"Barcelona do interior"? Auxiliar de Felipão conta quem é o rival do Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Divulgação

    Paulo Turra, hoje auxiliar de Felipão, foi técnico do Cianorte em 2012, 2015 e 2016

    Paulo Turra, hoje auxiliar de Felipão, foi técnico do Cianorte em 2012, 2015 e 2016

Mais do que o calor, o estádio acanhado, gramado 'de jardim' ou mesmo a pressão da torcida, o Inter deve temer a qualidade do Cianorte. O 'Barcelona dos times do interior' precisa ser respeitado. Esta é a avaliação do ex-zagueiro Paulo Turra, que foi técnico do time do noroeste paranaense em 2012 e entre 2015 e 2016. Hoje auxiliar de Felipão, ele explicou ao UOL Esporte as dificuldades que o Colorado irá enfrentar nesta quarta.

"Eles sempre montam bons times, contratam jogadores não por contratar, mas que conhecem, pesquisam, vão atrás de indicações. O ambiente lá também é complicado. Um estádio acanhado, estará lotado, a torcida ajuda, tem gramado antigo, de jardim, e um pouco alto. Não bastasse isso é bastante calor, muito abafado. O Inter não vai ter facilidades, não", contou o treinador.

A organização do clube é exemplar. Quem passa por lá, na avaliação de Turra, encontra salários em dia, boa estrutura e uma ambiente totalmente positivo para executar seu trabalho.

"Eu brinquei no jogo do Beira-Rio que o Cianorte é o Barcelona dentro da realidade dele (times do interior). É um clube muito organizado, tem três pessoas que comandam o futebol, o presidente, executivo e vice de futebol. Não tem conselheiros, é um clube empresa muito bem gerido, paga em dia. Tem uma estrutura simples, mas funcional. Qualquer jogador que chega lá, ou profissional do futebol, se sente à vontade. Sabe seus direitos e deveres. É um clube muito organizado", explicou.

Divulgação

Turra foi zagueiro do Caxias, do Palmeiras, do Botafogo, jogou em Portugal e na Escócia. Aposentado desde 2007, tornou-se auxiliar e depois técnico. Comandou o Cianorte em 2012, quando foi terceiro colocado no Campeonato Paranaense e por pouco não levou seu time à Série C do Brasileiro. Perdeu a vaga para o Mogi Mirim, então treinado por Guto Ferreira, nos pênaltis. Rodou por outros clubes e voltou ao Cianorte em 2015. Em 2016, conquistou a Segunda Divisão Paranaense de forma invicta com o clube. Posteriormente precisou se desligar para ser auxiliar técnico de Felipão no Guangzhou  Evergrande, da China, mas não perdeu contato.

"O Cianorte tem jogadores que assumiram a mentalidade do clube, vêm desde a base identificados com eles. Sinceramente acho que a primeira dificuldade do Inter será isso. Trabalhei com João Gabriel, goleiro, Rafael Xavier, meia, William, lateral esquerdo, Sid, volante e o Maikinho eu indiquei em 2015, foi meu jogador no Operário. Assim como o Patrick, que hoje está no Inter, também foi. O Marcelo Caranhato, técnico do Cianorte, foi meu auxiliar. Quando fui para China trabalhar com o Felipão, eu o indiquei para seguir o trabalho e vem muito bem", afirmou.

O treinador tem parte na invencibilidade de dois anos e quatro meses do time no estádio Albino Turbay. São 23 jogos sem perder em casa. "É um estádio de 2500 lugares, a torcida organizada puxa muito, é interior, não é um alçapão, mas a torcida pressiona bastante", referiu.

De volta ao Brasil, Turra segue como auxiliar de Luiz Felipe Scolari. Aguarda o próximo trabalho do comandante e esteve com ele no Beira-Rio no jogo de ida do embate na Copa do Brasil. Aproveitou o período para fazer o curso de Licença Pro da CBF, estagiou por 12 dias no Corinthians com Carille e acompanhou mais de 18 jogos dos Estaduais de Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Santa Catarina.

"É claro que o Internacional é um clube grande, mas precisa ficar atento. O Cianorte tem muita qualidade e tudo isso parte da organização do clube, da montagem de um bom time. Será um jogo complicado", finalizou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos