São Paulo abre vantagem, sofre "apagão" e é eliminado pelo Atlético-PR

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo (SP)

Depois da queda na semifinal do Campeonato Paulista para o Corinthians, o São Paulo sofreu um novo baque na temporada. Na noite desta quinta-feira, o Tricolor até deu esperanças de que seguiria na Copa do Brasil ao abrir dois gols de vantagem sobre o Atlético-PR no Morumbi. Mas o Furacão se aproveitou de apagão dos paulistas para buscar o empate por 2 a 2 e se classificar para as oitavas de final, com a ajuda da vitória por 2 a 1 no jogo de ida.

Os tricolores foram muito superiores no primeiro tempo, com muita raça, atitude e confiança para criar jogadas ofensivas. Nenê, mais uma vez destaque em horas decisivas, deu assistência para Valdivia abrir o placar e ainda fez o 2 a 0. Ainda no primeiro tempo, no entanto, o time de Diego Aguirre se abalou com gol de pênalti de Guilherme. Na volta do intervalo, a equipe de Fernando Diniz impôs ritmo acelerado, envolveu os donos da casa e empatou com Matheus Rossetto.

Com a nova dor de cabeça por uma eliminação, o São Paulo volta a pensar no Campeonato Brasileiro. No domingo, às 16h, o Tricolor visita o Ceará pela segunda rodada da Série A. Na estreia, o time paulista venceu o Paraná Clube por 1 a 0. Já o Atlético-PR, que começou o Brasileirão com 5 a 1 sobre a Chapecoense, vai a Porto Alegre encarar o Grêmio, às 19h, também no domingo. Na Copa do Brasil, o Furacão precisa esperar sorteio envolvendo os times que ainda estão na Libertadores para conhecer seu adversário nas oitavas.

Os melhores

Para que a proposta ofensiva do Furacão funcione, a participação de Guilherme e Pablo é essencial. E foi com belo desempenho da dupla que o empate rubro-negro foi construído. Guilherme, teoricamente, era o jogador mais avançado, mas voltava para armar e deixa os espaços necessários para Pablo infernizar os zagueiros. No São Paulo, Nenê foi o grande nome, com uma assistência e um gol.

Os piores

Por levar o giro de Valdivia no primeiro gol tricolor e pelo azar no desvio que gerou o segundo, Thiago Heleno saiu de campo como o pior atleticano da partida. Entre os são-paulinos, o volante Petros perdeu chance clara no início da partida e pouco apareceu depois, tanto marcando quanto atacando. Militão, atuando como zagueiro e às vezes lateral pela esquerda, também teve jornada ruim.

Arquivo Pessoal
Torcida do São Paulo encarou problemas para entrar no Morumbi

Sufoco da torcida

Horário ingrato, com complicações de trânsito, e ainda um protesto do Movimento dos Sem Terra (MST) nos arredores do Morumbi. A torcida do São Paulo precisou de paciência para chegar ao estádio nesta quinta. Tanto é que, quando a bola começou a rolar pela Copa do Brasil, ainda havia muita gente nas filas para cruzar as catracas. Um leitor enviou ao UOL Esporte um registro das dificuldades para chegar à arquibancada azul do Morumbi.

Blitz tricolor

O início de jogo do São Paulo lembrou muito o que foi feito nas quartas de final do Campeonato Paulista, contra o São Caetano. O time também precisava vencer por dois gols de diferença e se lançou para o ataque desde o começo. Desta vez, foi de Petros a chance de abrir o placar logo nos primeiros minutos, mas o chute de esquerda do volante saiu à direita de Santos. O goleiro do Furacão, aliás, colaborou com a pressão tricolor ao sair jogando errado e quase entregar gol para Valdivia.

Fim da resistência

O Atlético-PR tentou manter seu estilo de jogo, de posse de bola e sem chutões na defesa. O São Paulo não baixou a pressão. No conflito de estilos, o Tricolor conseguiu se sair melhor no primeiro tempo. Em um intervalo de nove minutos, os paulistas secaram a vantagem do Furacão. Primeiro, Nenê deu bela assistência de calcanhar para golaço de Valdivia. Depois, o camisa 7 arriscou de fora da área e contou com desvio em Thiago Heleno para abrir 2 a 0.

Marcello Zambrana/Agif
Nenê marcou seu terceiro gol pelo São Paulo na temporada

Esperança rubro-negra

Uma reação parecia improvável para o Furacão. O São Paulo jogava bem e já tinha boa vantagem no placar quando o time de Fernando Diniz, enfim, tentou se impor no ataque. Aos 39 minutos, Camacho apareceu na ponta direita, deu corte seco para trás e viu a bola bater na mão de Liziero, que deslizava em carrinho. O árbitro assinalou pênalti e Guilherme converteu com categoria.

Marcello Zambrana/Agif
Tite foi ao Morumbi para observar o zagueiro Rodrigo Caio para a seleção

Responsabilidade para Rodrigo Caio

Em um dos camarotes do Morumbi, o técnico Tite se posicionou para observar o zagueiro Rodrigo Caio. O são-paulino esteve presente na última convocação para a seleção brasileira, ficou no banco de reservas no amistoso contra a Alemanha, em março, e agora espera ser chamado para a Copa do Mundo de 2018.

Papéis invertidos

Se no primeiro tempo a pressão foi são-paulina nos minutos iniciais, tudo se inverteu na volta do intervalo. O Atlético-PR retornou muito melhor, com trocas de bola envolventes e marcação adiantada. Logo aos seis minutos, a estratégia deu resultado. O lado direito da defesa tricolor foi dominado por triangulações e Pablo apareceu na linha de fundo para cruzar para Rossetto, que só empurrou para o gol vazio. E a virada só não veio quatro minutos mais tarde porque o chute de primeira de Carleto explodiu na trave de Sidão.

Marcello Zambrana/Agif
Ex-corintiano Guilherme mostrou categoria em cobrança de pênalti

Chance para Diego Souza

Diego Souza não foi nem sequer relacionado para os dois jogos anteriores do São Paulo, um por opção e outro por estar com amigdalite. Isso não impediu o técnico Diego Aguirre, entretanto, de apostar no veterano em mais uma decisão na temporada. E por pouco o camisa 9 não foi letal em sua primeira participação: enfiada para Nenê, que chutou por cobertura para linda defesa de Santos. O goleiro atleticano foi bombardeado nos minutos seguintes, em finalizações de Rodrigo Caio e, de novo, Nenê.

Fase amaldiçoada

O São Paulo insistiu até o último lance da partida, inclusive com Santos realizando bela defesa em chute de Militão de fora da área. Não houve tempo, porém, para evitar a queda. Pelo segundo ano consecutivo, o time do Morumbi foi eliminado na quarta fase da Copa do Brasil. Em 2017, o algoz foi o Cruzeiro, que venceu por 2 a 0 no Morumbi e passou mesmo perdendo por 2 a 1 no Mineirão.

FICHA TÉCNICA:
SÃO PAULO 2X2 ATLÉTICO-PR

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 19 de abril de 2018, às 19h15
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Correa e Thiago Neto Farinha (ambos do RJ)
Público/Renda: 27.812 presentes/R$ R$ 850.813,00
Cartões amarelos: Lucho González e Pavez (CAP)

Gols: Valdivia, aos 25, e Nenê, aos 34 minutos do primeoro tempo (SAO); Guilherme, aos 40 minutos do primeiro tempo, e Matheus Rossetto, aos seis minutos do segundo tempo (CAP)

SÃO PAULO: Sidão, Militão, Arboleda e Rodrigo Caio; Régis, Jucilei, Petros (Lucas Fernandes), Valdivia (Cueva) e Liziero; Nenê e Tréllez (Diego Souza). Técnico: Diego Aguirre.

ATLÉTICO-PR: Santos, Paulo André, Pavez (Zé Ivaldo) e Thiago Heleno; Matheus Rossetto (Deivid), Camacho, Lucho González e Thiago Carleto; Guilherme (Ribamar), Nikão e Pablo. Técnico: Fernando Diniz.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos