Aguirre exalta elenco do SP: "Estou satisfeito, estamos defendendo bem"

Do UOL, em São Paulo (SP)

  • AFP PHOTO / MARCELO MANERA

    Aguirre comandou o Tricolor pela sexta vez e fez o primeiro ponto fora de casa

    Aguirre comandou o Tricolor pela sexta vez e fez o primeiro ponto fora de casa

Empatar fora de casa, com um jogador a menos em quase toda a partida contra o Rosario Central, foi uma prova para Diego Aguirre de que seu trabalho está sendo bem feito no São Paulo. O Tricolor segurou 0 a 0 no estádio Gigante de Arroyito ao estrear na Copa Sul-Americana apresentando uma elogiável força defensiva e o treinador se mostrou orgulhoso.

Assista aos melhores momentos da partida.

"Estou satisfeito, estamos defendendo bem. Não quero uma definição de um sistema ou outro (o time variou do 3-5-2 para o 4-4-1 depois do vermelho aplicado a Rodrigo Caio). Por isso, o melhor jogador da partida foi o time. Valorizo a equipe, a solidariedade, todos lutando. Um pelo outro. Fiquei feliz por eles se comprometerem, superando dificuldades em um campo difícil. O time saiu fortalecido", ponderou o comandante uruguaio.

Essas variações táticas já estavam previstas por Aguirre, mas não para deixar o time mais seguro defensivamente. A ideia era se lançar ao ataque abandonando o esquema com três zagueiros no segundo tempo em Rosário. A expulsão, considerada precipitada pelo técnico, fez o planejamento mudar, mas o time não se abalou e os donos da casa pouco criaram. 

"O plano era aguentar no primeiro tempo e tínhamos uma variante tática para mudar a partida depois do intervalo. O vermelho acabou condicionando tudo. O Rosario não criou muito porque não é fácil jogar contra duas linhas de quatro como armamos, mesmo que houvesse a superioridade numérica. Foi difícil para eles porque nos defendemos bem", explicou.

Caso de racismo

No intervalo e na volta para o segundo tempo, os torcedores do São Paulo que estavam no Gigante de Arroyito foram atacados com objetos e cuspes de argentinos que estavam em setor acima, atrás de um dos gols do estádio. Além disso, os "canallas", como são chamados os seguidores do Rosario, realizaram ofensas racistas.

"Não sabia disso. É algo muito, muito feio. O futebol é uma festa e somos povos irmãos, não é possível que isso aconteça ainda hoje em dia. Tomara que nossa torcida tenha nível na hora de recebê-los no Morumbi, sem ser agressiva e nos ajudando a vencer. É uma situação que a diretoria tem que cuidar. Não tenho condições de falar o que deve ser feito. Não deveriam acontecer essas coisas", lamentou Aguirre.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos