Robinho deixou farra para render após bronca de Mano: "dei uma empolgada"

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

Robinho mudou a vida de 2017 para 2018. Depois de aproveitar bastante fora dos gramados, o meio-campista recebeu ultimato de Mano Menezes e foi obrigado a ter uma vida mais regrada em prol de um melhor desempenho.

O jogador seguiu à risca os conselhos do treinador e é dono de uma postura mais profissional fora dos gramados. Menos baladeiro, se tornou peça decisiva em campo. Na finalíssima da Copa do Brasil, na noite dessa quarta-feira (17), marcou um dos gols da vitória do Cruzeiro por 2 a 1 sobre o Corinthians em plena Arena Corinthians.

Leia também:

Em 2017, Robinho teve uma sequência de lesões musculares devido à vida desregrada. Recém-separado, passou a aproveitar a noite com mais frequência em Belo Horizonte. O rendimento em campo ainda era bom, mas o problema foi o excesso de lesões. Com a musculatura comprometida, teve dois problemas clínicos (estiramentos nas coxas esquerda e direita) e ficou fora por mais da metade da temporada. O meio-campista jogou 35 dos 74 jogos do Cruzeiro.

Nesta temporada, Robinho ganhou mais presença em campo. Até o momento, ele já atuou em 50 dos 62 confrontos disputados pela equipe de Mano Menezes. A maior participação só foi possível graças à mudança de comportamento do atleta. Para alterar a sua postura, o atleta precisou de uma bronca do técnico Mano Menezes.

"É, o ano passado foi difícil para mim. Tem algumas coisas que as pessoas não sabem. Eu acabei me separando, dei uma empolgada, coisa que acabou me prejudicando. O Mano teve uma conversa comigo, exigiu de mim. Esse ano, eu me cobrei muito, joguei, fui um dos que mais joguei", declarou à TV Globo ao fim do jogo ocorrido nessa quarta.

Mais cuidadoso fora dos gramados, Robinho melhorou fisicamente e se destaca em campo. Prova disso foi o gol decisivo na final da Copa do Brasil, na Arena Corinthians. Mas não é só o condicionamento que faz diferença. O atleta conta também com um aspecto psicológico.

"Eu não sinto pressão, fico tranquilo, tento passar tranquilidade para o time, sou um dos mais experientes da equipe", afirmou o meio-campista, que fez elogios à diretoria e à comissão técnica após o segundo título consecutivo da Copa do Brasil:

"Os momentos em que fomos poupados do Brasileiro eram de estratégia. O Itair e o presidente fizeram um trabalho espetacular. Eles nos blindaram nos momentos corretos. Parabéns para nós, jogadores, que fizemos um trabalho maravilhoso aqui", concluiu.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos