Aplaudido pela torcida, Dani Alves volta a chamar imprensa de "lixo"

Do UOL, em São Paulo

Depois de uma semana conturbada, Daniel Alves teve uma recepção calorosa da torcida do Barcelona. No 4 a 0 deste sábado contra o Granada, pelo Campeonato Espanhol, o lateral entrou no segundo tempo e foi bastante aplaudido. Depois do jogo, ele reforçou suas críticas aos jornalistas.

"Eu disse o que penso de um certo tipo de notícias. Estão levando o futebol a um caminho que não deveriam. Eu me irrito e dou minha opinião. Se tenho que retificar algo é uma palavra que utilizei, mas o resto eu mantenho. Sigo, sem generalizar, pensando o mesmo. Certos veículos e certas informações são lixo porque não acrescentam nada ao futebol", disse Daniel Alves, segundo o jornal AS.

A crítica do brasileiro agitou a semana em Barcelona. Há meses em rota de colisão com a imprensa espanhola, especialmente o jornal Marca, Daniel Alves perdeu a calma depois da repercussão que teve o duelo entre seu time e o Espanyol pela Copa do Rei. Os atuais campeões da Liga dos Campeões reclamaram da violência dos rivais e parte da imprensa discordou.

Daniel Alves, em seu Facebook, chamou a cobertura de "p... lixo". O Barcelona, em nota oficial, disse que não apoiava o lateral no teor de seus comentários. Quando a organização dos jornalistas esportivos da Espanha ameaçou o jogador com um processo, no entanto, o clube reclamou da ameaça e aí se colocou ao lado do brasileiro, prometendo todo apoio em uma eventual ida à Justiça.

"Não busco apoio de ninguém. Penso que o clube tem de defender os interesses dele, não os meus", disse Daniel Alves, fazendo pouco caso da reação negativa do Barcelona. Neste sábado, segundo relataram usuários do Twitter, a rádio Marca ignorou o jogador em campo, o chamando simplesmente de "camisa 6". Outros veículos, também incomodados com os termos usados, criticaram o lateral, que não mostrou incõmodo com a situação. 

"Eu não generalizo, as pessoas que saíram se defendendo é porque sentiram que a carapuça serviu", disse o brasileiro, que atacou ainda mais a imprensa. "Não vamos nos queixar da violência no futebol ou nas arquibancadas se nos dedicamos a informar o que não deveríamos. Há certo tipo de coisas que não se deve levar adiante, mas como ninguém se interessa, paciência. Que a gente se bata e se sacrifique porque será notícia", completou. 

UOL Cursos Online

Todos os cursos