-GV e Caldense.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos